Empresa desenvolve aplicativo para que Google Glass seja capaz de atender a comandos cerebrais

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O aumento da pobreza na América Latina submergente

    LER MAIS
  • "Nunca, nunca encobrir a realidade. Dizer sempre: 'É assim'”. Papa Francisco recebe a redação da revista jesuíta Aggiornamenti Sociali

    LER MAIS
  • Um estranho casamento: neoliberalismo e nacionalismo de direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Julho 2014

Uma nova tecnologia que permite aos usuários controlar os comandos do Google Glass usando ondas cerebrais poderia deixar as pessoas tirar uma foto e enviar para a internet apenas pensando sobre isso. Criado pela companhia This Place, em Londres, o aplicativo tem um dispositivo que fica sobre a cabeça e, através de eletroencefalografia (EEG), consegue medir a atividade elétrica no cérebro e converter estes sinais em instruções para o Glass.

A reportagem foi publicada pelo jornal O Globo, 11-07-2014.

O Google Glass, que foi lançado no Reino Unido em junho, é normalmente controlado por comandos de voz, ou através de um touchpad localizado na haste do dispositivo.

Embora a tecnologia do MindRDR possa parecer frívola à primeira vista, seus criadores esperam ajudar pessoas que sofrem de tetraplegia, por exemplo, a oportunidade de usar a tecnologia para interagir com o mundo.

O próprio Google ainda não disponibiliza oficialmente o MindRDR, mas a This Place diz estar interessada em levar o dispositivo a público. Em sua forma atual, o aplicativo só tem dois 'controles': um sinal de "sim" e outro de "não".

Esta falta de nuances ainda é um dos desafios enfrentados pela tecnologia EEG. Embora os hardwares usados para detectar as atividades do cérebro já sejam mais baratos, a fidelidade de suas medições e a dificuldade para os usuários transmitirem sinais cerebrais 'precisos' significa que ainda faltam alguns anos até que todos possam postar uma foto no Instagram apenas pensando sobre isso.

Os criadores do MindRDR reconhecem isso e, por esta razão, lançaram seu aplicativo na comunidade de desenvolvedores “GitHub”, em que programadores ao redor do mundo podem conferir o código do aplicativo e promover ajustes para torná-lo mais útil.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Empresa desenvolve aplicativo para que Google Glass seja capaz de atender a comandos cerebrais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV