Papa Francisco. Paróquias sempre abertas, nada de agendas ou horários para quem bate à porta.

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Mai 2016

O Papa, falando livremente no decurso da homilia da missa do Jubileu dos diáconos, disse que lhe desagradava “quando vejo horário nas paróquias, de tal a tal hora, sendo que depois não há porta aberta, não há padre, não há diácono, não há leigo que receba o povo”.

A reportagem é de Giulia Bonaudi, publicada por Il Giornale, 29-05-2016. A tradução é de Benno Dischinger

Na homilia o Pontífice insistiu, pois, muito nos traços mansos e humildes do serviço cristão, que é imitar Deus servindo os outros: acolhendo-os com amor paciente, compreendendo-os sem cansar-se, fazendo-lhes sentir-se acolhidos, em casa, na comunidade eclesial, onde não é grande quem comanda, mas quem serve, o Papa Bergoglio recomendou sem meias palavras: E jamais censurar em voz alta, jamais.

Assim, caros diáconos – disse ele, retomando o texto escrito – na mansidão amadurecerá a vossa vocação de ministros da caridade. Disponíveis na vida, - concluiu – mansos de coração e em constante diálogo com Jesus, não tereis medo de ser servidores de Cristo, de encontrar e acariciar a carne do Senhor nos pobres de hoje.

E os párocos, o que dizem? Sobre o não aos horários em paróquia se registra um pouco de divisão entre os padres. Não contra um discurso de acolhida, quanto por questões logísticas, às vezes ligadas a carência de pessoal e à disponibilidade das pessoas, outras vezes por razões de seguranças.

Aquilo que pede o Papa – afirma o padre Mauro Manganozzi, da paróquia Nossa Senhora de Lourdes de Tor Marancia, na periferia de Roma – é possível, mas é difícil. A nossa igreja permanece aberta das 8 às 20 horas, em horários no stop: o povo vai e vem. Até durante a pausa para almoço há quem venha pedir e não encontra as portas fechadas. Haverá algum que ponha um pouco de stop, mas nós estamos em primeira linha e damos uma resposta a todos, mesmo nas dificuldades.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco. Paróquias sempre abertas, nada de agendas ou horários para quem bate à porta. - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV