COP21: as mudanças climáticas e as vidas em xeque, artigo de Sucena Shkrada Resk

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Dezembro 2015

"O processo de adaptação ainda é muito lento, um novo desenho geográfico começa a se formar, principalmente nos últimos anos, na Europa. Países como a Sérvia, Bósnia e Herzegovina estão apresentando os efeitos das mudanças climáticas e do Aquecimento Global. A afirmação é de Sönke Kreft, um dos principais pesquisadores do levantamento. Os países insulares, como Tuvalu, no Pacífico, continuam a implorar por apoio, para que não desapareçam sob o aumento do nível do mar", escreve Sucena Shkrada Resk, jornalista, em artigo publicado por EcoDebate, 11-12-2015.

Eis o artigo.

Enquanto nas salas climatizadas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP21), em Paris, tudo vai hipoteticamente bem, obrigado, do lado de fora, a realidade é bem outra. Essa constatação vem por meio de dados do recente “Índice Global do Risco Climático”, publicado pela organização não-governamental (ONG) Germanwatch, que registra a morte de aproximadamente 525 mil pessoas em ocorrências de 15 mil eventos extremos, em duas décadas (1995-2014). No ano de 2014, as precipitações, inundações e deslizamentos de terra foram as principais causas de danos.

Além de ceifar vidas, o prejuízo econômico gerado por essas catástrofes são na ordem trilhonária, de US$ 2,97 trilhões. As nações mais afetadas foram Honduras, Mianmar e Haiti seguidas por Filipinas, Nicarágua e Bangladesh. Neste recorte, América Central e Ásia concentram os efeitos mais catastróficos, nesses últimos anos. As principais vítimas: os mais pobres, reforçando que a injustiça socioambiental não é só teoria, mas uma realidade contemporânea indiscutível.

O processo de adaptação ainda é muito lento, um novo desenho geográfico começa a se formar, principalmente nos últimos anos, na Europa. Países como a Sérvia, Bósnia e Herzegovina estão apresentando os efeitos das mudanças climáticas e do Aquecimento Global. A afirmação é de Sönke Kreft, um dos principais pesquisadores do levantamento. Os países insulares, como Tuvalu, no Pacífico, continuam a implorar por apoio, para que não desapareçam sob o aumento do nível do mar.

No campo das negociações, ano após ano, o embate é sobre quem arca com a maior parte dos custos de adaptação e mitigação (redução de danos), nesses países com poucos recursos. Uma das maiores fontes em negociação nas COPs, instituída desde 2010, é o Fundo Verde do Clima (GCF), que tem a meta de estabelecer a quantia de US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020 aos países mais pobres, sem ainda conseguir computar este recurso e decidir quais critérios de repasse. O dilema que envolve a maior parte dos 195 países envolvidos na conferência é quem paga a conta da aceleração do desequilíbrio climático, desde a Revolução Industrial, que imprime um modelo de desenvolvimento ultrapassado e nocivo.

Segundo anúncio da coordenação do GCF, já foram aprovados recursos para serem aplicados em oito projetos distribuídos em Bangladesh, nas Ilhas Fiji, no Malaui, nas Maldivas e no Peru. Mas existe uma quantidade enorme de nações com sua população em extremo risco, como descrito acima.

E fora das mesas de negociação da COP-21, algumas iniciativas são inspiradoras, como da coligação “Restauração Africana (AFR100)”, de dez países africanos (Etiópia, Libéria, Madagáscar, Malawi, Níger, Quênia, República Democrática do Congo, Ruanda, Togo e Uganda) com nove financiadores e 10 apoios na área técnica,que prevê a restauração de 100 milhões de hectares de florestas degradadas até 2030 (cada ha equivale a um campo de futebol).

Todas as ações cada vez mais proativas são exemplares, já que pelo aspecto científico, agora as previsões são menos favoráveis e chegam na casa do aumento de até 3,5 graus na temperatura média da Terra até o final do século comparativamente ao período pré-industrial, 1,5 a mais ao limite tolerável, segundo os pesquisadores do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). É como se nós, seres vivos, estivéssemos expostos a uma roleta russa.

Todos os compromissos voluntários já anunciados por boa parte das nações, incluindo o Brasil, não dão conta dessa espiral ascendente. A proposta brasileira para conter o aquecimento global é reduzir em 37% as emissões de Gases do Efeito Estufa (GEEs) do País em relação ao ano de 2005. Naquele ano, as emissões totalizaram 2,1 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente (CO2eq). O País também se propõe a restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030.

Na lista do “Índice Global do Risco Climático”, o país figura em 82º lugar e se a análise é referente ao ano passado, passa a 21º. De acordo com analistas, os esforços têm de ser maiores, fazendo o cruzamento do combate ao desmatamento com a mudança para uma matriz energética mais limpa. As políticas internas em muitas áreas ainda são controversas no país.

Em estudo recente da Organização Mundial da Saúde (OMS), com a Convenção-Quadro e o Ministério da Saúde, além de outras organizações, foram analisados os efeitos das mudanças climáticas na saúde do brasileiro, e aí a preocupação aumenta.

A complexidade é tanta que estima-se que se a situação continuar do jeito que está, as inundações resultantes do aumento do nível do mar afetarão 618 mil brasileiros entre os anos 2070 e 2100. Pensar em longevidade também será difícil, já que a perspectiva é que morrerão, devido a causas associadas ao aumento de temperatura, 72 idosos acima de 65 anos por 100 mil habitantes em 2080, sendo que hoje esta proporção é de 1 para 100 mil anualmente. A vida está em xeque aqui e no mundo e depende em grande parte de um documento de quase 50 páginas discutido a portas fechadas. O “clima” do lado de fora é muito mais urgente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COP21: as mudanças climáticas e as vidas em xeque, artigo de Sucena Shkrada Resk - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV