Fragmentação das florestas tropicais aumenta as emissões de carbono

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento que pediu pacote antiambiental a Paulo Guedes inclui Gerdau, Google, Amazon, Globo e outros

    LER MAIS
  • São Vicente de Paulo e a atualidade de sua herança espiritual

    LER MAIS
  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Setembro 2021

 

Por causa do aumento da mortalidade das árvores, grandes quantidades de carbono são liberadas nas bordas da floresta.

A reportagem foi publicada por Helmholtz Centre for Environmental Research – UFZ e reproduzida por EcoDebate, 13-09-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

O desmatamento das florestas tropicais está progredindo sem parar. Segundo cientistas do Centro Helmholtz de Pesquisas Ambientais (UFZ), essas florestas estão se fragmentando em um ritmo maior do que o esperado. Ao analisar dados de satélite de alta resolução, eles foram capazes de medir até mesmo o menor pedaço de floresta tropical e, pela primeira vez, estudar as mudanças na fragmentação tropical.

Em um artigo para a Science Advances, eles discutem como esse aumento antes despercebido e subestimado na fragmentação para quase um terço da área florestal tem consequências para o ciclo global do carbono. Por causa do aumento da mortalidade das árvores, grandes quantidades de carbono são liberadas nas bordas da floresta. As simulações do modelo também mostram que essas emissões podem aumentar no futuro. Somente com menos desmatamento o processo pode ser desacelerado.

A equipe de modelagem da UFZ utilizou dados de satélite de 2000 e 2010 com altíssima resolução de 30 metros. Eles foram capazes de comparar onde na América Central e do Sul, África e sudeste da Ásia ainda existem florestas tropicais conectadas ou onde elas desapareceram. Com a ajuda de um algoritmo de cluster complexo e computadores de alto desempenho, eles descobriram que o número de áreas florestais isoladas aumentou em mais de 20 milhões para 152 milhões entre 2000 e 2010. Esse aumento nos fragmentos florestais é particularmente sério porque também aumentou a proporção das bordas da floresta na área total da floresta. A borda da floresta é definida como a área de floresta que se estende por 100 metros de terreno aberto na floresta. Essa área de borda aumentou de 27 para 31% (ou seja, de 517 para 589 milhões de hectares) entre 2000 e 2010. “Essa situação se deteriorou tanto que agora quase um terço das áreas de floresta tropical do mundo estão em áreas de borda. Se o desmatamento não for interrompido, essa tendência vai continuar “, afirma o principal autor e modelador da UFZ, Dr. Rico Fischer. O efeito da fragmentação acelerada ocorreu principalmente nos trópicos da África. Lá, o número de fragmentos florestais aumentou de 45 milhões para 64 milhões no apenas 10 anos.

A proporção da borda da floresta na floresta total aumentou de 30 para 37% (2000: 172 milhões de hectares; 2010: 212 milhões de hectares). Em contraste, a proporção das bordas da floresta na América Central e do Sul aumentou apenas 2% a 25% (2000: 215 milhões de hectares; 2010: 232 milhões de hectares)., diz o autor principal e modelador da UFZ, Dr. Rico Fischer. O efeito da fragmentação acelerada ocorreu principalmente nos trópicos da África. Lá, o número de fragmentos florestais aumentou de 45 milhões para 64 milhões em apenas 10 anos. A proporção da borda da floresta na floresta total aumentou de 30 para 37% (2000: 172 milhões de hectares; 2010: 212 milhões de hectares).

Em contraste, a proporção de bordas florestais na América Central e do Sul aumentou apenas 2% para 25% (2000: 215 milhões de hectares; 2010: 232 milhões de hectares)., diz o autor principal e modelador da UFZ, Dr. Rico Fischer. O efeito da fragmentação acelerada ocorreu principalmente nos trópicos da África. Lá, o número de fragmentos florestais aumentou de 45 milhões para 64 milhões em apenas 10 anos. A proporção da borda da floresta na floresta total aumentou de 30 para 37% (2000: 172 milhões de hectares; 2010: 212 milhões de hectares). Em contraste, a proporção de bordas florestais na América Central e do Sul aumentou apenas 2% para 25% (2000: 215 milhões de hectares; 2010: 232 milhões de hectares).172 milhões de hectares; 2010: 212 milhões de hectares). Em contraste, a proporção de bordas florestais na América Central e do Sul aumentou apenas 2% para 25% (2000: 215 milhões de hectares; 2010: 232 milhões de hectares).172 milhões de hectares; 2010: 212 milhões de hectares). Em contraste, a proporção de bordas florestais na América Central e do Sul aumentou apenas 2% para 25% (2000: 215 milhões de hectares; 2010: 232 milhões de hectares).

Até agora, o balanço de carbono das bordas da floresta tropical quase não foi estudado em detalhes. No entanto, essa área de floresta é importante porque a fragmentação altera vários processos ecológicos nas áreas de borda. “A orla, ao contrário do interior da floresta, está sujeita à luz solar direta. Fica mais exposta ao vento. A umidade também diminui nas áreas de orla. O microclima alterado prejudica principalmente as grandes árvores que dependem de um bom abastecimento de água”, explica Fischer.

Como resultado, mais árvores morrem na borda da floresta porque estão mais estressadas lá do que no interior protegido de uma floresta. Isso também tem impacto sobre os balanços de carbono. Os microrganismos emitem dióxido de carbono ao decompor as árvores mortas. Porque menos árvores sobrevivem que precisam absorver carbono para o crescimento da copa, tronco e raízes, menos dióxido de carbono é sequestrado da atmosfera. “Isso significa que grandes quantidades de carbono são lançadas na atmosfera nas bordas das florestas tropicais”, diz Fischer.

Pela primeira vez, os cientistas do UFZ puderam agora modelar com precisão quão altas são essas emissões de carbono e como elas poderiam se desenvolver nas próximas décadas. A partir dos dados de sensoriamento remoto de alta resolução, eles calcularam quanta biomassa está presente em cada área de borda de um fragmento de floresta nos trópicos. A partir disso, eles determinaram as emissões de carbono causadas pelo aumento da mortalidade de árvores em todas as bordas da floresta. Resultado: enquanto cerca de 420 milhões de toneladas de carbono foram emitidas em 2000, já havia aumentado para 450 milhões em 2010. “Nos trópicos, só o desmatamento libera cerca de 1.000 a 1.500 milhões de toneladas de carbono por ano.

Se considerarmos o efeito adicional das bordas da floresta, este é um achado preocupante porque a floresta tropical deveria, na verdade, ser um sumidouro de carbono – e não uma fonte de carbono “,afirma o co-autor e biofísico da UFZ Prof. Dr. Andreas Huth. A fragmentação das florestas tropicais afeta não apenas o balanço global de carbono, mas também a biodiversidade. Os modeladores UFZ mostraram que as distâncias entre os fragmentos florestais estão se tornando cada vez maiores. “Isso dificulta a sobrevivência a longo prazo de espécies animais como a onça-pintada, que depende de grandes áreas florestais conectadas”, diz a coautora diz a co-autora Dra. Franziska Taubert.

Olhar para o futuro também não é um bom presságio, como a equipe da UFZ descobriu usando a modelagem. “Para isso, usamos um modelo de fragmentação da física e simulamos o futuro de cada fragmento individual de floresta tropical”, explica Taubert. Supondo que a taxa atual de desmatamento tropical não seja reduzida, a proporção de bordas de floresta na floresta total aumentará de 31% em 2010 para quase 50% em 2100. Mesmo que as taxas de desmatamento nos trópicos diminuam pela metade, a proporção de borda as áreas ainda aumentarão para 40%.

O processo pode ser retardado apenas se o desmatamento nos trópicos for interrompido até 2050. Nesse caso, a proporção de bordas de floresta em 2100 permanecerá no nível atual de cerca de 30%. O aumento adicional da fragmentação florestal também teria consequências para as emissões de carbono. “Se a dinâmica atual de fragmentação continuar a uma taxa constante, as bordas da floresta liberarão 530 milhões de toneladas de carbono anualmente até 2100. Somente se o desmatamento da floresta tropical for interrompido a partir de 2050, as emissões podem ser limitadas a um máximo de 480 milhões de toneladas de carbono ” , diz Fischer.

Referência

Rico Fischer, Franziska Taubert, Michael S. Müller, Jürgen Groeneveld, Sebastian Lehmann, Thorsten Wiegand, Andreas Huth (2021): Accelerated forest fragmentation leads to critical increase in tropical forest edge area. Science Advances. DOI disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fragmentação das florestas tropicais aumenta as emissões de carbono - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV