Enquanto as pessoas são obrigadas a ficar em casa, papa pede ajuda aos sem-teto

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Abril 2020

Enquanto os governos nacionais e locais têm emitido ordens para ficar em casa a fim de conter a propagação do coronavírus, o Papa Francisco pediu que as pessoas rezem e ajudem os desabrigados.

A reportagem é de Carol Glatz, publicada em Catholic News Service, 31-03-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Ele ofereceu sua missa da manhã do dia 31 de março pelos sem-teto “neste momento em que se pede que as pessoas fiquem dentro de casa”.

No início da missa transmitida ao vivo da capela da sua residência, o papa rezou para que as pessoas tomem consciência de todos aqueles que não têm abrigo e moradia, e os ajudem, e que a Igreja os “acolha”.

Em sua homilia, o papa refletiu sobre a primeira leitura e o Evangelho do dia, que, juntos, disse ele, são um convite para contemplar Jesus na cruz e compreender como ele se permitiu carregar o pecado de muitos e dar a sua vida pela salvação das pessoas.

A primeira leitura do Livro dos Números (21,4-9) lembrava que o povo de Deus, que fora tirado do Egito, ficou impaciente e enojado com sua difícil vida no deserto. Como punição, Deus enviou cobras venenosas que morderam e mataram muitos deles.

Então o povo reconheceu que havia pecado e implorou a Moisés que pedisse a Deus que mandasse embora as serpentes. Deus instruiu Moisés a criar uma serpente de bronze e a colocá-la em um poste, para que aqueles que haviam sido mordidos pudessem olhar para ela e viver.

O relato é uma profecia, disse o Papa Francisco, porque prediz a vinda do Filho de Deus, feito pecado – que muitas vezes é representado como uma serpente – e pregado em uma cruz para que a humanidade possa ser salva.

Moisés faz uma serpente e a eleva. Jesus será elevado, como a serpente, para dar a salvação”, disse. O fundamental, afirmou, é ver que Jesus não conhecia o pecado, mas foi feito pecado, para que as pessoas pudessem se reconciliar com Deus.

“A verdade que vem de Deus é que ele veio ao mundo para assumir os nossos pecados sobre si a ponto de se fazer pecado. Todo pecado. Os nossos pecados estão ali”, disse o papa.

“Devemos nos acostumar a olhar para o crucificado sob essa luz, que é a mais verdadeira – é a luz da redenção”, disse.

Olhando para o crucifixo, as pessoas podem ver “a derrota total de Cristo. Ele não finge que morre, ele não finge que não sofre, sozinho, abandonado”, disse.

Embora as leituras sejam difíceis de compreender, o papa pediu que as pessoas tentassem “contemplar, rezar e agradecer”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Enquanto as pessoas são obrigadas a ficar em casa, papa pede ajuda aos sem-teto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV