“Para nós, não há como voltar atrás”. Dez religiosas alemãs pedem poder celebrar a eucaristia

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Julho 2020

Dez irmãs religiosas alemãs tornaram públicas suas reivindicações de poder celebrar a eucaristia. Pertencentes ao grupo “Mulheres Religiosas pela Dignidade Humana”, formada no outono de 2018, deram a conhecer os desafios que se apresentaram no contexto da pandemia do coronavírus e que motivaram sua petição.

A reportagem é de Lucía López Alonso, publicada por Religión Digital, 02-07-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Como informou catch.ch, as religiosas viveram em sua comunidade a alternativa real de celebrar missa na ausência de padre, ao proibir as celebrações com celebrante externo.

A conjuntura as levou a refletir sobre a desigualdade entre mulheres e homens consagrados no acesso à celebração eucarística: “Uma superiora tem direito à direção espiritual de uma comunidade, mas não para presidir a celebração da Eucaristia. Que imagem de congregação, do padre e da mulher estão por trás de tudo isso?” , questionam. “Isso mostra a extrema dependência que têm as mulheres religiosas de um homem consagrado”.

Do mesmo modo, a crise da saúde e as privações provocadas fizeram-nas pensar não apenas no “desequilíbrio da Igreja Católica” em questões de gênero, mas também na natureza dos sacramentos: “a Eucaristia é um alimento comum ou exclusivo, reservado ao sacerdote ordenado? As regras e regulamentos não restringem muito o entendimento dos sacramentos?”.

Convencidos de que essa “transformação” vivida na Eucaristia não pode ser ligada apenas a um homem consagrado, eles propuseram que o debate sobre o sacerdócio feminino fosse reaberto. “Eu não estava mais no papel de ouvinte, que só pode participar com respostas padronizadas. Essa experiência tão diferente me fez muito bem”, disse uma das freiras, falando sobre as celebrações sem padres que tiveram nesses meses, somente entre elas. Todas reconheceram que a pandemia gerou um aumento real na profundidade espiritual de sua vocação religiosa.

Contando que sua demanda não é bem-vinda em alguns setores da Igreja, elas manifestaram a determinação em “buscar seriamente respostas habitáveis e convincentes”. “Não há como voltar atrás”, garantiram.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Para nós, não há como voltar atrás”. Dez religiosas alemãs pedem poder celebrar a eucaristia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV