Apesar das perseguições, cristianismo cresce na África

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O culpado da mortandade não é o Exército. É Bolsonaro e seus políticos liberais e fascistas

    LER MAIS
  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • Como a fé católica de Joe Biden moldará sua relação com o Papa Francisco e os bispos dos EUA. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Janeiro 2021

Um em cada quatro cristãos no mundo está no continente africano, mostra pesquisa do Pew Reserach Center, mencionada pelo diretor da Comissão das Igrejas sobre Assuntos Internacionais do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Peter Prove, em conferência online no dia 22 de dezembro, organizada pela Igreja Ortodoxa Russa e Associação Russa para a Proteção da Liberdade Religiosa.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

“Estima-se que essa proporção cresça para 40% até 2030 e o número de cristãos na África duplique até 2050”, anunciou Prove. Tal desenvolvimento também tem reflexos nos fluxos globais e migrações, lembrou Prove. “Atualmente, existem cerca de 258 milhões de migrantes e refugiados no mundo”. Desses, estima-se que 105 milhões que migram sejam cristãos.

Ao lado desse extraordinário crescimento demográfico, igrejas e cristãos no continente se defrontam com um número crescente de ataques violentos e outras formas de repressão, especialmente em contextos onde são minoria. Mas também em contextos onde são maioria da população ou “em uma posição histórica bem estabelecida na vida de sua nação”, apontou Prove. Preocupa a situação em países como Nigéria, Burkina Faso, Moçambique, Etiópia e Egito.

O encontro também levantou sinais de esperança e exemplos de solidariedade inter-religiosa e apoio às comunidades religiosas. O futuro das comunidades cristãs ameaçadas está ligado à vida e à trajetória das sociedade em que vivem. Assim, “devemos ativa, insistente e coletivamente defender a igualdade de cidadania e o respeito pela igualdade de direitos e dignidade de todas as pessoas nesses países, como uma estratégia primária para proteger os cristãos da perseguição”, defendeu Prove.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Apesar das perseguições, cristianismo cresce na África - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV