“Chega de ‘catimba’. Depois dos escândalos financeiros, era preciso uma reforma de verdade.” Entrevista com Nunzio Galantino

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Carta a um jovem padre. Artigo de Domenico Marrone

    LER MAIS
  • “Francisco quase desculpa a vida dupla, mas ainda não aceita padres casados”

    LER MAIS
  • A espiritualidade cristã no mundo secular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Janeiro 2021

“Com este ato, o papa quis levar a cabo uma das reformas da Cúria Romana que lhe era muito cara e invocada por muitos. Refiro-me à racionalização do setor administrativo-financeiro da Santa Sé. Trata-se de uma reforma já introduzida pelo Papa Bento XVI. Francisco deu uma aceleração decisiva, até definir as suas formas e os seus prazos de implementação, como afirma o motu proprio. Certamente, o caso do investimento no imóvel em Londres tornou mais urgente um caminho que, porém, vem de longe.”

É o que afirma Dom Nunzio Galantino, presidente da Administração do Patrimônio da Santa Sé (APSA), depois do motu proprio dessa terça-feira, 29, com o qual o papa confiou os fundos da Secretaria de Estado à APSA, após os escândalos relacionados à compra por parte da Santa Sé de um imóvel em Londres.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada em La Repubblica, 30-12-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

O que o motu proprio envolve?

Reconhece-se à APSA o papel de única instituição habilitada na Santa Sé a gerir e administrar o patrimônio mobiliário e imobiliário. Assim, o número de pessoas habilitadas à administração foi reduzido. No entanto, não se deve esquecer que, no exercício das suas funções, a APSA está submetida a rígidos controles internos e externos. O mais imediato é o controle exercido pela Secretaria para a Economia. A Secretaria de Estado, que até então também tinha uma função administrativa, deixa de tê-lo. Ela atuará com um orçamento próprio, como todos os outros dicastérios. Assim, poderá realizar com todas as suas energias e os seus recursos as tarefas próprias do dicastério que mais diretamente colabora com a missão pastoral do papa em toda a Igreja.

A Secretaria de Estado abusou do dinheiro do Óbolo de São Pedro?

Eu já disse – e, se não foi entendido, eu repito – que este motu proprio não nasceu para corrigir distorções verdadeiras ou presumidas por parte da Secretaria de Estado. Certamente, há partes que dizem respeito à Secretaria de Estado, mas o texto tem um objetivo muito mais ambicioso, do ponto de vista estrutural e eclesial. Ao definir procedimentos administrativos claros, controláveis e controlados, pretende-se dar uma resposta credível à justificada desorientação – às vezes, escândalo – de tantos fiéis que apoiaram e continuam apoiando com as suas ofertas generosas a atividade de evangelização e de caridade da Igreja. Os fiéis têm o direito de saber como são geridos os recursos que nos são confiados. E nós temos a obrigação de fazer isso com transparência. É uma forma, entre outras, de envolver todos na missão da Igreja. Imagine que esse também era o sonho de Antonio Rosmini nas “Cinco Chagas da Santa Igreja”. Obra que lhe rendeu uma condenação.

Pell falou sobre tensões com a Secretaria de Estado por causa de dinheiro. O senhor percebeu resistências à vontade do papa de reformar as finanças?

É inútil esconder isso. Não só na Igreja, mas por toda a parte, diz-se que todos querem as reformas, mas ai de quem as põe seriamente em ação! Não conheço as relações do cardeal Pell com a Secretaria de Estado ou com outros órgãos vaticanos. Eu estava em outro lugar naquela época. Certamente, uma nova forma de conceber a administração, também entre nós, é algo que custa a ser recebido de imediato. A sincera colaboração que se estabeleceu nos últimos meses entre a Secretaria de Estado, a Secretaria para a Economia e o dicastério que eu presido realmente me dá uma boa esperança. É claro que o papa, com esse documento, indicou caminhos e tempos certos de implementação. Não há lugar para fazer “catimba”.

Que mandato o senhor recebeu com a nomeação para a APSA?

O papa, pela clareza com que fala e age, não precisava me confiar mandatos especiais nem perigosos papéis de comissário. Quando ele me pediu para deixar a Secretaria-Geral da Conferência Episcopal Italiana para me mudar para o Vaticano, eu entendi que ele me pedia para apoiar, na medida do possível, o processo de renovação que eu já estava implementando com o envolvimento de outras pessoas. E, consequentemente, dei-me conta de que ele me pedia para atuar no âmbito administrativo (que não é exatamente aquele em que eu havia gasto as minhas energias até então) com lealdade à Igreja.

Que contribuição a Igreja pode dar à crise econômica?

A primeira e mais importante contribuição que a Igreja é chamada a dar é aquela ligada à sua missão, feita de anúncio e de testemunho. Anunciar e testemunhar Cristo neste período difícil é de grande importância. Sobretudo porque isso significa anunciar e testemunhar uma esperança enraizada no Evangelho. Um Evangelho que, também graças ao nosso testemunho, pode ser acreditado como verdadeiro e possível. Em todas as suas partes, incluindo aquelas nas quais ele nos convida a nos colocarmos nos passos de Cristo, irmão de todos. Precisamente de todos. Principalmente daqueles que, segundo as lógicas humanas, não têm nenhuma importância.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Chega de ‘catimba’. Depois dos escândalos financeiros, era preciso uma reforma de verdade.” Entrevista com Nunzio Galantino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV