Papa Ratzinger entre burcas e preservativos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Novembro 2010

 
O preservativo pode ser usado. Em certos casos. Uma prostituta o usa como ato de responsabilidade. Bento XVI tira cautamente o veto do profilático 20 meses depois da tempestade desencadeada pelas suas afirmações durante a viagem à África, quando declarou que o preservativo "aumenta o problema". O Pontífice foi então submergido por uma avalanche de críticas de governos e organizações internacionais e agora mostra retomar os seus passos, dando razão a quem na Igreja pediu, em vão, durante décadas, que se levasse em conta o "mal menor".


A mudança clamorosa está contida no livro-entrevista "Luz do mundo", redigido com o seu jornalista de confiança, Peter Seewald. "Pode haver casos individuais justificados", admite Ratzinger, e é a primeira vez que um Pontífice dá marcha ré na sistemática demonização do preservativo. Como exemplo, Bento XVI explica que o emprego é pensável "quando uma prostituta utiliza um profilático, e esse pode ser o primeiro passo para uma moralização, um primeiro ato de responsabilidade para desenvolver novamente a consciência do fato de que nem tudo é permitido e que não se pode fazer tudo o que se quer".

Há muito tempo, os teólogos moralistas ampliaram a casuística: a mulher que tem o direito de se defender do marido infeccionado (sobre isso falou o cardeal Tettamanzi em um livro seu sobre bioética), o parceiro consciente de relações ocasionais, os chamados grupos de risco. Mas Ratzinger tem o seu ponto sobre o plano geral: "Esse, porém, não é o verdadeiro modo para vencer o HIV". O Papa recusa a banalização da sexualidade, que leva a se considerar as relações como uma droga e não como expressão de amor.

 (Cfr.notícia do dia 23.11.2011,desta página)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Ratzinger entre burcas e preservativos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV