Covid-19 exacerba os impactos socioeconômicos das mudanças climáticas, que se aceleraram nos últimos 5 anos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Abril 2020

Nos 50 anos desde a primeira celebração do Dia da Terra, os sinais físicos de mudanças climáticas e impactos em nosso planeta ganharam ritmo, atingindo um crescimento nos últimos cinco anos, que foram os mais quentes já registrados. Espera-se que essa tendência continue, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

A reportagem é publicada por World Meteorological Organization (WMO), 24-04-2020.

Os níveis de dióxido de carbono em uma importante estação global de observação são 26% mais altos do que em 1970, enquanto a temperatura média global aumentou 0,86°C desde então e está 1,1°C mais quente que a era pré-industrial.

Temperatura média global. (Fonte: OMM)

É provável que um novo registro global de temperatura média ocorra no próximo período de cinco anos (2020-2024), de acordo com previsões climáticas de vários modelos de temperatura da superfície próxima a partir de dados coletados pelo Centro Principal da OMM para Previsão Anual a Decadal de Clima, operado pela o Met Office Hadley Center.

As previsões mostram que são prováveis ​​aumentos adicionais da temperatura global, especialmente em altas latitudes e regiões terrestres, com um aquecimento mais lento do oceano, principalmente no Atlântico Norte e no sul do oceano.

A temperatura é apenas um indicador climático. Outros incluem dióxido de carbono atmosférico (CO2), calor e acidificação do oceano, nível do mar, balanço de massa de geleiras e gelo marinho do Ártico e Antártico. Todos os indicadores mostraram uma aceleração da mudança climática nos últimos cinco anos, de acordo com o relatório final do Global Climate 2015-2019, lançado para marcar o 50º aniversário do Dia da Terra.

O COVID-19 pode resultar em uma redução temporária nas emissões de gases de efeito estufa, mas não substitui a ação climática sustentada. E tornará mais difícil enfrentar os riscos climáticos, climáticos e relacionados à água, que estão se tornando mais agudos devido às mudanças climáticas.

“Embora o COVID-19 tenha causado uma grave crise econômica e de saúde internacional, o fracasso em enfrentar as mudanças climáticas pode ameaçar o bem-estar humano, ecossistemas e economias há séculos”, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, em entrevista coletiva virtual. “Precisamos aplainar as curvas da pandemia e da mudança climática”, disse ele.

“Precisamos mostrar a mesma determinação e unidade contra a mudança climática e contra o COVID-19. Precisamos agir em conjunto no interesse da saúde e do bem-estar da humanidade, não apenas nas próximas semanas e meses, mas por muitas gerações à frente", disse Taalas.

Sistemas de alerta precoce

“O clima extremo aumentou e não desapareceu por causa do coronavírus. Pelo contrário, a pandemia exacerba o desafio de evacuar as pessoas e mantê-las protegidas dos ciclones tropicais, como vimos com Harold, categoria 5, no Pacífico Sul. E existe o risco de os sistemas de saúde sobrecarregados não conseguirem lidar com uma carga adicional de pacientes devido, por exemplo, a ondas de calor”, afirmou.

Populações vulneráveis ​​em países com sistemas de preparação para desastres mais fracos enfrentam os maiores riscos. Os governos precisam fazer mais para fortalecer os sistemas de alerta para lidar com vários perigos”, disse Taalas. “A OMM apoiará esses esforços.”

Apesar das restrições do COVID-19, os Serviços Meteorológicos e Hidrológicos Nacionais continuam seus serviços essenciais de previsão e alerta 24/7.

As estações de monitoramento global da atmosfera também continuam suas atividades de monitoramento e, portanto, desempenharam um papel fundamental no registro de uma redução nos principais poluentes e na melhoria da qualidade do ar como resultado da crise industrial. No entanto, as concentrações de dióxido de carbono (CO2) nas principais estações de relatório permanecem em níveis recordes.

Portanto, é importante que os pacotes de estímulo pós COVID-19 ajudem a economia a crescer mais verde. Crises econômicas anteriores muitas vezes foram seguidas de “recuperação” associada a um crescimento de emissões muito maior do que antes da crise.

Tendência de temperatura aumentou substancialmente em todas as regiões. (Fonte: OMM)

O Dia da Terra destaca grandes questões de preocupação planetária. Já em 1970, começaram a aumentar as preocupações científicas, reforçadas pelas crescentes concentrações de dióxido de carbono evidenciadas pelas primeiras observações em Mauna Loa, de que as atividades humanas já podiam, de fato, começar a impactar o clima da Terra em escala global.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Covid-19 exacerba os impactos socioeconômicos das mudanças climáticas, que se aceleraram nos últimos 5 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV