Em parte da África, 3 em 4 pessoas com Aids não recebem tratamento

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro entrelaça a prática eucarística com as realidades sociais, econômicas e ecológicas

    LER MAIS
  • “A liberdade é vazia sem a solidariedade.” Entrevista com Massimo Recalcati

    LER MAIS
  • O próximo papa: um pedido de mudança. Artigo de George Weigel

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Mai 2016

Na África, países menos afetados pela epidemia de HIV são deixados de lado e contribuem para o crescimento no número de casos da doença.

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) divulgou um relatório sobre a situação do combate à Aids nos países africanos. Segundo O MSF, a concentração de recursos na África subsaariana, onde a prevalência do HIV atinge 9% da população, tem deixado países da África Central e Ocidental desassistidos, contribuindo para o avanço do vírus nessas regiões.

A reportagem é de Juliana Cunha, publicada por Portal Uol, 12-05-2016.

A área que compreende a África Central e Ocidental abrange 25 países e é considerada de baixa prevalência, com 2,3% da população vivendo com o vírus da Aids. Esse número, no entanto, equivale a três vezes a prevalência mundial, que é de 0,8%, e alguns locais chegam a ter mais de 5% da população infectada, patamar que define a alta prevalência. 

No Brasil, a prevalência do HIV está entre 0,4 e 0,7% da população, segundo levantamento do Ministério da Saúde feito em 2014. 

A região da África Central e Ocidental é responsável por uma em cada cinco novas infecções por HIV no mundo, por uma em cada quatro das mortes relacionadas à Aids e por quase metade das crianças nascidas com o vírus. A cobertura do tratamento antirretroviral nessa região não chega a 24% da população necessitada, segundo o relatório "Fora do foco: como milhões de pessoas na África Central e Ocidental estão sendo deixadas de fora da resposta global ao HIV", divulgado no fim de abril.

"As agências internacionais tendem a concentrar seus esforços nos países mais afetados da África subsaariana, criando uma lacuna de tratamento nos outros países. As necessidades na África Central e Ocidental continuam enormes, com três em cada quatro doentes sem acesso aos medicamentos. Isso equivale a cinco das 15 milhões de novas pessoas pelo mundo que deveriam iniciar o tratamento até 2020", afirma Eric Goemaere, especialista em HIV do MSF.

"A negligência contínua em relação a essa região é um erro trágico e estratégico: deixar o vírus livre para fazer seu trabalho mortal na África Central e Ocidental ameaça o objetivo de conter o HIV no mundo", diz o médico.

Segundo o relatório, a instabilidade política e econômica de muitos países da região estão entre os complicadores, além da falta de apoio internacional.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em parte da África, 3 em 4 pessoas com Aids não recebem tratamento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV