O que o Brasil pode aprender com as eleições na Argentina

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco nomeia novo secretário: um padre que trabalha com crianças de rua e viciados em drogas

    LER MAIS
  • Uma centena de bispos se reúnem em congresso ultraconservador “secreto” e “confidencial”

    LER MAIS
  • ‘A extrema-direita construiu as melhores máquinas de guerra digitais’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Outubro 2019

O campo popular da Argentina não voltou ao poder pela força de um único partido ou pelo carisma, imposição e projeto individual de uma liderança populista. A vitória no 1º turno de Alberto Fernandez e Cristina Kirchner só foi possível pela união entre vários setores da sociedade argentina que, em que pese as divergências políticas, definiram como consenso derrotar o neoliberalismo que sufoca atualmente 41 milhões de pobres, sendo 28% abaixo da linha da miséria na Argentina.

A reportagem é de Rafael Duarte, publicada por SaibaMais, 28-10-2019.

Unidade foi a chave da vitória da Frente de Todos, na Argentina. (Foto: Elineudo Meira/Chockito)

A frente ampla, cuja chapa presidencial foi batizada de Frente de Todos, não é ampla por acaso. Essa foi a maior aliança já formada numa eleição na Argentina, com mais de 20 entidades, entre partidos políticos e movimentos sindicais e sociais. Além do principal partido do país, o peronista Partido Justicialista, a coalização heterogênea reuniu setores peronistas e não-peronistas ligados à ex-presidenta Cristina Kirchner, a maioria dos governadores peronistas, a Frente e Renovação, liderada por Sérgio Massa, o movimento Evita, projeto Sul, movimentos radicais como o Movimento Nacional Alfoniscista, o Partido de Concertação, o Partido Socialista de Buenos Aires, o Partido da Solidariedade, além de entidades sindicais fortes no país, como a Confederação Geral do Trabalho. A Frente de Todos também unificou as Centrais de Trabalhadores da Argentina.

Cristina e Fernandez destacaram em seus discursos a unidade como fator fundamental da vitória. Sem ela, seria difícil derrotar a máquina estatal de Maurício Macri, que contava com o apoio da elite, do “mercado” e todos os meios tradicionais de comunicação do país. A imprensa, aliás, passou os últimos dias tentando desestabilizar os eleitores com matérias sobre os riscos para a economia de uma eventual vitória da chapa peronista.

Cristina Kirchner também deu uma aula de como se faz política na Argentina. Ante a rejeição ao chamado kirchnerismo (movimento semelhante ao petismo), abriu mão da cabeça da chapa, declarou apoio ao seu ex-chefe de gabinete Alberto Fernandez e foi a grande maestrina da coalizão. Foi dela, em Mar Del Plata, último ato público de campanha, a frase que ganhou força na reta final do pleito e deu à eleição ares de plebiscito contra o neoliberalismo. O discurso viralizou nas redes e ganhou destaque em jornais de vários países: “Hoje em Mar del Plata não estamos encerrando uma campanha eleitoral. Estamos encerrando um ciclo histórico: nunca mais a pátria deve voltar a cair nas mãos do neoliberalismo. Nunca mais estas políticas”, disse a ex-presidenta.

Mas não é apenas com os políticos argentinos que o Brasil tem a aprender nesta eleição. No bunker da Frente de Todos, onde uma multidão acompanhou com ansiedade os números da votação e explodiu após o anúncio oficial da eleição, a esquerda argentina colocou para fora todo o amor pelo país e seus símbolos.

As bandeiras argentinas e a camisa da Seleção do país não pertencem à elite nem foram sequestradas por grupos de direita ou extrema-direita, como acontece hoje no Brasil. O recado nessa junção de sentimentos e amor pela pátria é de que a Argentina é do povo e dos trabalhadores. Uma relação de afeto diretamente ligada ao valor que os argentinos e argentinas têm pela democracia. A ditadura militar deixou marcas no país e qualquer resquício daquele período de exceção tem a repulsa do povo. Não à toa, quando recebeu em Buenos Aires o presidente do Brasil Jair Bolsonaro, Maurício Macri caiu nas pesquisas.

A punição aos militares argentinos responsáveis pela morte e desaparecimento de mais de 30 mil pessoas, segundo estimativa de movimentos sociais, foi uma fase importante consolidada no país e que faz da democracia argentina um regime ainda mais forte. No Brasil, ao contrário, os mesmos militares que estão no governo fizeram parte do golpe, história que os vencedores das últimas eleições tentam reescrever.

Outra característica que chama a atenção é a percepção de que a Argentina não é uma ilha isolada, mas membro de uma pátria grande chamada América Latina. Brasileiros, chilenos e mexicanos, além de cidadãos de outras nacionalidades, acompanharam juntos a apuração.

Nas ruas e a plenos pulmões, o povo argentino celebrou o passado em cânticos de exaltação ao líder Perón, em homenagem às vítimas da ditadura e comemoraram o presente. Diante de uma recessão devastadora e da consciência de que será preciso contar os cacos do país após um governo fracassado baseado em marketing e propaganda, o sol que brilha na bandeira argentina amanheceu nesta segunda-feira mais reluzente.

Há lições a serem tomadas pela esquerda brasileira. O Brasil tem muito a aprender com os argentinos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que o Brasil pode aprender com as eleições na Argentina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV