É certo que o Papa abrirá a possibilidade de “ordenar sacerdotes homens idôneos e reconhecidos pela comunidade” nas dioceses da Amazônia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Gracias: a Igreja deve abandonar o “preconceito” contra a liderança feminina

    LER MAIS
  • O encontro histórico entre Greta Thunberg e Malala Yousafzai

    LER MAIS
  • Impeachment de Dilma abriu a ‘caixa de Pandora’ que hoje legitima o machismo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Janeiro 2020

Sabe-se que o Santo Padre prepara há várias semanas o texto, muito avançado em sua redação definitiva, da Exortação Apostólica pós-sinodal anunciada no final do recente Sínodo dos Bispos dedicado à Amazônia e que provavelmente será publicada no início de fevereiro. Também se sabe que uma parte substancial da assembleia sinodal se concentrou na proposta de compensar a falta de sacerdotes nas dioceses dos 9 países sul-americanos da Amazônia, autorizando, com regulamentação processual precisa, a ordenação de diáconos casados. A proposta em questão, a nº 111 do documento final, foi aprovada com 128 votos a favor e 41 contra. Deve-se lembrar que a maioria qualificada de dois terços era de 123 votos do total de participantes com direito a voto (184).

A reportagem é publicada por Il Sismografo, 16-01-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Segue aqui o parágrafo citado (dividido por nós com subtítulos que não existem no original):

Dificuldade de acesso à Eucaristia

"Muitas das comunidades eclesiais do território amazônico têm enormes dificuldades de acesso à Eucaristia. Às vezes, passam não apenas meses, mas vários anos para que um sacerdote possa regressar a uma comunidade para celebrar a Eucaristia, oferecer o sacramento da reconciliação ou ungir os doentes na comunidade".

O dom do celibato e as vocações

"Apreciamos o celibato como dom de Deus (Sacerdotalis Caelibatus, 1) na medida em que este dom permite ao discípulo missionário, ordenado ao presbiterato, dedicar-se plenamente ao serviço do Povo Santo de Deus. Estimula a caridade pastoral e rezamos para que haja muitas vocações que vivam o sacerdócio celibatário".

Ordem sacerdotal e disciplina do celibato

"Sabemos que essa disciplina “não é exigida pela própria natureza do sacerdócio” (PO 16), embora tenha muitas razões de conveniência. Na sua encíclica sobre o celibato sacerdotal, São Paulo VI manteve esta lei e expôs as motivações teológicas, espirituais e pastorais que a sustentam. Em 1992, a exortação pós-sinodal de São João Paulo II sobre a formação sacerdotal confirmou esta tradição na Igreja latina (PDV 29)".

Ordenar sacerdotes homens idôneos e reconhecidos pela comunidade

"Considerando que a legítima diversidade não prejudica a comunhão e a unidade da Igreja, mas a manifesta e serve (LG 13; OE 6) o que atesta a pluralidade dos ritos e disciplinas existentes, propomos estabelecer critérios e disposições por parte da autoridade competente, no âmbito da Lumen Gentium 26, para ordenar sacerdotes a homens idôneos e reconhecidos pela comunidade, que tenham um diaconato permanente fecundo e recebam uma formação adequada para o presbiterato, podendo ter uma família legitimamente constituída e estável, para sustentar a vida da comunidade cristã mediante a pregação da Palavra e a celebração dos Sacramentos nas áreas mais remotas da região amazônica. A este respeito, alguns manifestaram-se a favor de uma abordagem universal da questão".

As análises, considerações e conclusões da maioria dos padres sinodais são, portanto, transparentes e precisas, como foi ilustrado. Como poderia ignorar o Papa Francisco, que programou esse Sínodo justamente para ouvir a opinião dos padres sínodos, uma posição que contou com o apoio de uma maioria qualificada inclusive superior ao exigido pelo regulamento?

De numerosas fontes próximas ao dossiê, resulta que o Papa Francisco, em sua Exortação, autorizará essas ordenações, exatamente como se lê no parágrafo N ° 111, sabendo que há uma fatia da hierarquia e do Povo de Deus que se opõe e não compartilha da escolha. É uma minoria respeitável, mas ainda assim um setor minoritário da Igreja. Com brandura e simpatia, o próprio pontífice lembrou isso, de acordo com o que Eugenio Scalfari relatou hoje sem ser desmentido.

Francisco também está ciente de que o argumento é usado e será usado novamente para criar divisões e tensões dentro da Igreja, assim como foram usados outros temas. Essa já se tornou a estratégia dos múltiplos oponentes do pontificado, ou seja, uma miríade de pequenos grupos e formadores de opinião, divididos entre si, que utilizam a única arma de que podem dispor facilmente: as campanhas midiáticas, organizadas com a qualidade permitida pela generosa disponibilidade dos financiadores. O último exemplo é o famigerado livro do card. Robert Sarah, com a contribuição do bispo emérito de Roma, inflacionado na França com adicional habilidade editorial e jornalística.

Certamente, no entanto, não será todo esse periódico estardalhaço midiático a parar o Papa Francisco e a maioria do Povo de Deus que querem percorrer esse caminho sem se deixar intimidar, mesmo quando, como nos últimos dias, se quis - mentindo – fazer passar uma matéria disciplinar como um caso doutrinário.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

É certo que o Papa abrirá a possibilidade de “ordenar sacerdotes homens idôneos e reconhecidos pela comunidade” nas dioceses da Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV