Becciu poderia ser acusado de delito de “alta traição”

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Os três movimentos de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco mira na imprensa e cultura da “pós-verdade” em discurso aos movimentos populares

    LER MAIS
  • COP26, estrada difícil: aqui estão os documentos que comprovam a resistência aos empenhos climáticos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Outubro 2020

O cardeal Angelo Becciu, demitido pelo papa Francisco, já está sendo investigado pelo Vaticano.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 29-10-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O cardeal Angelo Becciu, demitido pelo papa Francisco no último 24 de setembro e centro de uma trama de poder, espionagem e supostos desvios de fundos da Secretaria de Estado e do Óbolo de São Pedro, poderia ser acusado do delito de alta traição”, segundo fontes vaticanas consultadas por L’Espresso.

O prelado, que ainda não se apresentou ante as autoridades vaticanas (seus próximos alegam que não foi citado, nem conhece oficialmente a investigação em curso do Vaticano), está sendo investigado dentro da rema na qual está implicada Cecilia Marogna, encarcerada em uma prisão de Milão há duas semanas, e cujo processo de extradição ao Vaticano segue emaranhado e poderia se prolongar durante meses.

Marogna ante o juiz

De fato, ontem mesmo, a Procuradoria mostrou-se contrária à soltura de Marogna enquanto não finalizar o processo de extradição, pelo risco de fuga e de gravidade dos delitos. A “espia” de Becciu está acusada de desvio de fundos vaticanos para a criação de uma rede diplomática paralela à da Santa Sé, pelo valor de pelo menos 600 mil euros, dos quais, boa parte, foram gastos em artigos de luxo.

Investigação do L’Espresso

Becciu, despossuído das funções cardinalícias, mantém – por desejo expresso do Papa – seu salário e seu apartamento na Cúria. A investigação vaticana, segundo revelou L’Espresso nesta semana, aponta não somente a delitos de abusos de autoridade, desvios de fundos, corrupção ou lavagem de dinheiro, mas que “configura-se também o delito de associação delitiva em prejuízo à Santa Sé”, o que poderia culpá-lo por um delito de alta traição.

A trama supõe a existência de uma rede na qual, ademais de Becciu e Marogna, poderiam se encontrar na rede composta por financistas, intermediários, empregados da secretaria de Estado, advogados e consultores em geral, cujos nomes conhecemos nas últimas semanas, desde Enrico Crasso até Raffaele Mincione, Gianluigi Torzi, Fabrizio Tirabassi, Luciano Capaldo e Nicola Squillace.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Becciu poderia ser acusado de delito de “alta traição” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV