Comunidades eclesiais realizam ações solidárias em tempos de coronavírus

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Juíza determina plano emergencial contra o desmatamento na Amazônia

    LER MAIS
  • Requiem para os estudantes. Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Uma “bispa católica” em Lyon: provocação ou profecia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Mai 2020

Aldeias indígenas Kaigang de Tabaí, Estrela e Lajeado, no Alto Taquari, receberam, na terça-feira 12, a doação de 1.160 quilos de alimentos – arroz, feijão, farinha de milho, leite, bolachas –, de produtos sanitários, máscaras e roupas, arrecadados pelos 50 grupos de mulheres vinculados à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) da região.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

Os caciques das aldeias agradeceram a doação, que chegou em boa hora, disseram, pois estão impossibilitados de vender artesanato em função das restrições associadas ao combate do covid-19.

Essa limitação também dificultou o trabalho dos 50 grupos da Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas (OASE) na angariação dos produtos. Acatando orientações das autoridades da saúde e da própria igreja, os grupos não estão se reunindo presencialmente nesses tempos de coronavírus. As mulheres mobilizaram-se via telefone e mensagens de whatsapp.

Motivadas pelas palavras do apóstolo Paulo – “não nos cansemos de fazer o bem”, em Gálatas 6,9 – os grupos de mulheres luteranas não se cansaram com a campanha, “mas nos animamos para as próximas que poderão vir. Esta é a vocação da OASE”, que presta serviços nas comunidades, de modo especial na área de visitação e eventos, declarou ao grupo de emissoras Independente a presidenta da Ordem do Vale do Taquari, Gladis Kettermann Dickel.

Em Manaus, a comunidade anglicana local, em parceria com a Associação de Mulheres Indígenas Artesãs do Alto Rio Negro, também distribuiu cestas básicas para mais de 70 famílias indígenas. Na capital paulista, o Exército da Salvação serve, diariamente, refeições e produtos de higiene – álcool em gel, escovas de dente, sabonetes – a moradores de rua, informa o portal do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic).

O mesmo acontece em Maceió, onde voluntári@s da Igreja Batista do Pinheiro, vinculada à Aliança de Batistas do Brasil, distribuem comida e materiais de higiene pessoal a famílias de bairros da periferia e moradores de rua que não conseguem vaga em abrigos. Desde 2017, um grupo de homens e mulheres desenvolve o projeto Banho Solidário, que oferece local apropriado para que pessoas em situação de rua possam se lavar.

A Arquidiocese de Curitiba lançou um serviço de escuta telefônica solidária, um ouvido aberto a pessoas que se sentem solitárias ou emocionalmente abaladas neste momento de isolamento social. Em forma de revezamento, 65 voluntári@s atendem o telefone (41) 3550-0003, que está disponível, diariamente, das 6h às 22h30.

A Paróquia Nossa Senhora do Rosário, de Teutônia (RS), está produzindo máscaras de proteção, que são vendidas a 2 reais cada, dinheiro que cai num fundo para aquisição de roupas e cestas básicas que são distribuídas a famílias necessitadas. A campanha é tradicional na paróquia, mas este ano ganhou um novo componente com a pandemia do covid-19, explicou o padre Eduardo Schuster à Folha Popular. Quem não têm condições de adquiri-las recebe as máscaras gratuitamente.

Anglican@s distribuíram 450 máscaras de proteção ao coronavírus no maior bairro indígena da capital amazonense, o Parque das Tribos. Mulheres da Congregação Evangélica Luterana Castelo Forte, de Canoas (RS), produziram máscaras e aventais para uso das equipe de atendimento básico de hospitais e clínicas de atendimento a idos@s do município.

O projeto Máscara com Amor, da Comunidade Evangélica da IECLB em Lajeado (RS), já distribuiu mais de 2 mil dessas confecções à população. As máscaras são embaladas em sacos plásticos, que são pendurados na cerca do templo, localizado na rua principal da cidade, e ficam disponíveis às pessoas, que ainda recebem a seguinte mensagem:

A fé não descansa nem tira férias. Ao testemunhar o amor de Deus através do gesto de confeccionar máscaras, sabemos que a igreja tem um chamado para a transformação social. Mais de 40 voluntárias participam deste projeto. Leve uma máscara para você e ore pelas pessoas, comprometa-se com um mundo melhor e saiba que você não está sozinho. Com carinho, Equipe Máscaras com Amor.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comunidades eclesiais realizam ações solidárias em tempos de coronavírus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV