11 dos 24 ministros de Temer apoiaram Aécio em 2014

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja é contra a Reforma da Previdência

    LER MAIS
  • A justiça social é mais importante para evitar doenças mentais do que medicamentos, afirma relator de saúde da ONU

    LER MAIS
  • Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e somando 239 registros no ano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Maio 2016

Metade dos ministros nomeados nesta quinta-feira 12 pelo presidente interino da República, Michel Temer (PMDB), apoiou a candidatura derrotada de Aécio Neves (PSDB-MG) nas eleições presidenciais de 2014.

Temer começou a formar seu governo de maneira mais efetiva no fim de março, quando seu partido, o PMDB, rompeu de vez a parceria com o PT. Nos dias que se seguiram ao desembarque do governo Dilma, Temer se aproximou do PSDB.

A informação é publicada por CartaCapital, 13-05-2016.

Os tucanos inicialmente divergiram sobre a participação no novo governo, mas tomaram a decisão após uma fala do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), segundo quem o partido tem "responsabilidade política" e não poderia se recusar a entrar no governo.

Na lista de 24 ministros confirmada por Temer nesta quinta-feira, três são filiados ao PSDB: o senador José Serra (SP), que assume o Itamaraty; o deputado federal Bruno Araújo (PE), que fica com Cidades; e Alexandre de Moraes, que deixa a Secretaria de Segurança Pública estadual de São Paulo para assumir o Ministério da Justiça.

Além dos três tucanos, estarão no ministério dois outros integrantes de partidos de oposição ao PT que estavam com Aécio no segundo turno: os deputados federais Raul Jungmann (PPS-PE), que vai para a Defesa, e Mendonça Filho (DEM-PE), que assume a Educação.

O bloco peemedebista do novo governo tem quatro integrantes que estiveram ao lado da chapa derrotada em 2014: o senador Romero Jucá (RR), novo ministro do Planejamento; Geddel Vieira Lima (BA), da Secretaria de Governo; e os deputados federais Osmar Terra (RS) e Leonardo Picciani (RJ), que ficam com os ministérios do Desenvolvimento Social e do Esporte, respectivamente.

Completam a lista de apoiadores de Aécio Neves os deputados Maurício Quintella Lessa (PR-AL), que fica com Transportes, e Fernando Bezerra Coelho Filho (PSB), novo ministro de Minas e Energia.

Simpatizantes e neutros

Também compõem o ministério de Temer figuras que ficaram em cima do muro ou não se posicionaram publicamente por conta de disputas eleitorais locais.

É o caso do deputado Ricardo Barros (PP-PR), que assume a Saúde, do ex-deputado Henrique Alves (Turismo), que foi candidato ao governo do Rio Grande do Norte e disputou o cargo sem esclarecer exatamente sua posição política; e de Henrique Meirelles, novo ministro da Fazenda, filiado ao PSD e que foi cogitado para ser vice na chapa de Aécio, negociação que não avançou.

A primeira nomeação de Meirelles, segundo o jornal O Globo, é a do economista Mansueto Almeida para a Secretária do Tesouro Nacional. Almeida foi um dos "cabeças" na montagem da proposta econômica de Aécio Neves em 2014.

Estão ainda no ministério o deputado Ronaldo Nogueira (Trabalho), cujo partido, o PTB-RS, apoiou Dilma, mas que não declarou voto na petista "por razões ideológicas"; e o advogado Fábio Osório Medina, um dos indicados pela oposição como especialista para defender o impeachment de Dilma Rousseff na Comissão Especial do Senado que avalia o caso.

O ministério tem também o general Sergio Etchegoyen, que deixa a chefia do Estado-Maior do Exército e assume o Gabinete de Segurança Institucional; e Fabiano Augusto Martins Silveira, indicado do Senado para o Conselho Nacional de Justiça que assume o Ministério da Fiscalização, Transparência e Controle (ex-CGU).

Apoiadores de Dilma

No ministério de Temer, apenas seis integrantes apoiaram Dilma Rousseff em 2014. Os três mais entusiasmados foram o senador Blairo Maggi, que assume a Agricultura; Hélder Barbalho, que era ministro dos Portos de Dilma e assume a Integração Nacional; e Gilberto Kassab, que, com seu PSD foi o último a desembarcar do governo Dilma, um dia antes da votação do impeachment na Câmara. O ex-prefeito de São Paulo assume o ministério que aglutinará Ciência e Tecnologia e Comunicações.

Também apoiaram Dilma o pastor Marcos Pereira, do PRB, que assume o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; o deputado federal do PV José Sarney Filho (Meio Ambiente), cuja família tinha um acordo com o PT nacional do Maranhão contra Flavio Dino (PCdoB), que acabou eleito; e Eliseu Padilha, da Casa Civil.

Padilha foi ministro da Aviação Civil no governo Dilma Rousseff, mas abandonou o cargo para articular o governo Temer. Seu nome sempre teve resistência no PT, pelo fato de Padilha não ser um aliado tão firme. "O Temer vai pedir voto para ele. Logo, para a presidenta Dilma", disse o deputado em outubro de 2014, em um comício em Porto Alegre.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

11 dos 24 ministros de Temer apoiaram Aécio em 2014 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV