Uma reflexão sobre o Cântico de São Francisco abre a décima quarta congregação geral. O louvor restitui a criação para Deus

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco conclui o texto sobre o Sínodo amazônico; publicação deve sair em poucas semanas

    LER MAIS
  • Celibato dos padres, Papa Francisco: com Ratzinger o caso está encerrado. Eugenio Scalfari relata seu encontro com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Padres casados ​​e diáconas. Os bispos alemães aceleram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Outubro 2019

O rascunho do documento final do Sínodo dos Bispos para a Amazônia foi apresentado aos 184 padres que participaram da décima quarta congregação geral, realizada na manhã da segunda-feira 21 de outubro, na presença do Papa. Após a recitação da terceira hora - durante a qual o arcebispo peruano de Trujillo, D. Héctor Miguel Cabrejos Vidarte, fez a homilia que publicamos abaixo - o cardeal Cláudio Hummes, relator geral, explicou à assembleia reunida no plenário do Sínodo o texto do projeto, lendo algumas passagens. Logo depois, um dos convidados especiais (que nos últimos dias não havia podido proferir seu discurso) tomou a palavra para reiterar a importância da ecologia integral e a urgência de preservar a floresta amazônica para proteger a vida de todo o planeta.

A reportagem é publicada por L'Osservatore Romano, 21/22-10-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Em seguida, os padres voltaram a se reunir nos círculos menores para a elaboração dos modos coletivos, ou seja, as emendas ao rascunho do documento, que deverão ser apresentadas à Secretaria do Sínodo até à noite de terça-feira. Na quarta-feira de manhã, o relator geral e os secretários especiais, com a ajuda de especialistas, os inserirão no texto, que será revisado e aprovado pela Comissão para a redação do documento final na tarde da quinta-feira 24. No briefing diário realizado no final da manhã na Sala de imprensa da Santa Sé, o cardeal Christoph Schönborn, arcebispo de Viena e presidente da Conferência Episcopal da Áustria; bispo Domenico Pompili, de Rieti (Itália); o padre Dario Bossi, Superior Provincial dos Missionários Combonianos no Brasil, membro da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam) e da Rede Iglesias e Minería; e a brasileira Marcivana Rodrigues Paiva, representante do Grupo étnico sateré mawé.

Eis a homilia.

"Bendizei ao Senhor, todas as suas obras" (Salmo 103, 22).

O Papa Francisco escolhe como o início de sua encíclica Laudato Si' a poesia do Cântico do Irmão Sol. E o Papa também confiou este sínodo a São Francisco, nos jardins do Vaticano, em 4 de outubro.

Então, permito-me convidá-lo a seguir um trecho do caminho espiritual de São Francisco.

São Francisco compõe o Cântico depois de uma noite passada entre os espasmos, causados ​​por um câncer ósseo, que em poucos meses o levará à morte, e os sofrimentos que alguns dos irmãos que Deus lhe deu lhe causaram.

Então nasce de seu coração a outra grande oração de louvor: Vós sois ternura, Vós sois bondade, Vos sois toda a nossa alegria, Admirável, Altíssimo Bom Senhor ...

Francisco substitui a beleza medieval, reservada apenas aos poderosos, pela beleza dos últimos, ao tocar e beijar o leproso. Essa oração, composta na montanha de La Verna, nos diz que o Deus de Francisco não é mais um Deus guerreiro, mas o Deus sofredor, o Deus que padece e tem pena da dor do ser humano, ferido pela mortalidade.

Inebriado pelo encontro com o Deus da ternura, Francisco está pronto para louvar o Senhor em todos os momentos. Não há nuvens que possam obscurecer a dignidade da pessoa, prodígio de Deus; não há nuvens que ofusquem o valor da vida, maravilha de Deus; ou nuvens que ameaçam o dom dos irmãos, que o perdão pode fazer resplandecer. Sim, porque para Francisco a beleza não é uma questão de estética, mas de amor, de fraternidade a todo custo, de graças a todo custo. " Laudato si’, mi’ Signore, per frate vento et per aere et nubilo et sereno et onne tempo". Vós sois beleza!

Conhecer o Bem Supremo, reconhecer os benefícios e restituir ao Bem Supremo o louvor (conhecer, reconhecer e restituir) são os verbos que marcam o ritmo da jornada espiritual de São Francisco de Assis. O Deus conhecido por Francisco é o todo: Deus meu e meu tudo. Deus et Omnia, é repetido por Francisco nos Louvores de Deus Altíssimo, Deus "tudo em todos" (1 Coríntios 15, 28).

A experiência da totalidade de Deus, de sua bondade em tudo, em todas as coisas, representa a amplitude e extensão de sua visão da realidade, que só pode incluir tudo em Deus e Deus em todas as criaturas: em toda obra elogia o Criador. Tudo o que ele encontra nas criaturas o refere ao Criador. Exulta de alegria em todas as obras que saíram das mãos do Senhor e, através dessa visão alegre, intui a causa e a razão que lhes dá vida.

Nas coisas belas, ele reconhece a Suma Beleza, e de tudo o que é bom para Francisco, o grito se eleva: "Quem nos criou é infinitamente bom!" Através das pegadas deixadas pelo Bem Supremo na natureza, São Francisco segue o Amado em todos os lugares e faz de cada coisa uma escada para alcançar seu trono. Abraça todos os seres criados com um amor e devoção nunca ouvidos antes, falando a eles do Senhor e exortando-os ao seu louvor. Assim, Francisco se torna o inventor do sentimento medieval em relação à natureza.

Tendo reconhecido Deus em todas as coisas, Francisco se sente levado à restituição. Ao Criador a glória que lhe corresponde como artífice da beleza. O louvor representa, assim, o movimento de restituição.

Se para São Francisco o pecado é uma apropriação não apenas da vontade, mas também das coisas boas que o Senhor opera no ser humano, o louvor, ao contrário, é restituição. O ser humano não pode louvar a Deus como se deve, dado que com o pecado feriu sua filiação.

O louvor a Deus, aquele a quem realmente corresponde, não poderia ser adequadamente elevado pelo homem se as criaturas não viessem em seu auxílio, pois o ser humano, por causa do pecado, não é digno de nomeá-lo.

São Francisco esclarece dizendo que as criaturas, que são suas irmãs, "servem, conhecem e obedecem a seu Criador melhor que você", porque são as únicas a ter eloquência, autenticidade de palavra e beleza de expressão: o ser humano é tal apenas se reconhece sua própria simplicidade. Se na Regra de São Francisco a indignidade do ser humano pecador é ajudada pelo Filho de Deus, no Cântico as criaturas desempenham o papel de mediação para louvar a Deus. Assim as criaturas do universo preenchem o vazio de um ser humano desprovido, por causa do pecado, de uma voz digna de louvar o Criador "como ele gosta".

Francisco refere-se ao Salmo 103, 22: "Bendizei ao Senhor, todas as suas obras", a Daniel 3, 57 e ao Salmo 19, 1: "Os céus contam a glória de Deus". Até os adjetivos - belo, radiante, claro, precioso - expressam as qualidades divinas que tornam as criaturas aptas a para ajudar o homem que, tendo pecado, é incapaz de um louvor digno.

Os louvores ao Senhor feitos por São Francisco e que começam com "Altíssimo Todo-Poderoso, Bom Deus", intitulado Cântico do Irmão Sol, que é a criatura mais bela. De manhã, quando o sol nasce, todo homem deveria louvar a Deus, que criou aquele astro, através da qual nossos olhos são iluminados durante o dia. E ao entardecer, quando a noite cai, todo homem deveria louvar a Deus por aquela outra criatura: frei Focu, através do qual nossos olhos são iluminados durante a noite.

Ele ainda diz: "Somos todos como cegos, e o Senhor nos ilumina os olhos por essas duas criaturas. Para elas e para as outras criaturas que usamos todos os dias, devemos sempre louvar o glorioso Criador”.

São Francisco descobre em Deus o lugar da criação, restitui a criação a Deus, vê Deus em todas as coisas e, por isso, ousa chamá-las de irmãs. Ele é o irmão universal (cf. Laudato si', n. 11), porque vê em Deus não apenas o Pai de tudo, mas também o Pai de todas as coisas.

Portanto, ele canta:

"Vós sois o santo Senhor e Deus único, que operais maravilhas/ Vós sois o Forte / Vós sois o Grande / Vós sois o Altíssimo / Vós sois o Rei onipotente / santo Pai, Rei do céu e da terra./ Vós sois o Trino e Uno, Senhor e Deus, Bem universal.

Vós sois o Bem, o Bem universal, o sumo Bem, Senhor e Deus, vivo e verdadeiro. / Vós sois a delícia do amor. / Vós sois a Sabedoria. / Vós sois a Humildade. / Vós sois a Paciência / Vós sois a beleza”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma reflexão sobre o Cântico de São Francisco abre a décima quarta congregação geral. O louvor restitui a criação para Deus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV