Crise política reacende temores antigos no Haiti

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Liberdade e igualdade não bastam: uma cartilha sobre a Fratelli tutti. Artigo de Charles Taylor

    LER MAIS
  • A Economia Anticapitalista dos Franciscos e das Claras

    LER MAIS
  • “O racismo estrutura a sociedade brasileira, está em todo lugar”. Entrevista com Djamila Ribeiro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Janeiro 2016

O agravamento do impasse político no Haiti com o adiamento do segundo turno da eleição presidencial – anteriormente marcado para hoje, mas suspenso na sexta-feira – reacende o medo de violência generalizada no país e frustra novamente os haitianos que tentam mostrar que o país tem condição de respeitar a democracia sem a presença de forças estabilizadoras internacionais.

A reportagem é de Fernanda Simas, publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 24-01-2016.

O adiamento foi decidido após uma semana de protestos violentos contra a realização da votação após a desistência do candidato opositor à presidência, Jude Celestin.

A crise no país se arrasta desde 2011, quando eleições municipais e legislativas deveriam ter sido realizadas, mas foram adiadas diversas vezes por falta de acordo entre os partidos no Parlamento sobre a lei eleitoral. Em janeiro do ano passado, a situação se agravou com a dissolução do Parlamento. O país passou, então, a ser governado por decreto pelo presidente, Michel Martelly.

A eleição deste ano era vista por especialistas e pela própria população como a esperança de alcançar a estabilidade. “No dia 25 de outubro, os haitianos se sentiam orgulhosos de fazer uma eleição pacífica”, disse ao Estado o embaixador brasileiro em Porto Príncipe, Fernando de Mello Vidal, sobre a realização do primeiro turno.

“Conversei com uma menina que foi votar e ela falava ‘é muito importante para a gente mostrar para vocês, da comunidade internacional, que nós também sabemos viver em democracia e escolher nossos líderes’.”

Segundo Vidal, dos 1.508 centros de votação em outubro, apenas três tiveram registros de problemas de logística ou violência – o que foi celebrado por observadores internacionais. No entanto, foi justamente por acusação de fraude naquela votação que a oposição boicotou o segundo turno.

Sob a lei haitiana, o candidato desistente deveria ter sido substituído pelo terceiro mais votado no primeiro turno, mas o opositor Moise Jean Charles também não quis concorrer. Assim, restara apenas um candidato: o governista Jovenel Moise.

“Essa crise política contínua pode se tornar uma crise nacional perigosa”, afirmou à reportagem o professor de Relações Internacionais e referência em Haiti da Universidade George Washington, Robert Maguire.

“O governo criou uma nova força paramilitar chamada BOID que mostra uma tendência a ser mais violenta. Isso cria um contexto explosivo, especialmente considerando que parte da população está descontente com Martelly. Vale lembrar que a ditadura (da família) Duvalier caiu quase 30 anos atrás quando crianças foram baleadas pelo Exército haitiano durante uma manifestação”, recordou Maguire.

Até a sexta-feira, o clima em Porto Príncipe, segundo o embaixador brasileiro, “não era de uma guerra civil”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crise política reacende temores antigos no Haiti - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV