O soberano e a barca. Um comentário à intervenção de Giorgio Agamben

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Abril 2020

Após a publicação do artigo de Agamben, ouvimos alguns amigos. Pessoas que olham com sábia inteligência para a vida do país e das comunidades cristãs.

A nota é publicada por Settimana News, 18-04-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

As opiniões vão do pleno consenso com as palavras de Agamben (visto como a única voz na Itália que ainda usa a razão), passando por uma apreciação por algumas passagens (em particular aquela sobre o morrer e sobre os mortos), até uma sensação de extrema distância.

No que diz respeito a nós, desejamos fazer apenas alguns breves esclarecimentos, sem entrar no mérito do debate que foi aberto. Por isso, estamos felizes em hospedar um debate o mais amplo possível em nosso sítio.

Em sua dureza, o breve texto de Agamben tem fascínio, mas também tem as suas afasias:

- a soberania já saiu do modelo construído pela modernidade, aninhando-se nas malhas impenetráveis de uma oligarquia feita de interesses econômicos privados e vontade de controle estatal – com o pleno consentimento dos cidadãos;

- o “direito está se suicidando” (J. Ellul) há muito tempo, tomando o lugar da consciência do cidadão individual sobre questões de ordem moral e de comportamentos pessoais – contribuíram para isso tanto a vanguarda da emancipação pelos novos direitos individuais quanto o neoliberalismo tecnofinanceiro, aqui também não sem o nosso consentimento pelo menos tácito a essa desnaturalização;

- uma hipótese fortemente anti-institucional como a de Agamben deveria ser mais prudente em não esgotar a fé cristã na Igreja como pura instituição – a abstração assim produzida é totalmente especular àquela que imagina a comunidade sem instituições, com a única diferença de que a tensão entre a prática diária da fé pelas comunidades cristãs e a sua representação institucional é real (ela existe realmente já agora).

A história, mesmo a da Igreja, não deve ser usada, mas compreendida. Para o cristianismo, um martírio sem fé é, no melhor dos casos, suicídio e, no pior, mero terrorismo. Pela fé, os mártires certamente se dispuseram a sacrificar a si mesmos, se não houvesse outra maneira de praticar a devida correspondência com o Evangelho, mas certamente não estavam dispostos a condenar à morte os seus próprios irmãos e irmãs em humanidade – arriscar a vida do outro em nome da própria fé é simplesmente contraditório com o gesto de Jesus.

Se olharmos para o cristianismo real e praticado, e não para uma imagem distorcida da sua total identificação com a instituição, a fé absolutamente não abdicou do cuidado do próximo. Basta pensar no número de sacerdotes que morreram nesses meses, precisamente para ficarem em contato com o seu povo; nas práticas de caridade que as comunidades cristãs souberam repensar às pressas; e também nas formas que elas inventaram para acompanhar dignamente a morte e os mortos, tendo que pagar o preço de uma distância física deles e dos seus entes queridos.

Uma vassalagem incondicional da fé cristã em relação à ciência é igualmente improvável (“torna-se a verdadeira religião do nosso tempo”, segundo Agamben): a instituição teológica, em nome daquela fé, está comprometida há muito tempo com um debate nem servil nem despótico com o saber científico.

Por outro lado, era Richard Feynman quem distinguia entre ciência, como paixão pela descoberta que sempre pressupõe um permanente não saber (e, portanto, a impossibilidade de uma palavra científica com pretensão normativa), e a técnica como uso e aplicação dos conhecimentos alcançados.

Como consciência do não saber e paixão pela descoberta, a ciência tem na sua práxis os anticorpos que impedem a sua transformação em religião. Se algo assim ocorreu, isso não diz respeito à ciência e não foi feito em seu nome.

Nunca, como nesses meses, revelou-se tanto a natureza provisória do saber científico com as contradições que nele circulam, quanto uma genuína paixão da comunidade científica em favor do humano – da equipe hospitalar aos pesquisadores que põem na rede conhecimentos e procedimentos para descobrir como enfrentar uma nova ameaça para a humanidade.

Esperamos que o debate aberto pela intervenção de Agamben possa continuar, reunindo competências e perspectivas diversas. É algo que acolhemos de muito bom grado.

 

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O soberano e a barca. Um comentário à intervenção de Giorgio Agamben - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV