Líderes e ativistas ecoam grave alerta do IPCC sobre o clima

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Agosto 2021

 

Em reação a alerta do painel da ONU sobre efeitos irreversíveis do aquecimento global, nomes como Greta Thunberg e António Guterres reforçam que é preciso agir com urgência para evitar crise climática ainda mais grave.

A reportagem é de Alex Berry, publicada por Deutsche Welle, 10-08-2021.

Ativistas, líderes mundiais e a sociedade civil reagiram ao novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que alertou nesta segunda-feira (10/08) que o mundo está a caminho de descumprir, já nos próximos 15 anos, a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 °C até o final do século, com impactos irreversíveis.

O relatório salientou ser inegável que as emissões de gases do efeito estufa provocadas pelo homem são a causa do aumento da temperatura global, que já desencadeou catástrofes ambientais em todo o mundo.

O planeta já aqueceu 1,1 °C desde a segunda metade do século 19, apontou o IPCC, e apenas um punhado de países está em vias de reduzir suas emissões a um nível suficiente.

Greta Thunberg: "Estamos em uma emergência"

Para a ativista climática Greta Thunberg, o relatório do IPCC "não contém verdadeiras surpresas".

"O relatório confirma o que já sabemos a partir de milhares de estudos e relatórios anteriores – que estamos em uma emergência", escreveu a jovem de 18 anos em sua conta no Twitter.

"Cabe a nós sermos corajosos e tomar decisões baseadas nas evidências específicas fornecidas por esses relatórios. Ainda podemos evitar as piores consequências, mas não se continuarmos como atualmente, e não sem tratar a crise como uma crise", afirmou.

Após a divulgação do relatório do IPCC, Greta disse à agência de notícias Reuters que mudou de ideia e agora planeja participar da próxima conferência climática da ONU (COP 26), que será realizada na Escócia entre 31 de outubro e 12 de novembro. Ela havia dito anteriormente que boicotaria a conferência devido à distribuição desigual de vacinas para covid-19 em todo o mundo.

A ativista nigeriana Oladosu Adenike teve uma reação semelhante à de Greta ao relatório do IPCC. A nigeriana escreveu em seu Twitter que "os compromissos dos líderes mundiais não são suficientes para enfrentar as projeções atuais do impacto".

"Sentença de morte" para combustíveis fósseis

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, classificou o relatório como "código vermelho" para a humanidade e acrescentou que o documento "deve soar como uma sentença de morte para o carvão e os combustíveis fósseis, antes que destruam o planeta".

O enviado especial do governo dos EUA para o clima, John Kerry, afirmou que o relatório do IPCC mostra que "não podemos nos dar ao luxo de mais atrasos" e acrescentou que "a mudança climática está transformando nosso planeta de maneiras sem precedentes, com efeitos de amplo alcance que já estamos vendo – criando ondas de calor, chuvas extremas, climas propícios para incêndios e secas mais frequentes e severas".

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, que enfrenta pressão para impedir a planejada abertura de uma mina de carvão, também reagiu ao relatório do IPCC. "Nós sabemos o que deve ser feito para limitar o aquecimento global – deixar o carvão no passado e mudar para fontes de energia limpa, proteger a natureza e fornecer financiamento climático para países na linha de frente", afirmou.

O chefe da União Europeia para o Acordo Verde Europeu, Frans Timmermann, juntou-se ao coro no Twitter, afirmando que "não é tarde demais [...] se agirmos de forma decisiva agora".

Políticos alemães também pediram por uma maior cooperação para enfrentar a crise, incluindo um acordo verde global para expandir as energias renováveis.

Mais condições extremas por vir

A climatologista alemã Friederike Otto, coautora do relatório do IPCC, conversou com a DW sobre as conclusões do painel da ONU e afirmou: "É um fato: não há dúvida de que as emissões humanas de gases de efeito estufa são a causa do aquecimento que observamos."

Otto explicou que podemos esperar eventos meteorológicos e climáticos mais extremos, como ondas de calor, inundações e secas, que já têm ocorrido.

"Além disso, também iremos continuar a observar, não importa em que nível restringirmos o aumento da temperatura média global, o aumento do nível do mar por décadas e séculos, e também o derretimento glacial", afirmou.

A climatologista alemã também enfatizou que o relatório do IPCC é sobre a ciência do clima, que fornece aos governos os dados de que precisam para decisões políticas, mas não faz recomendações de políticas climáticas. Mas, segundo Otto, se a humanidade quiser limitar o aquecimento a apenas 1,5 °C, é preciso "atingir a neutralidade climática até metade do século".

Aquecimento por trás de recentes incêndios florestais

O departamento para o clima da Agência Espacial Europeia (ESA) conversou com a DW sobre o relatório do IPCC e os recentes incêndios florestais no sul da Europa.

O especialista em clima Clement Albergel afirmou que o novo relatório do IPCC "ecoa as descobertas anteriores que conectam as atividades humanas, em particular as emissões de gases de efeito estufa e as mudanças climáticas".

Em referência aos incêndios que devastaram grandes áreas de Grécia, Turquia e Itália nos últimos dias, Albergel foi enfático: "Quando altas temperaturas são combinadas com baixa umidade, pouca chuva e/ou ventos fortes, aumenta o risco de incêndios florestais. Esta combinação de condições tem sido observada por um longo período de tempo em grande parte do mundo, e está ligada às mudanças climáticas".

"Com um clima mais quente, eventos extremos, como ondas de calor prolongadas e secas, provavelmente aumentarão em intensidade e frequência. Este é um fato comprovado", acrescentou.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Líderes e ativistas ecoam grave alerta do IPCC sobre o clima - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV