O desastre global chamado Bayer-Monsanto

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Fevereiro 2020

"O sucesso da Monsanto e de empresas como a Bayer não reside na qualidade de seus produtos ou nos benefícios de seu uso, mas na captura de entidades reguladoras estatais e no discurso público, para o qual utiliza meios de comunicação corporativos, acostumados a se venderem pelo maior lance", escreve Daniel Espinosa, em artigo publicado por Hildebrandt en sus trece, 21-02-2020.

Eis o artigo.

Um agricultor americano recebeu uma compensação de 265 milhões de dólares na última sexta-feira, 14 de fevereiro, depois que um tribunal determinou que sua plantação de pêssegos havia sido destruída pelo herbicida “Dicamba”, de propriedade da alemã Bayer. O composto representa apenas um entre dezenas de venenos colocados na marcação pela empresa que em 2018 comprou a Monsanto, uma das multinacionais mais difamadas da história (com total justiça).

Com a aquisição de agroquímicos de origem norte-americana, a Bayer herdou a má imagem da Monsanto e suas dezenas de milhares de ações judiciais por danos. Mas se a Bayer desfrutou de uma boa imagem antes, isso se deve ao seu poderoso departamento de relações públicas e não ao respeito pelo consumidor, pelo ecossistema ou por qualquer outra coisa que não seja o bolso de seus acionistas. Como veremos, desde a sua criação, a Monsanto e a Bayer mantiveram um relacionamento bastante próximo.

Nas ações judiciais devido ao efeito cancerígeno dos produtos anteriormente da Monsanto – como o famoso Roundup –, somam-se os causados pela destruição mencionada das culturas: seus herbicidas e pesticidas tendem a volatilizar e contaminar as terras vizinhas para aquelas onde estão aplicado, destruindo toda a vida que não foi geneticamente modificada para resistir aos potentes venenos que já estão espalhados por todo o ecossistema e em milhões de seres humanos. Segundo o agricultor americano beneficiado com a decisão judicial, essa seria uma estratégia para levar as pessoas afetadas a aderir ao monopólio agroindustrial da empresa. Além disso, prejudicou as boas relações entre os agricultores vizinhos, que em alguns casos se acusam de reutilizar sementes que são propriedade intelectual da indústria agroquímica.

Mas, para entender a natureza das operações de multinacionais como Monsanto ou Bayer, é melhor olhar para a periferia. É em países precários e corruptos do terceiro mundo que essas multinacionais europeias e norte-americanas geralmente praticam crimes lucrativos que suas sociedades, melhor preparadas culturalmente para o ataque neoliberal, nunca tolerariam. Entre a anomia, a ignorância selvagem e a precariedade, seus executivos compram políticos para dezenas e juntos abusam de cidadãos distraídos, enganados por uma fachada democrática que os convida a confiar no que seu sistema político faz, principalmente quando se trata de importar o suposto "progresso tecnológico" do primeiro mundo.

No caso paraguaio, os cultivos transgênicos chegaram “com o vento”, sem qualquer autorização legal, da Argentina e do Brasil. Como no caso do pesticida volátil que destruiu o sustento do agricultor americano, citado acima, mas em uma escala muito maior, as culturas geneticamente modificadas também viajam com o vento – ou são introduzidas ilegalmente –, expandindo muito além do que é legalmente aceito. No México, onde a diversidade do milho era protegida pela proibição do cultivo de transgênicos, há muitos anos, descobriu-se que seu produto antigo estava contaminado por genes artificiais. O motivo: embora não seja cultivado no México, o milho modificado para consumo humano vem dos EUA subsidiado, destruindo a sustentabilidade da agricultura mexicana e contaminando as variedades locais devido à proximidade com as culturas locais.

O suicídio de milhares de agricultores indianos

Um estudo do professor Srijit Mishra, do Instituto Indira Gandhi, descobriu que metade dos suicídios de agricultores na Índia foram cometidos por aqueles que possuíam menos de 5 acres de terra. Por sua vez, 86,5% tinham dívidas – uma média de 835 dólares – e 40% sofreram sérias perdas na colheita (The New York Times, 19/09/06).

Embora a grave situação do agricultor indiano anteceda a incorporação do algodão geneticamente modificado “BT” – da Monsanto-Bayer –, a literatura a esse respeito concorda que a entrada da safra transgênica, a liberalização do mercado de sementes e pesticidas, em conjunto com a retirada do apoio estatal ao setor na forma de empréstimos acessíveis – outro requisito neoliberal fundamental para o terceiro mundo – levaram a população rural mais vulnerável a níveis intoleráveis de endividamento e falência, resultando em milhares de suicídios (Mukherjee, 2009 )

Como aponta o artigo do The New York Times, além da Monsanto, o grande negócio foi realizado pelos usurários e credores informais, cobrando interesses astronômicos ou recorrendo à figura de tomar como pagamento as colheitas de seus devedores, substancialmente subvalorizadas.

As políticas promovidas pelo cartel de herbicidas e sementes geneticamente modificadas, na Índia e no resto do mundo – sempre com a colaboração de governos “permeáveis” – parecem ter beneficiado interesses agroindustriais de um certo tamanho, que poderiam pagar aumentos nos preços das sementes, pesticidas, herbicidas e, sobretudo, a eventual perde de alguma colheita devido ao clima ou outros fatores. A nova figura imposta pela Monsanto e o neoliberalismo rampante, sobre a Índia, obrigou os campesinos de escassos recursos a assumirem dívidas impagáveis para poder competir, comprando as caras sementes transgênicas e os aditivos especiais que os produtores dessas sementes obrigam os usuários a adquirir.

Outro importante estudo a respeito encontrou que “a frequência de suicídios de camponeses (nas zonas agrícolas dependentes da chuva) é inversamente proporcional ao tamanho de suas terras e colheitas, e está diretamente relacionada à adoção de algodão-Bt” (Gutiérrez et al, 2015).

As promessas do transgênico, ademais, tornaram-se infundadas: posteriores estudos demonstraram que não existem evidências reais sobre a superioridade do cultivo transgênico, cujas supostas características – como sua alegada inocuidade ou sua “equivalência substancial” ao produto natural – se baseiam em estudos pseudocientíficos realizados por especialistas motivados por lucrativos conflitos de interesse. Como aponta Aruna Rodríguez, ativista indiana, nenhum desses estudos negativos conseguiu mudar da política oficial indiana, que segue empenhada em promover o “êxito” dos transgênicos no país.

O poder da Bayer-Monsanto está no lobby multimilionário, na compra de políticos, mídia e “cientistas”. Como explica, em detalhes, o documentário “O mundo segundo a Monsanto”, a decisão de permitir os primeiros usos de transgênicos nos EUA dos anos 90, era puramente político, não econômico ou técnico. Foi também o que descobriu o advogado americano Steven Druker, que obteve por ordem judicial documentos secretos da FDA detalhando o favorecimento sistemático de estudos ad-hoc conduzidos pelo mesmo setor, enquanto os de seus detratores eram ignorados, mesmo aqueles realizados nas mesmas entidades governamentais. Além disso, ele denunciou a já tradicional porta giratória entre a indústria agroquímica, a Food and Drug Administration (FDA) e outras entidades reguladoras estatais.

Em 1992, a FDA, que garante a segurança alimentar nos EUA, revisou seus próprios regulamentos para “promover a biotecnologia”, então um importante objetivo político da Casa Branca na gestão George Bush “Pai”, embarcou em uma “cruzada anti-regulatória” em favor da referida indústria. As grandes empresas americanas tradicionais sempre tiveram um papel geopolítico muito importante na política externa desse país. Nesse caso, o governo dos EUA disseminou globalmente as culturas geneticamente modificadas por meio de acordos de livre comércio, sempre com o aval de ter sido aprovado pelo governo mais poderoso do mundo.

O sucesso da Monsanto e de empresas como a Bayer não reside na qualidade de seus produtos ou nos benefícios de seu uso, mas na captura de entidades reguladoras estatais e no discurso público, para o qual utiliza meios de comunicação corporativos, acostumados a se venderem pelo maior lance.

Cúmplices com história

Assim como as empresas americanas de tabaco fizeram por décadas, a empresa dedicada a modificar e patentear genes por dinheiro criou sua própria ciência para ocultar críticas e avançar seus negócios, com esse desrespeito absoluto pelas “externalidades” às quais o neoliberalismo já nos acostumou. Mas Monsanto e Bayer têm uma história comum longa e íntima. Uma história de guerra, como explica a ativista e física indiano Vandana Shiva, ambas as empresas “fabricaram explosivos e gases letais usando tecnologia compartilhada e venderam seus produtos para ambos os lados, nas duas guerras mundiais”.

A Bayer, juntamente com a BASF e AGFA alemã, formaram um dos primeiros cartéis químicos. Durante a Primeira Guerra Mundial, o referido cartel foi integrado ao conglomerado I.G. Farben, que forneceu aos nazistas o veneno chamado Zyclon B, utilizado para assassinar humanos em campos de concentração. A Farben também se beneficiou do trabalho escravo dos perseguidos pelo nazismo.

Bayer e Monsanto associaram oficialmente, incluindo a formação de “Mobay”, que durante a Guerra do Vietnã produziu o “Agente Laranja”, usado para desfolhar as selvas onde os vietnamitas estavam escondidos, matando centenas de milhares. Hoje, o veneno continua causando terríveis deformações congênitas e diferentes tipos de câncer. Por causa da exposição ao “Agente Laranja”, milhares de veteranos do Exército dos EUA receberam compensações em 1984 que somam 180 milhões dólares. A concentração de riqueza de nosso sistema político-econômico permite a esses monstros sobreviver a seus crimes pagando bilhões de dólares em compensação e cooptando governos.

O grande negócio da Monsanto era se vender ao mundo como “progresso tecnológico”, como o futuro desejável e lógico da alimentação humana, uma solução para a fome. Assim, eles aproveitaram a clara tendência de muitos seres humanos de confundir ciência com uma nova religião e um novo dogma.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O desastre global chamado Bayer-Monsanto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV