“Hoje há muito individualismo, os mortos são só números”. Entrevista com Umberto Galimberti

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • “O conteúdo e o sentido do trabalho são exigências de justiça social”. Entrevista com Alain Supiot

    LER MAIS
  • Nasce a Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, “um Encontro do Povo de Deus”, segundo o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Novembro 2020

Quando passar a emergência de Covid, “retomaremos nossas vidas com o entusiasmo do usuário de drogas para quem acabou a abstinência”, sem ter aprendido nada. E, entretanto, apesar de uma pandemia que causa “200 mortes por dia”, o “individualismo desenfreado” que caracteriza uma sociedade que “nunca teve o senso de comunidade” continuará a nos guiar. É com um olhar severo e preocupado, e tons inflamados, que Umberto Galimberti, filósofo, psicanalista e antropólogo, descreve a Itália que vive a segunda onda de infecções.

A entrevista é de Elisabetta Pagani, publicada por La Stampa, 31-10-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Segundo ele, "esta pandemia deve nos fazer refletir sobre nosso sistema econômico: é justa uma sociedade baseada no dinheiro? Que calcula apenas o que é útil? Não podemos parar na espuma do mar, devemos olhar para as profundezas. Realmente não queremos mesmo abrir mão de ir ao restaurante? Mas que ideia temos da humanidade?".

 

Eis a entrevista.

O governo fecha os restaurantes às 18h e os italianos vão jantar em San Marino. O que essa atitude nos diz?

O nosso individualismo. É preciso entender que a cidade vem antes do indivíduo, mas nós, italianos, cidadãos ainda não o somos, somos apenas familiares, também por razões históricas. Até 150 anos atrás, éramos dominados por potências estrangeiras e o Estado era visto como um inimigo a ser enganado. Uma orientação que permaneceu, a evasão fiscal prova isso. Não existe senso de coletividade, mas essa é uma cultura que não se inculca em um ano porque aconteceu uma desgraça, é ensinada na escola. E a Itália fecha as escolas. 

E se o ensino à distância retornasse em todas as situações?

Fechar escolas é a decisão mais infeliz, a mais absurda. Realmente deve nos deixar revoltados. França e Alemanha fecham tudo, mas não a escola. Escola a distância não existe. Você sabe qual é o problema? Que a Itália nunca deu a mínima para a educação. Basta pensar que, dados da OCDE, 70% dos italianos não entendem o que leem. São os locais da agitação noturna que já deveriam ter sido fechados desde junho: os jovens tiveram uma atitude irresponsável. 

Na primavera passada, houve quem dissesse que sairíamos melhores da pandemia. Que sociedade você acha que encontraremos?

A Covid nos ofereceu a oportunidade de refletir sobre nós mesmos, sobre a qualidade de nossos afetos, e não o fizemos. Viver sem o conhecimento de si mesmos é a pior coisa do mundo, mas infelizmente não nos interessa. Esta sociedade amolecida deve ser derrubada desde as bases. As pessoas se rebelam contra o governo, enquanto o inimigo é o vírus

Vandalismo à parte, o que você acha da raiva e do descontentamento expressos nas ruas?

Penso que neste momento, em que nos encaminhamos para um novo lockdown, só resta suportar. Se cada um de nós é potencialmente um portador do mal, como vamos nos reunir? As manifestações são locais de contaminação. 

No entanto, muitos empresários estão quebrados.

Se nossa economia precisa apenas de dois meses para entrar em colapso, isso significa que é extremamente frágil. Esta pandemia deve nos fazer refletir sobre nosso sistema econômico: é justa uma sociedade baseada no dinheiro? Que calcula apenas o que é útil? Não podemos parar na espuma do mar, devemos olhar para as profundezas. Realmente não queremos mesmo abrir mão de ir ao restaurante? Mas que ideia temos da humanidade? 

Em abril, você disse que não são mais capazes de dar uma palavra de conforto aos que sofrem e que perdemos a relação com a morte.

E ainda é. As tantas mortes para nós não são mortes, mas números de mortes. Só entendemos se a tragédia nos atinge pessoalmente, e às vezes nem mesmo nesse caso. Talvez com a morte de um idoso haja quem pense na herança.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Hoje há muito individualismo, os mortos são só números”. Entrevista com Umberto Galimberti - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV