Animais silvestres "fogem" para as cidades devido as queimadas em MT

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • O cardeal Burke inicia a cruzada contra o Sínodo sobre a Amazônia, com base em um documento herético

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Julho 2011

Com o período de estiagem e baixa umidade do ar, o número de focos de incêndio florestal aumenta e prejudica não só a vegetação e a saúde das pessoas, mas também os animais que compõem a fauna da região. Em Pontes de Lacerda, o número de animais que aparece na cidade fugindo do fogo, tem aumentado consideravelmente se comparado com outros períodos de anos anteriores.

A informação é do sítio Só Notícias, 19-07-2011.

O fogo atinge a vegetação de cerrado e os morros que circundam a cidade.  Muitos animais não conseguem escapar e morrem queimados, os que fogem vão parar na área urbana. Bichos como cobra, ouriço, macaco, lobo, bandeira-mirim, jaboti e espécie de papagaios como arara canindé, maritacas e maracanãs são os mais recolhidos por bombeiros da 8ª Companhia.

As pessoas que tem seus quintais invadidos pelos animais acionam os bombeiros que os recolhem.  Os bichos que estão em boas condições físicas e apresentam apenas sintomas de estresse, são levados para habitat"s distantes da cidade.  Muito dos feridos por queimaduras ou com fraturas são levados para o quartel ou para a unidade do Ibama local.  Sem uma estrutura adequada para cuidar de todos os animais, alguns, antes de se recuperarem acabam fugindo ou morrem no local.  Eles chegam com problemas respiratórios e muitas queimaduras, como é o caso de um jabuti que teve ferimentos no casco.

Um casal de araras canindé teve mais sorte, foi encontrado e levado para o quartel onde recebeu alimentação e cuidados, no dia seguinte foi solto na região.  "Nesse período do ano aumentam os casos de captura de animais, por falta de uma estrutura adequada do município para o recebimento desses animais, acabamos por acolher em nosso quartel", conta o cabo Paulo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Animais silvestres "fogem" para as cidades devido as queimadas em MT - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV