Cardeal Brandmüller lembra Francisco que o ensino moral católico não pode ser alterado

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • "No Brasil, há corpo mole em relação ao Papa Francisco, mas não discordância pública". Entrevista com Jose Oscar Beozzo

    LER MAIS
  • Papa inicia viagem ao Chile com visita surpresa ao 'bispo dos pobres'

    LER MAIS
  • ''Francisco purificou a cultura pastoral de acordo com o ensinamento de Jesus.'' Entrevista com Michael Zulehner

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Abril 2016

Walter Brandmüller, cardeal curial aposentado, alemão, publicou no dia 6 de abril no sítio católico austríaco “Kath.net” uma forte declaração na dianteira da exortação apostólica por vir do Papa Francisco. Nela, deixa claro que o papa está vinculado aos Dogmas da Igreja, da mesma forma como eles devem ser encontrados também no Catecismo da Igreja.

A informação é publicada por The Wanderer, 06-04-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O cardeal assim diz: “Faz parte do ensino magisterial da Igreja (Dogma) que um matrimônio validamente contraído e consumado não pode ser dissolvido por nenhum poder do mundo – nem pela própria Igreja”. Brandmüller recorda aos leitores que este ensinamento está reafirmado tanto na exortação apostólica Familiaris Consortio (de 1981 do Papa João Paulo II) como no Catecismo da Igreja Católica.

Brandmüller diz claramente que “aquele que, apesar de um laço matrimonial existente, entra depois de um divórcio em uma nova união civil está cometendo adultério” e que – enquanto esta pessoa “não estiver se dispondo a dar um fim a essa situação” – ele ou ela “não pode receber nem a absolvição na Confissão nem a Eucaristia (a Sagrada Comunhão)”. Qualquer outro caminho, insiste o cardeal, estaria “fadado a fracassar” devido à sua “inerente falsidade”.

Ele continua: “Isso vale também com respeito à tentativa de integrar na Igreja aqueles que vivem em um ‘segundo casamento’ inválido” admitindo-os a funções litúrgicas, catequéticas e outras”. Este caminho, a seu ver, conduziria a “conflitos”, “embaraços” e a um “enfraquecimento da proclamação sagrada da Igreja”.

O cardeal passa então a dizer que tais propostas recentes “revelam-se como tentativas – com a ajuda da tática do salame – para finalmente admitir casais aos sacramentos”. E acrescenta: “O que é fundamentalmente impossível por motivos de fé é também impossível no caso individual”.

O prelado alemão conclui o seu texto com uma afirmação importante: “O documento pós-sinodal, Amoris Laetitia, deve, pois, ser interpretado à luz dos princípios acima apresentados, posto que uma contradição entre um documento papal e o Catecismo da Igreja Católica não seria imaginável”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Brandmüller lembra Francisco que o ensino moral católico não pode ser alterado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV