29º domingo do tempo comum – Ano A – Subsídios exegéticos para a liturgia dominical

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco e as uniões homossexuais

    LER MAIS
  • “A dignidade é a resposta popular ao cinismo aberto dos que estão no poder”. Entrevista com Slavoj Žižek

    LER MAIS
  • Dom Paulo Cezar Costa, novo Arcebispo de Brasília. Nota da Comissão Justiça e Paz de Brasília

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Outubro 2020

 Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana - ESTEF: Dr. Bruno Glaab, Me. Carlos Rodrigo Dutra, Dr. Humberto Maiztegui e Me. Rita de Cácia Ló. Edição: Dr. Vanildo Luiz Zugno.

Leituras do dia
Primeira Leitura: Isaías 45.1.4-6.
Salmo: Sl 95,1.2a.3.4-5.7-8.9-10a.c (R. 7ab)
Segunda Leitura: 1 Tessalonicenses 1,1-5b
Evangelho: Mateus 22,15-21

O princípio diferenciador entre Jesus e Cezar

A comunidade de Mateus é testemunha dos horrores da repressão romana contra Jerusalém em 70 d.C. e da continuidade da perseguição contra as comunidades cristãs. Esta narrativa é um dos eixos que percorrem todos os Evangelho Sinóticos e que a comunidade de Mateus incorpora, mas enfatiza esta passagem como princípio de diferenciador entre o Projeto de Jesus Cristo e o sistema imperial vigente.

O texto de Mt 22,15-21 em relação a Marcos 12,13-17

A narrativa é comum ao três Evangelhos Sinóticos. No entanto, vamos nos concentrar na relação entre Mateus e Marcos (que certamente foi uma das suas fontes). Na narrativa de Mateus o texto se apresenta dentro de um conjunto que acontece num único dia. O contexto é o da última semana de Jesus em Jerusalém. Ele inicia como a narrativa da maldição da figueira (21.18s) e reúne uma série de confrontos com os “anciãos do povo”, fariseus, escribas, herodianos e saduceus. Estes dois últimos grupos concentrem as críticas por terem um inserção popular maior que os outros (cf. 21,23.45;22,15.23.34.41 e todo o capítulo 23).

Ao comparar estes textos, podemos ver o sentido do resgate dado pela comunidade de Mateus. Enquanto, nos primeiros versículos a narrativa de Marcos apresenta “fariseus e herodianos” como um grupo só, a comunidade de Mateus (v.15-16) os diferencia, dizendo que os herodianos (braço político do Império Romano) foram enviados pelos “fariseus” (braço religioso do Império). Assim, seguindo a denúncia que é feita ao longo do Evangelho, destaca o mal que é feito quando a fé é usada como instrumento de opressão e repressão.

Da mesma forma, enquanto Marcos, acusa este grupo de serem “hipócritas”, Mateus assinala a sua “maldade”: “E conhecendo Jesus a maldade deles, lhe disse: por que me tentais hipócritas?” (v.18).

Relacionando com os outros textos

Na segunda parte do Livro de Isaías (Deutero-Isaías 40-55), o Imperador Ciro representa a oportunidade de retornar da Babilônia para a terra natal. Em Is 40,1 , Ciro é chamado “messias”. No entanto, embora em momento conjunturais imperadores pareçam ser “instrumentos de Deus”, no longo prazo ficou demonstrado que a fé e a Igreja, em muitas ocasiões, foram manipuladas como instrumentos de opressão. Já a 1ª Carta aos Tessalonicenses (uma das primeiras cartas do apóstolo Paulo), lembra que não devemos cair na tentação da aliança com os que dominam e oprimem, mas buscar a prática do Evangelho que tenha coerência na práxis e não apenas em palavras (cf. 1 Ts 1.5a).

 

Assista também

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

29º domingo do tempo comum – Ano A – Subsídios exegéticos para a liturgia dominical - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV