227 pessoas assassinadas por defender o meio ambiente e a terra

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento que pediu pacote antiambiental a Paulo Guedes inclui Gerdau, Google, Amazon, Globo e outros

    LER MAIS
  • São Vicente de Paulo e a atualidade de sua herança espiritual

    LER MAIS
  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Setembro 2021

 

Em 2020, ao menos 227 pessoas foram assassinadas por defender seus lares, a terra e os ecossistemas vitais para a biodiversidade e o clima. Uma média de mais de quatro pessoas por semana, conforme constata o último relatório da Global Witness. Trata-se de um número recorde. Por trás desses episódios violentos existem empresas que buscam aumentar seu modelo de negócio acima dos direitos humanos.

A reportagem é de Eduardo Robaina, publicada por La Marea-Climática, 13-09-2021. A tradução é do Cepat.

Esses ataques letais, não obstante, têm por trás mais ações ainda: intimidação, vigilância, violência sexual e criminalização são as outras formas de violência que constantemente sofrem as pessoas que só buscam defender a natureza e o meio ambiente.

“Assim como os impactos da crise climática em si, os impactos da violência contra os defensores da terra e o meio ambiente não são sentidos de modo uniforme em todo o mundo. O Sul Global está sofrendo as consequências mais imediatas do aquecimento global em todas as frentes”, denuncia a organização. É que, no ano passado, exceto um, todos os assassinatos ocorreram fora da América do Norte, Europa e Oceania. Assim, mais da metade dos ataques aconteceram em apenas três países: Colômbia, México e Filipinas.

A Colômbia é, pelo segundo ano consecutivo, o país que registra o maior número de assassinatos, com 65 defensores da terra e o meio ambiente que tiveram a vida retirada. “Esses ocorreram no contexto de ataques generalizados contra defensores de direitos humanos e líderes comunitários em todo o país, apesar das esperanças do acordo de paz em 2016”, aponta o relatório.

Nesse contexto, os povos indígenas se viram particularmente afetados e a pandemia de Covid-19 só serviu para piorar a situação. “Os fechamentos oficiais fizeram com que os defensores fossem atacados em seus lares e foram cortadas medidas de proteção do governo”, denuncia a Global Witness.

As pessoas assassinadas, sem justiça

No caso do México, foram registrados um total de 30 ataques letais, o que representa 67% a mais em relação a 2019. Quanto aos motivos, o desmatamento esteve relacionado a quase um terço dessas mortes, e a metade de todos os ataques no país foram dirigidos contra comunidades indígenas. E um dado a ser considerado: 95% dos assassinatos não enfrentam nenhum tipo de processo legal, ressalta a ONG.

Em relação a Filipinas, mais da metade dos ataques letais estavam diretamente relacionados com a oposição dos defensores aos projetos de mineração, desmatamento e barragens. Além disso, denunciam que de 2016, quando o atual presidente Rodrigo Duterte chegou ao cargo, até 2020, um total de 166 pessoas defensoras da terra e o meio ambiente foram assassinadas. “Um aumento impactante para um país que já era um lugar perigoso para defender o meio ambiente”, ressaltam os autores.

Destacam também o fato de que 70% dos ataques foram contra pessoas que defendiam as matas do mundo do desmatamento e o desenvolvimento industrial. No Brasil e Peru, por exemplo, quase três quartos dos ataques registrados ocorreram na região amazônica de cada país. Além disso, os 30% restantes dos ataques estiveram relacionados à exploração de recursos (desmatamento, mineração e agroindústria em grande escala), represas hidrelétricas e outras infraestruturas.

Ao longo do último ano, não parou a brutalidade contra os povos indígenas. Mais de um terço de todos os ataques fatais foram contra eles, apesar de as comunidades indígenas representarem apenas 5% da população mundial. Nesse sentido, destacam o fato de que os povos indígenas foram o alvo de cinco dos sete assassinatos em massa registrados em 2020.

Finalmente, a Global Witness destaca um fato que se repetiu no ano passado: quase 9 em cada 10 vítimas de ataques letais eram homens. Não obstante, observam, as mulheres que atuam e levantam a voz também enfrentam formas de violência específicas de gênero, incluída a violência sexual. “As mulheres muitas vezes têm um desafio duplo: a luta pública para proteger sua terra e a luta menos visível para defender seu direito de falar dentro de suas comunidades e famílias”, acrescentam.

“Na medida em que a crise climática se intensifica, também aumenta a violência contra aqueles que protegem sua terra e o nosso planeta”, insiste a Global Witness. Por tudo isso, consideram que “uma ação climática significativa requer proteger os defensores e vice-versa. Sem uma mudança significativa, é provável que essa situação piore”. E apelam aos governos, organizações e empresas para alcançar essa transformação.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

227 pessoas assassinadas por defender o meio ambiente e a terra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV