Estudo mostra que a degradação ambiental agravará a desigualdade racial e de renda

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Junho 2021

 

Quando a natureza desaparece, os americanos de cor e de baixa renda perdem desproporcionalmente os benefícios ambientais e de saúde críticos – incluindo a qualidade do ar, a produtividade da colheita e o controle natural de doenças – concluiu um novo estudo da Universidade de Vermont.

A reportagem é publicada por University of Vermont e republicada por EcoDebate, 10-06-2021. A tradução é de Henrique Cortez.

A pesquisa, publicada na Nature Communications, é o primeiro estudo nacional a explorar os impactos desiguais na sociedade dos EUA – por raça, renda e outros dados demográficos – de declínios projetados na natureza e seus muitos benefícios em todo o país.

Concentrando-se em três serviços ecossistêmicos vitais – qualidade do ar, polinização das plantações e controle de doenças transmitidas por insetos (vírus do Nilo Ocidental) – os pesquisadores projetam que esses benefícios da natureza diminuirão para as pessoas de cor em uma média de 224%, 118% e 111 % entre 2020 e 2100.

Os pesquisadores usaram modelos avançados para calcular as mudanças na distribuição desses benefícios por raça, níveis de renda e densidade populacional (rural, urbana, suburbana).

“Dada a desigualdade atual e histórica neste país, nosso objetivo era identificar como as perdas futuras da natureza podem afetar essas disparidades raciais e de renda”, disse o pesquisador da UVM Jesse Gourevitch. “Infelizmente, descobrimos que, em geral, as populações não brancas, de baixa renda e urbanas suportam desproporcionalmente o fardo dos declínios nos benefícios do ecossistema.”

 

Tendências opostas

Os especialistas concordam que, no futuro, as populações urbanas deverão crescer, enquanto as populações rurais encolherão e os grupos demográficos se tornarão mais segregados. Os declínios na natureza serão em grande parte impulsionados pela conversão de florestas e pântanos em áreas de cultivo e desenvolvimento urbano.

De acordo com o estudo, as tendências de conversão do uso da terra provavelmente serão mais fortes em condados onde se espera que as populações marginalizadas cresçam. Como resultado, prevê-se que grupos não brancos, inclusive, percam os benefícios da natureza, enquanto as comunidades brancas experimentam ganhos. Espera-se que as populações negra e hispânica experimentem uma perda substancial de benefícios, em particular.

Entre os grupos de renda, os condados com a renda per capita mais baixa devem experimentar as maiores perdas na qualidade do ar e proteção contra o vírus do Nilo Ocidental – enquanto esses benefícios aumentam significativamente nos condados de alta renda.

“Prestando atenção à raça e renda – que muitas vezes são negligenciadas na pesquisa ambiental – podemos ajudar os líderes a lidar com as desigualdades em suas decisões políticas, para que os benefícios da natureza sejam distribuídos de forma mais equitativa no futuro”, diz UVM Prof. Taylor Ricketts, um global especialista em medir os benefícios da natureza.

Geograficamente, o estudo prevê “incompatibilidades” significativas entre os benefícios dos ecossistemas e as necessidades humanas. Por exemplo, a equipe encontra grandes quedas na qualidade do ar e no controle de doenças em condados urbanos onde se espera que as populações cresçam. Da mesma forma, os pesquisadores descobriram quedas acentuadas na polinização das culturas – que é vital para a agricultura – nas áreas rurais, onde a produtividade agrícola é mais essencial.

Além de simplesmente destacar os problemas sociais e ambientais, os pesquisadores dizem que as políticas de uso da terra que levam em consideração a equidade são necessárias para evitar o agravamento da desigualdade nos EUA. Essas descobertas também podem ajudar a facilitar a compensação pelas perdas dos benefícios da natureza entre os grupos marginalizados, dizem eles.

“Para ser claro, esses resultados não significam que os EUA estão se movendo de uma linha de base equitativa para um futuro injusto”, diz Luz de Wit, coautora da UVM. “As desigualdades de hoje sustentam as disparidades futuras que estimamos. Por exemplo, os negros e hispânicos estão atualmente desproporcionalmente expostos à poluição do ar. Essa disparidade, e outras, só devem piorar no futuro, sem ação.”

 

Referência

 

Gourevitch, J.D., Alonso-Rodríguez, A.M., Aristizábal, N. et al. Projected losses of ecosystem services in the US disproportionately affect non-white and lower-income populations. Nat Commun 12, 3511 (2021). Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estudo mostra que a degradação ambiental agravará a desigualdade racial e de renda - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV