Segundo domingo do Advento - Ano A - Festa da Imaculada Conceição - Subsídios exegéticos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Irã. A história política do país persa, xiita e anti-imperialista

    LER MAIS
  • Com acusação de ambientalistas que trabalham na proteção da Amazônia, "o medo está instalado", diz Libération

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Dezembro 2019

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana - ESTEF: Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló. Disponível em aqui.

Referências bíblicas
Evangelho: Lc 1,26-38
Primeira Leitura: Gn 3,9-15.20
Segunda Leitura: Ef 1,3-6.11-12
Salmo: 98,1.2-3a.3b-4 

Lc 1,26-38: Situando o texto

Mais do que uma crônica histórica, urge reler este texto como reflexão pós-pascal sobre a pessoa de Jesus Cristo. É cristologia e não história. Cabe a pergunta: pergunta, o que Lucas queria dizer aos seus fiéis. A presente perícope deve ser lida em relação com a perícope anterior: o nascimento do Batista (Lc 1,5-25): No sexto mês da gravidez de Isabel o anjo é enviado a Maria. O sexto mês, lembra o sexto dia da criação (Gn 1,26-27). Agora começa a formação do homem novo. Inicia-se uma contraposição entre o AT e o NT. Entre a Judeia e a Galileia, entre Zacarias/Isabel e Maria, entre João Batista e Jesus:

  • João é anunciado no templo, promessa de Israel; Jesus é anunciado em Nazaré, terra sem promessa do AT.
  • João é anunciado no templo; Jesus é anunciado para uma jovem da periferia, em terra pouco ortodoxa.
  • João é anunciado para um sacerdote; Jesus é anunciado para uma virgem.
  • João é descendente de Aarão: sacerdote; Jesus é descendente de Davi, mas indiretamente, uma vez que José não é pai biológico.
  • João é filho de mãe estéril e idosa; Jesus é filho de jovem virgem.
  • João vem de pai descrente; Jesus vem de mãe, fiel à Palavra de Deus: “faça-se em mim” (Lc 1,38).

Maria, a virgem fiel representa o contrário do povo infiel do AT, ilustrado como a prostituta (Os 2,4ss; Jr 3,6-13; Ez 16). Maria é a imagem do novo povo que se forma na fé e na fidelidade. Zacarias é representante da oficialidade judaica, sem fé, cuja esposa é estéril. Maria é a total novidade que vem da periferia, onde Deus realiza seu plano nas pessoas de fé. Há, portanto, em Maria, uma ruptura com o antigo Israel. Ela é virgem. Sem concurso de homem a descendência de Davi é interrompida.

João recebe o Espírito Santo no ventre da mãe. Jesus é concebido pelo Espírito Santo.

Lucas mostra a superioridade de Jesus sobre João, pois nos anos 80, alguns batistas pensavam que João seria o messias. À luz da páscoa, Lucas põe em Jesus os títulos da fé que a igreja nos anos 80 professava: “grande”, “filho do Altíssimo”, “rei para sempre”, “santo”, “Filho de Deus” (Lc 1,32ss). Com isto Lucas mostra que em Jesus se realiza a grande novidade. Os planos de Deus se realizam. O que aconteceu no AT foi preparação. Jesus é a revelação máxima de Deus. Logo, nos relatos da infância Lucas coloca o fim do AT e o início do NT.

A saudação do anjo é uma retomada da profecia: “Alegra-te, Maria, eleita...” lembra a filha de Sião, representante do povo de Deus (Sf 3,14-15; Zc 9,9; Jl 2,21). O anúncio se baseia em Is 7,14; 9,5-6; 2Sm 7,14.16). Nos vv.32-33 está subjacente a divindade de Jesus, pois o adjetivo “grande” na Bíblia só se refere a Deus. Jesus é concebido pelo Espírito e pela sombra de Deus (Lc 1,35 cf. Ex 40,34-35), portanto, ele é o filho de Deus. Nele Deus está presente.

Concluindo, pode-se afirmar, Jesus veio ao mundo não pelas leis humanas (linhagem paterna), mas pela fé e disponibilidade de Maria. O próprio Jesus afirmará, mais tarde: minha mãe, meus irmãos, minhas irmãs, são aqueles que ouvem as minhas palavras (Lc 9,19-21). Neste quesito, Maria é protótipo, mais do que ser mãe biológica, foi a que ouviu a palavra: “faça-se em mim...”.

Relacionando com Gn 3,9-15.20

Em Maria e em seu filho, encontra-se a superação do pecado que o homem e a mulher praticaram (Gn 3,9ss). A serpente, símbolo da autossuficiência, desviou o ser humano do projeto de Deus. Nesta situação Deus procurou o homem e a mulher por meio de seu Filho Jesus, pois Ele ama os seres humanos, mesmo quando estes pensam que podem se realizar longe Dele.

Em Maria, na porta do NT, ou ainda, como ela é entendida na comunidade lucana, dos anos 80, se cumprem todas as promessas de Deus para a humanidade, assim como ele o fez através de das Escrituras. Portanto, apesar do pecado, os seres humanos têm, agora a presença de Deus, todos os dias de sua vida.

(Este texto pode ser compartilhado e reproduzido com a devida indicação de seus autores.)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Segundo domingo do Advento - Ano A - Festa da Imaculada Conceição - Subsídios exegéticos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV