Emergência Climática – Modelos climáticos mais recentes mostram secas mais intensas no futuro

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Nota de apoio e Solidariedade ao Papa Francisco e a Dom Orlando Brandes

    LER MAIS
  • Byung-Chul Han: smartphone e o “inferno dos iguais”

    LER MAIS
  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Junho 2020

Uma análise das novas projeções do modelo climático por pesquisadores australianos do Centro de Excelência em Extremos Climáticos da ARC mostra que o sudoeste da Austrália e partes do sul da Austrália verão secas mais longas e mais intensas devido à falta de chuva causada pelas mudanças climáticas.

A reportagem é de Alvin Stone, publicada por University of New South Wales e reproduzida por EcoDebate, 05-06-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Mas a Austrália não está sozinha. Em todo o mundo, várias regiões agrícolas e florestais importantes da Amazônia, Mediterrâneo e África meridional podem esperar secas mais freqüentes e intensas. Enquanto algumas regiões como a Europa Central e a zona da floresta boreal são projetadas para ficarem mais úmidas e sofrerem menos secas, essas secas são projetadas para serem mais intensas quando ocorrem.

A pesquisa publicada na Geophysical Research Letters examinou a seca baseada em chuvas usando a última geração de modelos climáticos (conhecidos como CMIP6), que informará o próximo relatório de avaliação do IPCC sobre mudanças climáticas.

“Descobrimos que os novos modelos produziram os resultados mais robustos para as secas futuras até o momento e que o grau do aumento na duração e intensidade da seca estava diretamente relacionado à quantidade de gases de efeito estufa emitida na atmosfera”, disse a autora principal Dra. Anna Ukkola.

“Houve apenas pequenas mudanças nas áreas de seca em um cenário de emissões intermediárias em comparação a um caminho de altas emissões. No entanto, a mudança na magnitude da seca com um cenário de emissões mais altas foi mais acentuada, nos dizendo que a mitigação precoce dos gases de efeito estufa é importante. ”

Grande parte das pesquisas anteriores sobre secas futuras considerou apenas mudanças na precipitação média como métrica para determinar como as secas se alterariam com o aquecimento global. Isso geralmente produzia uma imagem altamente incerta.

Mas também sabemos que, com as mudanças climáticas, é provável que a precipitação se torne cada vez mais variável. Combinando métricas de variabilidade e precipitação média, o estudo aumentou a clareza sobre como as secas mudariam para algumas regiões.

Os pesquisadores descobriram que a duração das secas estava muito alinhada com as mudanças na precipitação média, mas a intensidade das secas estava muito mais ligada à combinação de precipitação média e variabilidade. Prevê-se que regiões com chuvas médias em declínio como o Mediterrâneo, a América Central e a Amazônia experimentem secas mais longas e mais frequentes. Enquanto isso, outras regiões, como as florestas boreais, deverão sofrer secas mais curtas, de acordo com o aumento da precipitação média.

No entanto, a situação é diferente apenas para a intensidade da seca, com a maioria das regiões projetadas para experimentar secas mais intensas devido à crescente variabilidade das chuvas. É importante ressaltar que os pesquisadores não conseguiram localizar nenhuma região que mostrasse uma redução na intensidade futura da seca. Mesmo regiões com aumentos de longo prazo nas chuvas, como a Europa Central, podem esperar secas mais intensas à medida que as chuvas se tornam mais variáveis.

“Prever mudanças futuras na seca é um dos maiores desafios da ciência climática, mas com esta última geração de modelos e a oportunidade de combinar diferentes métricas de seca de uma maneira mais significativa, podemos obter uma visão mais clara dos impactos futuros das mudanças climáticas” disse o Dr. Ukkola.

“No entanto, embora essas ideias se tornem mais claras a cada avanço, a mensagem que elas entregam permanece a mesma – quanto mais cedo agirmos na redução de nossas emissões, menor será o sofrimento econômico e social que enfrentaremos no futuro”.

 

Referência:

Ukkola, A. M., De Kauwe, M. G., Roderick, M. L., Abramowitz, G., & Pitman, A. J.. ( 2020). Robust future changes in meteorological drought in CMIP6 projections despite uncertainty in precipitation. Geophysical Research Letters, 47, e2020GL087820.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Emergência Climática – Modelos climáticos mais recentes mostram secas mais intensas no futuro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV