Liberdade, fogo do sagrado e dos sentidos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • “Não dá para ser uma Igreja de decisões tomadas apenas por homens”. Entrevista com o Cardeal Hollerich, jesuíta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Agosto 2016

Em uma das cartas mais fortes do seu epistolário publicado no "New England Spectator" em 1837 (reeditado integralmente no periódico abolicionista "The Liberator"), Sarah Moore Grimké escreveu: "que mulheres tenham sido chamadas ao ministério profético, acho que é universalmente aceito e se os ministros cristãos, como eu gostaria, são os sucessores dos profetas e não dos sacerdotes, então, certamente, as mulheres foram chamadas ao ministério exatamente como os homens, porque Deus, em nenhum lugar, lhes subtraiu a missão de pregar".

A reportagem de Alessandro Santagata para "il manifesto", 05-08-2016. A tradução é de Fernanda Pase Casasola.

Essa mulher, quaker, crescida nas plantações da Carolina do Sul e militante contra a escravatura e a favor dos direitos das mulheres, conhecemos pouquíssimo, especialmente, na Itália. Por isso, é realmente notável o que Thomas Casadei e Ingrid Heindorf realizaram com esta edição crítica (pela primeira vez em italiano), lançada sob a supervisão de Pier Cesare Bori, Poco meno degli angeli. Lettere sull’uguaglianza dei sessi (Pouco menos que os anjos. Cartas sobre a igualdade dos sexos, em tradução livre) (Castelvecchi, 123 páginas).

Impressionam as passagens de algumas destas cartas endereçadas à burguesia branca e escravocrata, orgulhosa da própria moralidade cristã, mas sempre mais secularizada e anestesiada. A autora, que conhece bem as Escrituras, desmonta as construções culturais e "sacrais" com as quais a sociedade pensante justifica a subordinação dos inferiores, ou seja, das mulheres e dos escravos.

À Associação Geral dos Ministros Congregacionais do Massachussetts, por exemplo, explica que a humanidade foi criada à imagem de Deus e que "os criou homem e mulher" (Gênesis, 1, 27): "tratava-se de dar ao homem uma companheira, em todos os sentidos, igual a ele; alguém que fosse como ele, um sujeito livre, dotado de intelecto; alguém que fosse capaz não apenas de participar de suas satisfações animais, mas também de compartilhar todos os seus sentimentos".E ainda: "se Adão tivesse repreendido ternamente a mulher, em vez de dividir a culpa, eu estaria muito mais disposta a conceder ao homem a superioridade que pretende, mas como os fatos são apresentados no histórico religioso, parece que Adão demonstrou tanta fraqueza quanto Eva".

O conceito de Imago Dei, do qual Bori, nos estudos dos seus últimos anos, ilustrou brilhantemente o poder universal e inter-religioso, torna-se então, no pensamento de Grimké, o sustentáculo de um ataque a todos aqueles que negam a igualdade jurídica e política às mulheres. O objetivo final estabelecido é a aquisição do direito ao voto, uma batalha que Grimké, vice-presidente da Associação pelo Sufrágio Feminino, se dedicará até sua morte, em 1873, ao viajar todo o país e expor suas ideias nas praças e nos teatros de mais de oitenta e oito localidades. O impacto desses comícios é significativo, provocando debates violentos e abrindo caminho a uma longa lista de oradoras.

Voltando aos grupos mobilizados nas cartas, como observa Gerda Lerner (The Creation of Feminist Consciousness), o aspecto mais avançado, e, de certa forma, surpreendente para o contexto histórico-social no qual foram escritas, reside na ideia de que o gênero constitua uma variável cultural relativa ao sexo. A questão não é, obviamente, apresentada nesses termos, mas a carta sobre Relação social entre os sexos é reveladora. Escreve a autora: "Nada, acredito, contribuiu mais para destruir a verdadeira dignidade da mulher do que ela ter sido aproximada do homem enquanto fêmea, colocando em segundo plano o ser moral e intelectual. A mulher infligiu uma ofensa a ela mesma aceitando ser considerada dessa forma e agora é chamada a levantar-se da posição onde o homem, não Deus, a colocou".

Também é dura a acusação dirigida ao instrumento do matrimônio, com o qual a mulher "foi privada de alguns de seus direitos essenciais" por meio de leis nas quais "não teve nenhuma voz". Dentre esses dispositivos de submissão - explica Casadei - se encontra a analogia mulher/escravo "com referência a incapacidade jurídica, verdadeira pedra angular do edifício conceitual da autora".

Na perversão do cristianismo, operada pelos homens, Grimké identifica os fundamentos de uma estrutura opressiva que somente a redescoberta do Cristo verdadeiro poderá converter aquele Cristo naquele que "não tem nem escravo nem livre, nem homem nem mulher".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Liberdade, fogo do sagrado e dos sentidos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV