Juros de amor

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O aumento da pobreza na América Latina submergente

    LER MAIS
  • "Nunca, nunca encobrir a realidade. Dizer sempre: 'É assim'”. Papa Francisco recebe a redação da revista jesuíta Aggiornamenti Sociali

    LER MAIS
  • Um estranho casamento: neoliberalismo e nacionalismo de direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Janeiro 2016

“Os sacerdotes da razão instrumental repreendem os hereges que apontam as conexões entre a queda do PIB, a derrocada fiscal e a Selic, campeã do Torneio Mundial do Jurômetro. Valem-se da pertinente e necessária demanda por equilíbrio entre receitas e despesas públicas para incriminar aposentados, trabalhadores e mães do Bolsa Família pelo "ataque" ao orçamento”, escrevem Luiz Gonzaga Belluzzo, diretor da Facamp (Faculdades de Campinas) e professor titular do departamento de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Gabriel Galípolo, mestre em economia política e professor do departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 14-01-2016.

Eis o artigo.

O Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE, revelou que, entre 2004 e 2014, o matrimônio entre democracia e Estado Social originou um crescimento real de 56,6% da renda média domiciliar per capita no Brasil.

Considerando preços de junho de 2011, a renda saltou de R$ 549,83/mês para R$ 861,23/mês, o que acarretou queda de aproximadamente 65% na taxa de pobreza extrema.

Mas precisamos nos apressar, alertam os Cavaleiros do Apocalipse: sem elevação nas taxas de juros, redução do salário real, cortes na rede de proteção social e mortes nos hospitais, sofreremos um revés nos ganhos dos últimos anos.

No Brasil do austericídio rentista, o juro básico, um senhor volúvel, simula fidelidade à coordenação das expectativas dos formadores de preços, enquanto há anos se entrega aos encantos da Valorização Cambial.

Dessa relação, nasceu o desmoronamento da indústria brasileira, desarticulação de um sistema de relações intersetoriais decisivas para a formação e difusão da renda e do emprego na economia.

O trêfego avarento produziu a queda da participação da indústria de transformação no PIB de 16,6% em 2007 para 10,9% em 2014 e a reversão no saldo da balança comercial de produtos industriais de um superavit superior a US$ 18 bilhões em 2007 para um deficit de US$ 63,5 bilhões em 2014.

A elevação de 96,5% na taxa Selic, de 7,25% para 14,25%, entre abril de 2013 e julho de 2015, prometia enfiar a inflação na meta. Traído pelo divórcio da taxa de câmbio e pelo choque de preços administrados, o abandonado viu a inflação disparar.

Vingou-se na queda de 21,6% na Formação Bruta de Capital Fixo, de 4,5% no consumo das famílias e de 5,5% do PIB, comparando o terceiro trimestre de 2013 com o mesmo período de 2015.

O Saber Econômico da Avareza, amigo cúmplice, se prontifica a demonstrar que as despesas com juros e swap cambial são muito menores do que aparentam, a despeito de representarem cinco vezes o orçamento da saúde e da educação, mais de oito vezes o orçamento do PAC, cinco vezes o deficit da Previdência e mais de 16 vezes o orçamento do desenvolvimento social.

"Trata-se de uma ilusão de ótica, capaz de ser esclarecida (Kant nos socorra!) por cálculos abstratos."

O cúmplice mimetiza as "certezas da ciência" para seduzir os teólogos da Razão Instrumental – que tenham piedade o matemático Kurt Gödel e seu Teorema da Incompletude (impossibilidade aritmética de um sistema ser simultaneamente completo e consistente).

Na tradição do Tribunal do Santo Ofício, o choque de tarifas e a vingança do câmbio na inflação são absolvidos. As reduções do juro Selic são condenadas como antinaturais. Já as elevações são impostas por forças da natureza, como a lei da gravidade. "E pur si muove", exclamaria o duplo avesso de Galileu.

Os sacerdotes da razão instrumental repreendem os hereges que apontam as conexões entre a queda do PIB, a derrocada fiscal e a Selic, campeã do Torneio Mundial do Jurômetro. Valem-se da pertinente e necessária demanda por equilíbrio entre receitas e despesas públicas para incriminar aposentados, trabalhadores e mães do Bolsa Família pelo "ataque" ao orçamento.

O governo prostra-se diante do cantochão da mídia. Os deficits primários estimados para 2015 pelo FMI Fiscal Monitor, em outubro, dão mostras de não concordar com os apavorados nativos.

Por exemplo: -5,4% no Japão, -5% na Rússia, -3,1% no Chile, -2,8% na Índia, -2,6% no Reino Unido, -1,8% nos Estados Unidos, -1,4% na China, -1,2% no México, -0,8% na África do Sul, - 2,6% na média das economias de baixa renda, -2,4% nas economias emergentes, -1,5% nas economias avançadas e -0,4% no Brasil. São deficits primários típicos de economias em desaceleração.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Juros de amor - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV