Ecofeminismo. Artigo de Vandana Shiva

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • “A eleição de uma mulher negra parecia um muro intransponível”. Primeira mulher negra eleita vereadora em Curitiba fala sobre o racismo na cidade

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Setembro 2020

“Como dizia Gandhi, 'a riqueza sem trabalho é pecado'. Toda a humanidade deve deixar para trás a cobiça e a exploração e deve se converter à economia feminina do compartilhar e o cuidar”, escreve Vandana Shiva, física, ecofeminista, ativista ambiental, defensora da soberania alimentar e fundadora do Movimento Navdanya, em artigo publicado por La Marea, 31-08-2020. A tradução é do Cepat.

 

Eis o artigo.

O ecofeminismo é uma cosmovisão que reconhece que os seres humanos são parte da natureza, não uma entidade separada dela. Pela noção de interconexão através da vida, a natureza e as mulheres são seres vivos e autônomos, não objetos inertes passivos, explorados e violados pelo poder masculino. A criatividade e a produtividade da natureza e das mulheres são os fundamentos de todos os sistemas de conhecimento e de todas as economias, apesar de ser invisíveis aos olhos do patriarcado capitalista que, como visão de mundo, como sistema de conhecimento e como forma de organização da economia, formou-se durante séculos por efeito do colonialismo, o industrialismo dos combustíveis fósseis e o uso da violência, a cobiça e a destruição da natureza e das culturas. O patriarcado capitalista considera que a natureza é matéria inerte e as mulheres seres passivos.

Os pais fundadores deste sistema edificaram um antropocentrismo baseado na separação dos seres humanos e a natureza, e na superioridade destes sobre as outras espécies, para justificar assim o domínio sobre a natureza. A natureza foi objetivada, convertida em objeto de manipulação, controle e exploração. A mãe terra transformadora, que está viva e que acolhe e propicia a vida, foi convertida em matéria inerte, mera matéria-prima para a exploração industrial.

Francis Bacon, considerado o pai da ciência moderna, referiu-se a esta conversão como “o nascimento masculino do tempo”, a partir de uma concepção profundamente patriarcal do projeto da ciência mecanicista e reducionista. Como escreve Carolyn Merchant, em “A morte da natureza”, “como marco conceitual, a ordem mecanicista se associou a um sistema de valores baseado no poder perfeitamente compatível com o rumo adotado pelo capitalismo comercial”.

Fiz minha tese de doutorado sobre os fundamentos da teoria quântica da não localidade e a não separabilidade. Minha formação científica me ajudou a superar a mentalidade mecanicista baseada no reducionismo, na fragmentação e na separação, mentalidade que facilita a extração e a exploração.

A “solução científica” da agricultura química industrial, baseada em um paradigma científico reducionista e mecanicista, nos legou o problema da extinção das espécies, o desaparecimento da água, a degradação do solo, a mudança climática e as doenças crônicas. E foi incapaz de enfrentar o problema original que pretendia resolver: a fome. Hoje, um bilhão de pessoas passam fome no mundo. E é o apetite sem limites pela terra e os recursos da agricultura industrial que está na base das novas epidemias e pandemias.

A mente mecanicista também constrói um “limite da criação”, de modo que o conhecimento trazido pelas mulheres, os povos indígenas e o domínio público é invisibilizado, e a apropriação do conhecimento é apresentada como uma “inovação” ou “invenção”. Esta mentalidade predomina de um modo desmedido na área da biodiversidade e do conhecimento indígena. Eu batizei este fenômeno com o nome de “biopirataria”.

No paradigma do patriarcado capitalista, o dinheiro foi transformado em “capital” de força criativa. Conecta falsamente a criatividade e a criação de valor a um construto chamado “capital”, uma abstração baseada no dinheiro. O dinheiro é um meio de troca que reflete o valor real de mercadorias e serviços reais, criados mediante o trabalho real e com a contribuição de uma natureza real e algumas pessoas reais. O dinheiro em sua abstração como “capital” se separa da realidade, e isto torna possível o extravio da criatividade.

O “capital” se tornou o construto dominante de nossa era. A concentração da riqueza e o dinheiro acumulado mediante a violência, guerras e pilhagem foram mistificados como “capital”. E, com isso, a terra criativa foi declarada morta, matéria-prima, e os seres humanos e as comunidades livres e criativas também foram convertidos em ‘inputs’ passivos, com o rótulo “força de trabalho”.

O que é necessário é redefinir a economia patriarcal capitalista que trata o trabalho das mulheres como não trabalho, e o conhecimento das mulheres como ignorância. Devemos redefinir o trabalho e nos libertar da hierarquia patriarcal capitalista que define o trabalho com nossos corpos como uma forma inferior de trabalho, e o fato de jogar com o dinheiro dos outros no cassino financeiro como a tarefa mais importante. Como dizia Gandhi, “a riqueza sem trabalho é pecado”. Toda a humanidade deve deixar para trás a cobiça e a exploração e deve se converter à economia feminina do compartilhar e o cuidar.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ecofeminismo. Artigo de Vandana Shiva - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV