A bajulação das mídias católicas dos EUA a Trump

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um futuro social-ecológico? As alianças verdes-rosas-vermelhas nas eleições francesas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Junho 2020

Na dinastia Tudor, surgiu uma posição na corte que se tornou uma das mais cobiçadas de todas as sinecuras reais. Ela oferecia acesso incomparável ao monarca e exigia grande intimidade. O incumbente precisava equilibrar quaisquer agendas públicas ou privadas que ele pudesse chamar à atenção do monarca com a sua avaliação das mudanças de humor do monarca, assim como com as reivindicações e argumentos de outros conselheiros públicos. A bajulação, obviamente, era a mais exigida de todas as características. Sir Edward Burton, que atendia às necessidades de higiene do monarca, foi o primeiro a deter o título de “Noivo da Banqueta” durante o reinado de Henrique VII.

O comentário é de Michael Sean Winters, publicado em National Catholic Reporter, 26-06-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Nesta semana, Raymond Arroyo, da rede EWTN, fez o teste para o equivalente jornalístico do “Noivo da Banqueta” do século XXI, conduzindo uma entrevista com o presidente Donald Trump que foi tão obsequiosa que faria Sir Edward Burton corar de vergonha.

Raymond Arroyo, da rede EWTN, em entrevista com Donald Trump (Foto: NCR)

Arroyo perguntou sobre a oposição de Joe Biden à pena de morte e o seu apoio à abordagem das mudanças climáticas, e disse que alguns católicos e evangélicos dizem: “‘Então, ele é pró-vida, e você não’. Qual seria a sua resposta?”. É uma maneira estranha de enquadrar a questão, sem enfatizar a ética consistente da vida que a Igreja ensina e o modo como as duas partes ficam aquém dessa ética.

O presidente começou sua resposta afirmando: “Sou totalmente a favor da pena de morte para crimes hediondos. É assim que é. Eu sou pró-vida, ele não”. Arroyo não pediu esclarecimentos.

Ao responder a uma pergunta sobre as revelações no novo livro de John Bolton, o presidente esqueceu inicialmente um de seus chavões, a saber, que outras pessoas que estavam na sala e que ainda trabalham para o presidente contestaram o relato de Bolton. Não é preciso temer. Arroyo foi rápido com um lembrete: “E [Mick] Mulvaney disse hoje: ‘Isso é ficção’”. Desde quando jornalistas dão lembretes às pessoas que estão entrevistando?

A pergunta mais revoltante para mim teve a ver com o mito da fraude das urnas. “Vamos falar sobre essas cédulas por correio”, começou Arroyo. “Há telefonemas em todo o país. Eu li que Michigan já enviou pedidos de cédula por correio a todos os seus eleitores. O que o senhor pode fazer sobre isso? O senhor acredita que isso promoverá ou encorajará fraudes nas eleições?”

Quê? Por que não perguntar sobre como essa suposta fraude eleitoral está ligada à questão de quem atirou em JFK? Será que as cédulas por correio são enviadas de forma fraudulenta a alguém em Grassy Knoll? É desnecessário dizer que, com um palco como essa, o presidente estava pronto para descrever seu cenário fantasioso das más consequências de votar pelo correio.

(Eu confesso que temo que Trump e sua equipe possam perpetrar alguns incidentes de fraude eleitoral em novembro, a fim de tentar manchar toda a eleição.)

De que adianta uma entrevista com o presidente, se ela não traz à tona a carta que ele recebeu do ex-núncio e arcebispo desonrado Carlo Maria Viganò? Arroyo citou a carta, a parte em que Viganò discursa sobre uma batalha entre “os filhos da luz e os filhos das trevas”. Ele perguntou se “essa é uma leitura precisa de onde estamos”. O presidente chamou Viganò de um “grande cavalheiro”, que é “altamente respeitado, como você sabe”. Ele caracterizou a carta como “uma tremenda carta de apoio da Igreja Católica”. Mais uma vez, Arroyo não procurou qualificar a descaracterização do presidente sobre a importância da carta.

Antes do fim da entrevista, Arroyo reproduziu um longo trecho do comício do presidente em Tulsa, para conduzir ostensivamente a uma pergunta sobre a participação menor do que o esperado no evento. O vídeo mostrava Trump dizendo: “Joe Biden e os democratas querem processar os estadunidenses por irem à igreja, mas não por queimarem uma igreja”. Mais uma mentira que não foi contestada.

Nada disso importaria, exceto pelo fato de a EWTN ser o principal canal de informações sobre a fé católica para milhões de estadunidenses. Esses telespectadores podem não saber que a rede se tornou cada vez mais um veículo de propaganda trumpiana que está em desacordo com o ensino social católico. Eles podem não saber que Viganò está tão desonrado quanto instável, e que não está em seu poder oferecer qualquer tipo de endosso eclesial ao presidente. Eles podem achar que a EWTN fala pelos bispos, os mestres oficiais da fé.

Em sua declaração “Formando consciências para uma cidadania fiel”, os bispos são bastante claros sobre a natureza do envolvimento católico na vida política da nação:

“Infelizmente, a política no nosso país pode ser muitas vezes uma luta entre interesses poderosos, ataques partidários, frases chamativas e o sensacionalismo dos meios de comunicação. A Igreja convida a um tipo diferente de participação política: aquela formada pelas convicções morais de consciências bem formadas e focada na dignidade de cada ser humano, na busca do bem comum e na proteção dos fracos e vulneráveis. (…) Como cidadãos, deveríamos ser guiados mais pelas nossas convicções morais do que pelo nosso apego a um partido político ou grupo com interesses especiais. Quando necessário, nossa participação deveria ajudar a transformar o partido a que pertencemos. Não deveríamos deixar que o partido nos transforme de modo a ignorar ou rejeitar as verdades morais fundamentais ou a aprovar atos intrinsecamente maus.”

Como você alinharia essas palavras com a vergonhosa aquiescência de Arroyo às errôneas afirmações feitas pelo presidente?

É claro que muitos católicos estadunidenses, tanto à direita quanto à esquerda, colocam suas lealdades partidárias à frente do ensino moral e social católico quando vão à urna. Mas esses católicos estadunidenses não são âncoras de uma rede de televisão que afirma apresentar “notícias católicas confiáveis”. Aqui é onde os bispos não devem reconhecer em Arroyo um mero homem com uma consciência mal formada, mas sim uma ameaça direta à integridade dos ensinamentos da Igreja.

Uma coisa é aconselhar os católicos a votarem em um candidato, cujos pontos de vista podem conflitar com os da Igreja, embora outros não, distanciando-se dos pontos de divergência, mas defendendo que o seu candidato ainda merece o seu apoio. É isso que o documento “Cidadania fiel” aconselha, e é isso que a cidadania fiel, sem maiúsculas, implica.

Outra coisa é ver as pessoas, com o passar do tempo, começarem a dar desculpas pela divergência, insistindo que elas próprias ainda apoiam o ensino da Igreja, mas podem entender por que um candidato em particular não o apoia, e deturpando o significado ou introduzindo considerações estranhas, para minimizar a dissonância cognitiva. É triste ver isso, e isso ocorre tanto à esquerda quanto à direita.

Mas o complexo político-teológico da EWTN abraça e celebra os próprios pontos em que o presidente diverge dos ensinamentos da Igreja. Neste grande país livre que são os EUA, Raymond Arroyo e a EWTN têm todo o direito de fazer isso, mas sejamos claros: eles se tornaram mercenários políticos e abriram mão de qualquer reivindicação à ortodoxia católica.

Arroyo é o “Noivo da Banqueta” católico do seu monarca, e não mais um jornalista, apenas um bajulador e um líder de torcida. Isso é lamentável, sem dúvida, mas também é perigoso. Já passou da hora de os bispos enfrentarem o perigo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A bajulação das mídias católicas dos EUA a Trump - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV