“Lei da Bíblia” gera descontentamento em Teresina

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Abril 2021

A Câmara de Vereadores de Teresina aprovou, e o prefeito José Pessoa Leal (MDB) sancionou, lei que faculta a leitura da palavra bíblica nas escolas púbicas e particulares da capital piauiense. A lei, que entrou em vigor no dia 1º de março, deixa a critério de diretores e proprietários de escolas privadas a decisão de iniciar as aulas do dia com essa leitura.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista. 

Embora facultativa, a lei suscitou críticas e questionamentos de ateus, de seguidor@s de outras religiosidades fora do cristianismo, de pais de alun@s. A Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos do Brasil (Atea) entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Tribunal de Justiça do Piauí contra a apelidada “Lei da Bíblia”, sob o argumento de que o texto legal atenta contra a laicidade do Estado e a liberdade de crença de alun@s. 

“Colocar essa prática como lei e opção dentro das escolas viola sim o direito de minorias religiosas, porque está claramente favorecendo apenas dois segmentos: católicos e evangélicos, que são maioria. Mas devemos lembrar que o Estado é laico, está na Constituição. Onde fica a laicidade quando se favorece abertamente apenas dois seguimentos religiosos?” – registrou o Portal do Dia a indignação de Tarciana Freire, umbandista, mãe de uma adolescente de 13 anos que estuda em escola pública. Mesmo que alun@s de outros credos não precisem ficar na sala, el@s passam por constrangimento, argumentou Tarciana

O Diário Oficial do Município do dia 1º de fevereiro publicou a homologação da Lei 5.563, apresentada em 2020 pelo então vereador Fábio Dourado (Solidariedade) e pelo vereador Gustavo de Carvalho (PSDB), justificando-a porque ela promove o “conhecimento cultural e os fatos históricos bíblicos”. 

Em nota, a prefeitura de Teresina destacou que “o dispositivo não possui caráter obrigatório, apenas faculta aos colégios da rede pública e privada da capital a implantação da leitura de trechos da Bíblia antes do início das atividades nas salas de aula”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Lei da Bíblia” gera descontentamento em Teresina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV