MPF pede direito de resposta de indígenas em live de Bolsonaro

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Março 2020

Ação critica declarações do presidente que discriminam indígenas e pede publicação de carta do povo Waimiri-Atroari.

A reportagem é de Victor Ohana, publicada por CartaCapital, 11-03-2020.

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou uma ação civil pública em que pede direito de resposta do povo indígena Waimiri-Atroari no site da presidência da República e nas redes sociais do presidente Jair Bolsonaro, como na tradicional transmissão ao vivo no Facebook.

A representação tramita na 3ª Vara Federal do Amazonas e foi apresentada contra a União e a Fundação Nacional do Índio (Funai). O texto cita “constantes discursos desumanizantes e discriminatórios proferidos por autoridades do atual governo federal contra os modos de vida indígenas”.

O documento elenca as declarações em que Bolsonaro chamou indígenas de “pré-históricos”, disse que vivem em “zoológicos” e que são manipulados por organizações não-governamentais (ONGs) estrangeiras.

Outros discursos mencionados são atribuídos ao ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e à presidência da Funai.

O MPF diz que declarações como essas provocam danos concretos a essa população e lembra do episódio em que o deputado estadual Jeferson Alves (PTB-RR) usou uma motosserra para derrubar o bloqueio de controle do acesso à estrada que corta a Terra Indígena Waimiri Atroari, no fim de fevereiro.

“O episódio mostra como o discurso parcial e contrário aos povos indígenas, associados a políticas enviesadas e à falta de preocupação com os ritos e procedimentos legais, favorecem um discurso de ódio e práticas violentas contra os grupos étnicos ou contra os seus territórios”, diz o MPF.

A ação argumenta que o discurso é violento porque, ao associar indígenas que têm outros modos de vida à pré-história e à manipulação por estrangeiros, tenta impor uma única visão sobre os modos de vida dos povos indígenas, ao sentenciar que “eles querem ser como nós” e que precisam adquirir um modo específico de vida.

O MPF pede que o direito de resposta dos indígenas deve se dar por meio de uma sequência de tuítes em que conste a íntegra da carta feita por membros da comunidade, que deve ficar fixada no topo do perfil durante o prazo de um ano.

Já o direito de resposta na “livedo Facebook deve ocorrer com a participação dos Waimiri-Atroari em três transmissões consecutivas do presidente da República, ocupando, pelo menos, um quarto do tempo total de cada transmissão.

O texto pede também que a presidência da República e os ministérios publiquem uma carta em que orientem que nenhuma autoridade incite ou encoraje a discriminação racial.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

MPF pede direito de resposta de indígenas em live de Bolsonaro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV