Programa de rádio enfatiza “ubuntu” e combate violência de gênero

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A pandemia demonstrou as consequências de 40 anos de neoliberalismo”, avalia Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • O ataque ao Capitólio e a tentativa de golpe contra o Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Carta ao Povo Brasileiro: por vacina para todos, retorno do auxílio emergencial, mais recursos para o SUS e Fora Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Agosto 2020

A pandemia do coronavírus aumentou a vulnerabilidade de mulheres e meninas no Benin frente a agressões e outras formas de violência, também a doméstica. Com as igrejas fechadas, muitas mulheres perderam o contato com grupos de apoio, de consolo e de oração. 

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista. 

A coordenadora regional da África Ocidental para o programa de Iniciativas Ecumênicas de HIV e AIDS do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Ayoko Bahun-Wilson, passou a produzir, então, um programa de rádio semanal para as igrejas do Benin, chamado “Zero Violação, Violência Zero”. 

Mapa de Benin, África. (Foto: Africa Guide)

O objetivo do programa radiofônico, semanal, é falar sobre a violência sexual e de gênero, com o propósito de conscientizar pessoas a respeito dessas agressões. O “Zero Violação, Violência Zero” destaca homens e mulheres não-violentos como modelos para ajudar a desenvolver convivências civilizadas entre as pessoas, informou Bahun-Wilson ao serviço de imprensa do CMI

Pesquisa demográfica e de saúde realizada no ano passado indicou que mais de um quarto das mulheres do Benin, entre 15 e 40 anos de idade, afirmou ter sofrido violência física em algum momento da vida. “Essa situação se torna difícil quando meninas vivem em um contexto de casamento forçado ou casamento infantil”, afirmou a líder ecumênica. 

O covid-19 piorou o quadro, pois mulheres passaram a sofrer, também, de violência emocional e econômica. Muitas delas, comerciantes, vendedoras nos mercados, nas ruas, nas escolas, foram privadas de suas atividades por causa do bloqueio e sentiram uma drástica redução de renda. “Isso aumentou o estresse social combinado com o aumento da tensão de ter a família constantemente em casa, com acesso limitado à comida e ao lazer”, analisou Bahun-Wilson

Mesmo nesse quadro, a produtora do programa radiofônico não esmorece. “O espírito do ubuntu (termo zulu que significa, literalmente, ‘humanidade’ ou sua filosofia ‘sou o que sou pelo que nós somos’) a união nos dá esperança em tempos de crise, é o que nos capacita”, professou. E agregou: “Com , tudo é possível e qualquer situação difícil pode mudar e pode melhorar. Com fé, as pessoas se unem para mostrar solidariedade aos sobreviventes da violência sexual e de gênero, para compartilhar um sentimento de amor”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Programa de rádio enfatiza “ubuntu” e combate violência de gênero - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV