Sem dinheiro para auxílio emergencial, Bolsonaro renunciou a R$ 348 bilhões em impostos a empresários

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Charles Chaput, arcebispo emérito da Filadélfia, chama o Papa Francisco de mentiroso

    LER MAIS
  • Rico ri à toa

    LER MAIS
  • Por dentro do Sínodo: falar com franqueza, ouvir com atenção. Artigo de Austen Ivereigh

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Fevereiro 2021

Valor é superior aos R$ 293 bilhões que foram destinados pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para pagamento do auxílio emergencial em todo o ano de 2020. "Dinheiro não falta. Falta vergonha na cara", diz João Pedro Stédile.

A reportagem é de Plinio Teodoro, publicada por Revista Fórum, 04-02-2021.

Alegando que a continuidade do pagamento de auxílio emergencial “quebraria” o Brasil, Jair Bolsonaro esconde de milhões de brasileiros que estão sendo empurrados para a linha da pobreza que renunciou a R$ 348,4 em impostos pago por empresas somente em 2019.

O porcentual representa 25,9% sobre a receita primária líquida e 4,8% do Produto Interno Bruto (PIB). Foram R$ 308,4 bilhões de benefícios tributários e R$ 40 bilhões de benefícios financeiros e creditícios, segundo o site do Tribunal de Contas da União.

O valor é maior do que os R$ 293 bilhões que foram destinados pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para pagamento do auxílio emergencial em todo o ano de 2020. Os dados são da Câmara Federal.

Desse total, R$ 32,3 bilhões são de isenções aos setores de Agricultura e Agroindústria. A maior fatia, de R$ 75,9 bilhões, foi para o Simples Nacional. Entidades sem fins lucrativos, como igrejas e organizações não governamentais, foram responsáveis por R$ 28,5 bi do total.

“Dinheiro não falta para termos o auxílio emergencial. Falta vergonha na cara”, afirmou João Pedro Stédile, do Movimento Sem Terra (MST), nas redes sociais.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sem dinheiro para auxílio emergencial, Bolsonaro renunciou a R$ 348 bilhões em impostos a empresários - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV