A laicidade francesa é "exagerada" como disse o papa? Artigo de Jean-Paul Willaime

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Mai 2016

Se é verdade que há certas expressões de laicidade exagerada, também há expressões religiosas de tipo integralista, fundamentalista, que exageram porque gostaria de pôr novamente em discussão as conquistas fundamentais da laicidade.

A opinião é de Jean-Paul Willaime, diretor emérito de estudos da École Pratique des Hautes Études (EPHE), seção Ciências Religiosas, na França, em depoimento a Claire Lesegretain, comentando a recente entrevista concedida pelo Papa Francisco ao jornal La Croix, 18-05-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O papa começa confirmando que "um Estado deve ser laico", esclarecendo, assim, que não é a sociedade que deve ser laica. Do mesmo modo, ele lembra que "a abertura à transcendência deve ser um direito de todos". E eu acredito que, na França, esse direito deve ser respeitado: todas as formas de abertura espiritual – também para espiritualidades laicas – são acessíveis.

O papa insiste na liberdade de cada um de exteriorizar a própria fé, com tudo o que isso envolve de visibilidade do religioso no espaço público. Ora, é preciso distinguir o espaço público como espaço de regulamentação estatal e como sociedade civil com as suas ruas, as suas praças, a sua vida social... O espaço público não se reduz à regulamentação estatal.

Portanto, devemos reconhecer, na sociedade civil, uma plena autonomia, no respeito às leis e à ordem pública, a expressões religiosas e culturais diferentes. Vejo uma exemplificação dessa "laicidade exagerada" em relação às mães que usam véu na saída dos seus filhos da escola: de acordo como forem consideradas, como momentaneamente participantes do serviço público ou representantes da sociedade civil, a sua presença será aceita ou não. Pessoalmente, opto pela segunda resposta, e outra interpretação parece-me ser uma laicidade exagerada.

Outros exemplos de laicidade exagerada: quando um prefeito, como em Chalon-sur-Saône, se recusa a prever um menu alternativo nas cantinas escolares, nos dias em que se serve carne de porco. Então, eu compreendo essa frase do papa no contexto das polêmicas franco-francesas sobre a laicidade, em que alguns gostariam de fazer desaparecer todo sinal religioso da vida pública em nome de uma laicidade exclusiva que encerraria as expressões religiosas ao foro interno.

Nesse caso, é a sociedade que se quer tornar laica. Ora, mesmo que a sociedade francesa esteja mais ou menos secularizada, ela não deve ser necessariamente laica. É o que dizia Bernard Cazeneuve ao La Croix em janeiro, lembrando que "o valor cardeal da República é o respeito, e ele se expressa com a laicidade".

A sociedade, portanto, deve respeitar a liberdade de expressão das Igrejas e das diversas expressões religiosas, mesmo quando elas expressam pontos de vista que estão em contraste com a maioria. Esse respeito não deve ser de geometria variável.

Além disso, o papa lembrou que "a objeção de consciência é um direito e deve ser possível" em todos os lugares e para todos, também para os funcionários estatais.

Em suma, eu tendo a concordar com o papa. Mas acrescentando que, se é verdade que há certas expressões de laicidade exagerada, também há expressões religiosas de tipo integralista, fundamentalista, que exageram porque gostaria de pôr novamente em discussão as conquistas fundamentais da laicidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A laicidade francesa é "exagerada" como disse o papa? Artigo de Jean-Paul Willaime - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV