Debatam as ideias, diz papa aos teólogos, mas não confundam os fiéis

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro descansa onde ele sonhou, na beira do Araguaia, entre um peão e uma prostituta

    LER MAIS
  • Sobre a carta dos bispos. Profetismo incompreendido

    LER MAIS
  • Bolsonaro quer reduzir em R$ 35 bilhões o orçamento do SUS para 2021

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Dezembro 2019

Os teólogos devem explorar e debater questões controversas, às vezes até mesmo assumindo “riscos” com aquilo que propõem, mas essas discussões devem ocorrer dentro da academia, para não confundir os fiéis, disse o Papa Francisco.

A reportagem é de Cindy Wooden, publicada em Catholic News Service, 02-12-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“O teólogo deve seguir em frente”, disse o papa aos membros da Comissão Teológica Internacional. “Deve também enfrentar as coisas que não são claras e arriscar na discussão. Porém, isso entre os teólogos.”

“Mas é preciso dar o ‘alimento’ sólido da fé ao povo de Deus, não alimentar o povo de Deus com questões disputadas”, porque isso poderia confundi-los e fazê-los perder a fé, disse o papa ao grupo no dia 29 de novembro, durante um encontro em comemoração do 50º aniversário da comissão.

São Paulo VI estabeleceu a comissão para continuar a colaboração entre teólogos e a autoridade magisterial da Igreja experimentada no Concílio Vaticano II, disse o papa. E ele queria garantir que a congregação doutrinal se beneficiasse das contribuições dos teólogos refletindo sobre questões de fé em diferentes partes do mundo e em diferentes contextos culturais.

“De fato”, disse o papa, “vocês se põem à escuta daquilo que o Espírito diz hoje às Igrejas nas diferentes culturas para trazer à tona aspectos sempre novos do inesgotável mistério de Cristo.”

Ao “traduzir” a fé para pessoas de diferentes culturas, disse ele, os teólogos ajudam as pessoas a se sentirem “mais próximas e abraçadas pela Igreja, tomadas pela mão lá onde elas se encontram e acompanhadas para degustar a doçura dokerygma (o anúncio de Cristo) e a sua novidade atemporal”.

“A isto a teologia é chamada”, disse ele: “Não é uma indagação catedrática sobre a vida, mas sim encarnação da fé na vida”.

A “boa teologia” é uma busca que nasce da vida espiritual ativa do próprio teólogo, disse ele. “A teologia nasce e cresce de joelhos!”

E, acrescentou Francisco, a teologia se desenvolve no interior da vida da Igreja e contribui com ela. “Não se faz teologia como indivíduos, mas em comunidade, a serviço de todos, para difundir o gosto bom do Evangelho aos irmãos e às irmãs do próprio tempo, sempre com doçura e respeito.”

Francisco agradeceu aos membros da comissão especialmente pelo documento de 2018, intitulado “Sinodalidade na vida e na missão da Igreja”.

“Vocês mostraram como a prática da sinodalidade, tradicional, mas sempre necessitada de renovação, é a implementação, na história do povo de Deus a caminho, da Igreja como mistério de comunhão, à imagem da comunhão trinitária”, disse o papa.

“Como vocês sabem, esse tema está muito perto do meu coração”, disse ele aos teólogos.

“A sinodalidade é um estilo, é caminhar juntos e é aquilo que o Senhor espera da Igreja do terceiro milênio”, afirmou.

O documento da comissão teológica diz que a sinodalidade promove a dignidade e o chamado batismal de todos os católicos, valoriza a presença dos diversos dons dados pelo Espírito Santo e reconhece o ministério específico confiado aos pastores e bispos em comunhão com o papa para a preservação da fé e a renovação da Igreja.

“Agradeço-lhes pelo seu documento”, disse o papa aos membros, “porque hoje se pensa que fazer sinodalidade é se dar as mãos e andar no caminho, fazer festa com os jovens ou fazer uma pesquisa de opinião: ‘O que se pensa sobre o sacerdócio das mulheres?’.”

Na realidade, disse ele, é “um caminho eclesial que tem uma alma, que é o Espírito Santo. Sem o Espírito Santo, não há sinodalidade”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Debatam as ideias, diz papa aos teólogos, mas não confundam os fiéis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV