Papa Francisco concede entrevista histórica ao jornal Asia Times

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Fevereiro 2016

Kin Sheung Chiaretto Yan é um teólogo leigo católico chinês que vive em Xangai e é pesquisador do Instituto Universitário Sophia, de Loppiano, na Itália, além de autor de Il Vangelo oltre la Grande Muraglia. Sfide e prospettive del cristianesimo in Cina (Emi), recentemente apresentado no Vaticano. Com ele, falamos sobre a histórica entrevista de Francisco ao jornal Asia Times.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada no jornal La Repubblica, 02-02-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

É a primeira vez que um papa envia os votos para o Ano Novo chinês ao povo chinês e ao presidente Xi Jinping pelo novo ano lunar em 2.000 anos. São as bases para uma possível viagem histórica de Francisco, na sua opinião?

Eu acho que sim. É um gesto filho de uma relação construída ao longo do tempo, especialmente nos últimos anos, pelo próprio Francisco. Desde o início do seu pontificado, o papa se inspirou em Matteo Ricci, o missionário que soube se tornar amigo do povo chinês. A amizade que ele propõe pode ser bem aceita na China e permitir a viagem.

A diplomacia de Francisco se dá sempre sobre a insígnia da amizade. Ele não parece ter objetivos geopolíticos. Essa também é a sua sensação nas relações de hoje do Vaticano com a China?

Sim, é exatamente isso. A Igreja, como instituição, não tem interesses geopolíticos ou econômicos próprios. Justamente por esse motivo, a Igreja pode desempenhar um papel de intermediação importante também no cenário mundial, como foi mostrado nos últimos tempos. Além disso, a própria cultura chinesa poderá enriquecer a Igreja. O enriquecimento será recíproco.

Durante anos, falou-se de duas Igrejas presentes na China, uma clandestina e uma não. Está certa essa leitura?

Essa leitura, hoje, não está mais certa. No passado, quando a China começou a se abrir para o mundo nos anos 1980, havia, de fato, duas atitudes diferentes por parte parte dos católicos chineses. Hoje não. Hoje, não existe uma Igreja mais fiel ao papa do que outra. O papa disse claramente que a Igreja é uma só. E a estrada que ele percorre é a da reconciliação e da misericórdia.

Embora em minoria, como vivem os católicos no país?

Os católicos devem viver com simplicidade o seu testemunho evangélico. Testemunho de amor por todos. Devem se integrar e reabilitar a sociedade. E amar a Igreja e o país.

Como o papa é visto, hoje, pelo povo chinês? Eles conhecem Francisco?

Ele é visto como uma figura importante, um grande líder espiritual que sabe estar próximo dos últimos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco concede entrevista histórica ao jornal Asia Times - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV