Por que o papa não menciona o Islã

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Byung-Chul Han: smartphone e o “inferno dos iguais”

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Março 2016

"O massacre de Lahore, que aconteceu enquanto ainda chorávamos os mortos de Bruxelas, confirma que o terrorismo é um problema geopolítico mundial deste momento. Ele o é ao menos desde 2001 e se tornou ainda mais depois da guerra no Iraque em 2004." Massimo Borghesi, professor de filosofia moral na Universidade de Perugia, na Itália, comenta os artigos e os editoriais dedicados pelos jornais italianos ao ataque terrorista ocorrido no dia de Páscoa em Lahore, no Paquistão, que provocou 72 mortes e cerca de 300 feridos.

A reportagem é de Fabio Colagrande, publicada no sítio da Radio Vaticana, 29-03-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"No Paquistão, o fenômeno do terrorismo – explica – tem uma configuração particular, certamente distante da do IS, que corresponde a uma realidade que se criou nas últimas décadas, depois da guerra com o Afeganistão, e tem o rosto dos chamados 'talibãs'. Trata-se de uma ala fundamentalista sunita que se opõe hoje à política do presidente Sharif, voltada a amenizar os contrastes e a criar a unidade nacional. Uma opção política muito corajosa do chefe de Estado paquistanês, mas infelizmente frágil."

"Nesse sentido – explica Borghesi – o atentado terrorista ocorrido no dia de Páscoa em Lahore é um ataque contra os cristãos, mas também é uma resposta política específica ao governo no poder por parte daqueles que não querem o processo de integração e preferem a radicalização das diferenças e, em particular, a marginalização das minorias, principalmente a cristã."

"Muitos, nestas horas, gostariam que o papa atribuísse diretamente ao Islã a violência terrorista de ataques como o de Lahore", comenta o estudioso. "Na realidade, Francisco não pronuncia essa palavra, não por uma espécie de prudência, que, contudo, seria compreensível, mas por uma questão de princípio. A maior parte dos muçulmanos existentes no mundo, de fato, é contrária a todo tipo de violência e quer uma convivência pacífica. O problema é o islamismo radical, que nasce do extremismo sunita de raiz wahabita, não por acaso promovido pela Arábia Saudita, um dos principais aliados árabes do Ocidente."

Não ao "culturalismo" e ao "terceiro-mundismo"

"Como recorda o cientista político francês Olivier Roy – acrescenta o estudioso – há uma dupla abordagem que deve ser superada ao lidar com o tema do Islã, distinguindo bem os ataques terroristas, como o que ocorreu na Páscoa no Paquistão, daqueles que ocorreram na Europa, como o recente de Bruxelas."

"Deve ser superada a perspectiva 'culturalista', para a qual existiria uma radical heterogeneidade que leva ao confronto e, portanto, à inevitável 'guerra de civilizações' entre Ocidente e Islã. Mas também a abordagem 'terceiro-mundista', que defende que todo o problema decorre do Ocidente, e o islamismo é apenas uma reação da parte pobre e frustrada da sociedade imigrante. Embora seja verdade que aqui – como explica Roy – estamos diante de uma islamização do radicalismo, um processo muito diferente daquele que leva os talibãs a colocarem as bombas no Paquistão. Na Europa, os muçulmanos de segunda geração muitas vezes encontram no islamismo uma forma de desconstrução de um mundo que odeiam porque os exclui."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que o papa não menciona o Islã - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV