Ajudar os afegãos a fugirem, pede o Serviço Jesuíta aos Refugiados ao governo do Reino Unido

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Byung-Chul Han: smartphone e o “inferno dos iguais”

    LER MAIS
  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS
  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Agosto 2021

 

O Serviço Jesuíta aos Refugiados – SJR pediu para o governo britânico prover rotas seguras de asilo para os refugiados que fogem do Afeganistão.

A reportagem é de Ruth Gledhill, publicada por The Tablet, 17-08-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

“Peço a todos vocês que rezem comigo ao Deus da paz para que cesse o clamor das armas e as soluções possam ser encontradas na mesa de diálogo. Só assim a população maltratada daquele país – homens, mulheres, idosos e crianças – pode voltar para suas casas e viver em paz e segurança, em total respeito mútuo”, rezou o Papa Francisco no último Angelus.

Dom Declan Lang, presidente do Departamento de Assuntos Internacionais da Conferência Episcopal, exortou os católicos a orar pelo povo do Afeganistão, apontando o trabalho das organizações humanitárias e os esforços para acolher os refugiados como sinais de esperança.

“Como cristãos, somos chamados a ser pessoas de esperança, mesmo quando a situação pode parecer desesperadora”, disse ele. “Hoje nossa esperança pode ser depositada naqueles que trabalham incansavelmente pelo diálogo, pela justiça e pela paz em seu país. Nossa esperança pode ser colocada nas organizações humanitárias que continuam a oferecer sua assistência e nos esforços para acolher e proteger os refugiados que fogem de suas casas. Acima de tudo, colocamos nossa esperança no Senhor Jesus Cristo, a quem oramos sabendo que ele nunca abandonará o povo do Afeganistão”.

O Serviço Jesuíta aos Refugiados do Reino Unido instou o governo britânico para que proteja os afegãos forçados a fugir de suas casas, fornecendo rotas seguras para asilo no Reino Unido.

A diretora Sarah Teather disse: “Enquanto sofremos com o povo do Afeganistão e assistimos com horror, há coisas práticas que o governo britânico deve fazer para proteger os afegãos forçados a fugir de suas casas agora”.

Referindo-se àqueles que estão tão desesperados que tentam se agarrar aos aviões que partem, ela disse: “As cenas caóticas nos lembram que, em uma emergência, os refugiados têm pouca liberdade sobre como viajar para a segurança ou para onde vão, e que a jornada para fugir é cheia de perigo. Ainda não assumimos compromissos de reassentamento. Devemos fazê-lo e procurar providenciar outras formas para as pessoas entrarem no Reino Unido com segurança para pedir asilo e reunir-se com familiares.

“Também devemos agir agora para fornecer segurança aos requerentes de asilo que já estão no Reino Unido e para garantir a segurança para aqueles que chegarão nas próximas semanas e meses. O governo deve abandonar urgentemente as tentativas de penalizar os refugiados pela forma como podem viajar em busca de segurança, e para os requerentes de asilo que já estão aqui, deve reconhecer a terrível mudança nas circunstâncias no Afeganistão e conceder-lhes proteção humanitária imediata, no mínimo”.

A Release International, que apoia os cristãos perseguidos, alertou que os ataques contra os cristãos provavelmente aumentarão em toda a região.

O presidente-executivo Paul Robinson disse: “O rápido avanço do Talibã só pode encorajar os extremistas. O Paquistão, especialmente, pode ser afetado pelo novo clima de militância – o que será uma má notícia para os cristãos de toda a região”.

Um líder de uma igreja no Afeganistão disse que os cristãos viviam com muito medo. Alguns que trabalharam para o governo agora enfrentam represálias e qualquer um identificado como cristão pode ser morto. Os cristãos correm o risco de ser traídos, mesmo por parte de seus próprios familiares.

Um contato cristão de um parceiro da Release International descreveu a situação como “terrível”. Ele disse: “Nossos irmãos e irmãs em Cristo estão nos dizendo o quanto estão com medo. Nas áreas que o Talibã agora controla, as meninas não podem ir à escola e as mulheres não podem deixar suas casas sem um companheiro”.

A igreja no Afeganistão já enfrentava forte perseguição, antes mesmo do avanço do Talibã. Essa igreja é invisível e deve operar clandestinamente nesta terra onde os muçulmanos que mudam de fé estão infringindo a lei e são considerados como tendo traído suas comunidades, disse a Release International.

“Ser exposto como cristão corre o risco de ser acusado de apostasia, que é punível com morte ou prisão. Também ocorreram assassinatos de cristãos por honra cometidos por seus familiares”.

No passado, trabalhadores cristãos estrangeiros foram assassinados e muitos já deixaram o país. Muitos crentes secretos estão agora fugindo do Talibã, cuja versão do Islã é violenta e extremista. Mas muitos cristãos são pobres e não têm dinheiro para ir embora. Eles serão deixados para trás.

Uma das comunidades mais afetadas pelo Talibã é a minoria xiita Hazara, que tem sido especialmente sensível à mensagem cristã.

Em maio de 2021, o Talibã bombardeou a Escola Secundária Sayed Ul-Shuhada em Cabul, matando pelo menos 85 pessoas, a maioria meninas. No ano anterior, o Taleban encenou um tiroteio em uma clínica de maternidade, matando mulheres, crianças e bebês.

O presidente da conferência dos bispos alemães, dom Georg Bätzing, disse: “Por alguns dias, imagens de guerreiros do Talibã triunfantes e inúmeros afegãos chocados têm circulado pelo mundo. Muitas pessoas têm puro medo escrito em seus rostos. As cenas no aeroporto de Cabul sitiado por pessoas cuja única esperança é conseguir deixar sua terra natal com rapidez. Eu também estou indignado com o sofrimento generalizado e a impotência daqueles de quem o futuro está sendo roubado.

“A tomada de poder pelo Talibã no Afeganistão representa uma derrota desastrosa para os Estados Unidos e os países que até recentemente estavam comprometidos com seu lado. Isso também se aplica à Alemanha. A situação que agora surgiu está drenando a confiança do capital político dos países ocidentais e é entendida por muitos em todo o mundo como falência moral”.

Ele advertiu: “Nenhum país se rendeu a um movimento islâmico radical arcaico comprovado e brutal se a população civil foi encorajada durante anos a seguir um curso oposto de civilização. Deste modo, a vida e os membros de milhares e milhares ficam em perigo e a chama da esperança que se alimentou se extingue. Um renascimento do terrorismo islâmico não é improvável”.

A Christian Aid apelou ao governo do Reino Unido e à comunidade internacional em geral para ajudar o povo do Afeganistão.

Subrata De, administrador nacional da Christian Aid no Afeganistão, disse: “A situação é terrível e mais apoio será necessário para as comunidades pobres e marginalizadas nos próximos dias. A Christian Aid está trabalhando no Afeganistão há 30 anos e não vamos desertar agora. Estamos fazendo tudo o que podemos para continuar a distribuição de alimentos e suprimentos de emergência para as comunidades mais afetadas. Esperamos que o acesso humanitário permaneça, especialmente o acesso a mulheres e meninas nas comunidades, pois estamos muito preocupados com sua segurança”.

“Como cidadão indiano, tive a sorte de evacuar com segurança, mas nossa equipe, suas famílias e as milhares de pessoas que apoiamos vivem com incertezas e insegurança”, continuou Subrata.

Fionna Smyth, chefe de defesa e política global da Christian Aid, disse: “Instamos o governo do Reino Unido a agir em quatro áreas principais; trabalhar em estreita colaboração com as Nações Unidas e a comunidade de doadores em geral, para garantir que a assistência humanitária seja fornecida aos mais necessitados em face de uma crise humanitária que se agrava rapidamente, para suspender imediatamente todas as deportações do Reino Unido de requerentes de asilo e refugiados afegãos e abrir rotas seguras e legais para aqueles que temem perseguição”.

“O governo do Reino Unido deve usar sua influência para encorajar e apoiar os estados vizinhos, incluindo fundos para permitir que os refugiados fujam sem medo de serem mandados de volta; e, finalmente, fazer tudo o que estiver ao seu alcance para proteger as mulheres afegãs, incluindo defensores dos direitos humanos e atores da sociedade civil que foram incentivados a assumir posições de liderança e que agora estão em grave risco”.

“O impacto de décadas de conflito e deslocamento foi recentemente agravado pelo aumento dos choques climáticos, aumento da insegurança alimentar e Covid-19, que deixou quase metade da população do Afeganistão com necessidade de assistência humanitária de emergência”.

Para doar para a Christian Aid, visite este link.

Enquanto o parlamento é convocado para amanhã debater a crise, os Quakers na Grã-Bretanha conclamaram o governo do Reino Unido a reconhecer suas obrigações morais no Afeganistão.

“A tomada militar do Afeganistão pelas forças do Talibã é o culminar trágico de uma longa série de conflitos militares que afligem o país há décadas”, disseram eles em um comunicado.

Depois de quase duas décadas de presença militar, Quakers disseram que o Reino Unido tem uma responsabilidade moral para com as pessoas deslocadas pelo conflito. “O governo do Reino Unido deve trabalhar urgentemente com outros para expandir rotas seguras e legais para a migração e oferecer refúgio para aqueles que precisam. A promessa do Reino Unido de fornecer vistos para cidadãos afegãos que trabalham com funcionários britânicos é um começo, mas a responsabilidade não termina aí”.

“A política atual do Reino Unido significa que muitos migrantes não têm escolha a não ser arriscar suas vidas em viagens perigosas à Grã-Bretanha e enfrentar dificuldades e um ambiente hostil quando chegarem”, disse Paul Parker, secretário de gravação dos Quakers na Grã-Bretanha. “Isso será piorado por propostas no Projeto de Lei de Nacionalidade e Fronteiras que está atualmente em tramitação no parlamento. Agora não é o momento de endurecer nossos corações às pessoas vulneráveis forçadas a fugir de suas casas. Em vez disso, precisamos mudar nossa abordagem para uma que enfatize nossa humanidade comum”.

Ele acrescentou: “As cenas caóticas que se desenrolam em nossas telas estão trazendo para casa a tragédia humana de uma longa série de conflitos militares. Pedimos a todos os envolvidos que trabalhem por soluções pacíficas e priorizem os direitos humanos, a dignidade e o bem-estar”.

Dom Timothy Broglio, arcebispo dos Serviços Militares dos EUA, disse em um comunicado: “A queda do Afeganistão e a saída de seus líderes eleitos são motivo de preocupação, devido à possível negação dos direitos humanos, especialmente das mulheres e meninas. Minhas duas visitas ao país confirmaram minha impressão sobre os sacrifícios, inclusive a morte, de muitos membros das Forças Armadas e civis que se esforçam para trazer estabilidade e paz às pessoas ali. No momento, porém, podemos apenas orar pelo povo afegão, apoiar qualquer esforço humanitário que esteja sendo feito lá (especialmente por meio da Catholic Relief Services) e dar voz à liderança local em todos os lados. A dignidade humana deste povo deve ser respeitada”.

Lindy Lowry, editora-chefe da Open Doors USA disse: “Se você é como eu, você está de coração partido com o que está acontecendo no Afeganistão. No fim de semana, observei com horror os combatentes do Talibã tomarem as rédeas do Palácio Presidencial e o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, fugir do país. Nosso campo está monitorando de perto a situação no Afeganistão e novamente está pedindo oração urgente pelo país e pelo pequeno grupo de cristãos secretos no país classificado como número dois na Lista de Vigilância Mundial 2021 da Open Doors”.

O irmão Samuel, diretor de campo do Open Doors para a Ásia, disse: “É um dia de partir o coração para os cidadãos do Afeganistão e um momento ainda mais perigoso para ser cristão”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ajudar os afegãos a fugirem, pede o Serviço Jesuíta aos Refugiados ao governo do Reino Unido - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV