Rondônia. A escola como espaço de liberdade, de criatividade e de sonhos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. O MAS e o triunfo avassalador

    LER MAIS
  • "Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas". Entrevista com Carlos Frederico Marés de Souza Filho

    LER MAIS
  • O PT e o voto evangélico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Março 2020

"Acreditamos na educação que desperta sonhos, na contramão da ordem imposta que intimida, diminui, quando não aniquila as pessoas. Faz-se necessário investir nas escolas, melhorando as estruturas, e na educação, capacitando e remunerando dignamente os professores. Tanto as escolas como o processo educativo não podem e nem devem estar nas mãos de pessoas armadas", escreve Dário Bossi, padre comboniano, membro da rede Justiça nos Trilhos e da Rede Brasileira de Justiça Ambiental, em carta aberta contra a militarização de escolas públicas, em Rondônia, entre elas a instituição de ensino Padre Ezequiel Ramin.

Eis a carta.

Às comunidades cristãs, aos movimentos e organizações sociais, às autoridades políticas, militares e religiosas e a todas as pessoas de boa vontade.

Nós, Missionários Combonianos atuantes no Brasil, vimos a público manifestar nosso posicionamento no que se refere a alguns fatos e questões que, direta e indiretamente, nos envolvem. A saber:

No último dia 17 de fevereiro, o governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha, assinou um decreto que dava início à militarização de mais cinco escolas públicas do Estado. Entre elas estava a instituição de ensino Padre Ezequiel Ramin, em Alta Floresta do Oeste.

Cabe ressaltar que a militarização de escolas já estava em curso, e, com a implementação dessa política em nível nacional, o processo ganhou novo e acelerado impulso.

Nosso propósito não é aqui entrar no mérito da questão que está sendo amplamente discutida e debatida nos ambientes apropriados.

O que deveras nos preocupa é a associação e o envolvimento direto do nome do Padre Ezequiel ao processo de militarização em curso. Nada a ver uma coisa com a outra. Configura-se como uma verdadeira afronta, uma falta de respeito sem tamanho, uma descaracterização da trajetória de vida do padre.

O Padre Ezequiel Ramin, missionário comboniano, atuou em Cacoal (RO), Diocese de Ji Paraná, e foi morto a tiros em Rondolândia (MT) no mês de julho do ano de 1985. Em missão de paz, entregou sua vida para que os últimos, camponeses sem terra e povos indígenas, tivessem vida e dignidade.

Desde a infância, Ezequiel gestava e cultivava espaços de não violência. Sonhava com uma sociedade humana regulada pela solidariedade, justiça e igualdade. Recusava toda forma de autoritarismo e de imposição, uma vez que estas eram filhas da “violência”. Acreditava no diálogo como instrumento de humanização social e nos livros como fonte de sabedoria acumulada. Aos jovens ele dizia: “Tenham um sonho. A vida que segue um sonho é uma vida que se renova a cada dia”.

Acreditamos na educação que desperta sonhos, na contramão da ordem imposta que intimida, diminui, quando não aniquila as pessoas. Faz-se necessário investir nas escolas, melhorando as estruturas, e na educação, capacitando e remunerando dignamente os professores. Tanto as escolas como o processo educativo não podem e nem devem estar nas mãos de pessoas armadas. Precisamos sonhar com cidadãos e não com soldados que vêem no “outro”, no “diferente” um inimigo a ser aniquilado. Com profunda tristeza tomamos ciência dessa depuração. Com efeito, como noticiado, dez professores foram afastados de suas funções no colégio Tiradentes em Porto Velho - RO. A alegação é a de que não teriam o perfil condizente com a lógica da militarização. (Carta Capital, 22 de fev. de 2020).

Fazemos nossas as palavras de Catarina de Almeida Santos, especialista em educação, quando afirma: “A militarização da escola é o ato último e mais efetivo de apagamento da escola, de imposição do processo do patriarcado, do machismo, da naturalização do racismo. É a exacerbação do ‘escola sem partido’, que é a negação da escola, que, por definição, deveria ser um espaço de diálogo”. (Publicado no Diário do Centro do Mundo, 21 fev. 2020).

Consideramos os livros nossas “armas”, a paixão de professores qualificados e respeitados a nossa “força”, e a arte, a cultura, a espiritualidade, o diálogo, a participação comunitária e democrática, os alicerces de uma nova sociabilidade.

Pedimos encarecidamente, mas com toda a autoridade que nos é conferida, enquanto cidadãos e cristãos, além de irmãos, que o nome de padre Ezequiel Ramin seja retirado de uma escola que veio a ser militarizada.

Exortamos diretores-as, professores-as, alunos-as, as comunidades cristãs e a sociedade toda a, juntos, buscarmos soluções que, nas escolas, fecundem e gestem harmonia, solidariedade, dignidade, igualdade, respeito e paz. Se for esse o propósito, o Pe. Ezequiel Ramin intercederá por nós e será nosso protetor. Caso contrário, ele pede licença para se retirar!

Porto Velho, 27 de fevereiro de 2020

Pe. Dário Bossi

Superior Provincial dos Missionários Combonianos do Brasil

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rondônia. A escola como espaço de liberdade, de criatividade e de sonhos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV