Mãe e bebê abraçados no fundo do mar

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Outubro 2019

"Mas acima de tudo, não conseguirão esquecer. Quem poderia esquecer uma imagem tão pungente? Não é humano esquecer, e de fato não esquecem os garotos e garotas que trabalham nos barcos das ONGs e não esquecem os garotos e garotas da Guarda Costeira Italiana. Mas, para eles, não são fotografias, são carne que pesa, olhos a serem fechados, pele escamada pelo diesel. São corpos, com sua desagradável fisicalidade. E a fisicalidade te contagia, te enodoa, se gruda em ti com seu cheiro, com a forma impressa nos dedos que agarraram braços, pernas, cabelos, na tentativa desesperada de salvar".

A reflexão é da escritora italiana Elena Stancanelli, em artigo publicado por La Stampa, 16-10-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

Desta vez, temos que desistir da fotografia. A mãe e o recém-nascido abraçados, a enésima “pietà” desses anos de infinitas mortes pela água. A fotografia que nos abala, que nos envergonha, nos acorda por um momento, lembrando-nos de nossas responsabilidades. Pena, teria sido perfeita. Uma mãe e um recém-nascido, o que poderia ser menos perigoso? Difícil invocar o terrorismo diante de uma mãe e de um recém-nascido, o tráfico de drogas, os celulares e a tendência ao estupro. Toda a tralha propagandística é obrigada a se calar, quando a verdade do desespero aparece. Pura, simples, inocente. Mas essa fotografia não será vista, porque aquela mãe e aquele bebê estão no fundo do mar, na escuridão, a sessenta milhas de profundidade. Comidos pelos peixes, envolto nas algas, inchado, assustadores. Eles foram encontrados pelos mergulhadores da Guarda Costeira italiana, procurando os dezessete corpos ainda desaparecidos, após o naufrágio de 7 de outubro, que ocorreu a alguns quilômetros de Lampedusa.

Naquela noite, tendo chegado perto da costa, com o bote que fazia água e o motor sem gasolina, os homens e as mulheres desesperados enviaram um pedido de ajuda. Mas quando chegou o socorro, como acontece com frequência, o pânico deu uma rápida e trágica guinada nos eventos: o bote virou e aqueles homens e mulheres, e aquelas crianças, destruídas pelo cansaço, aterrorizadas, com coletes salva-vidas falsos incapazes de nadar, afundaram. Foram procurados durante uma semana, no meio do mar agitado.

Primeiro encontraram os destroços e depois os corpos. Alguns ainda estão desaparecidos, serão encontrados. Mas acima de tudo, não conseguirão esquecer. Quem poderia esquecer uma imagem tão pungente? Não é humano esquecer, e de fato não esquecem os garotos e garotas que trabalham nos barcos das ONGs e não esquecem os garotos e garotas da Guarda Costeira Italiana. Mas, para eles, não são fotografias, são carne que pesa, olhos a serem fechados, pele escamada pelo diesel. São corpos, com sua desagradável fisicalidade. E a fisicalidade te contagia, te enodoa, se gruda em ti com seu cheiro, com a forma impressa nos dedos que agarraram braços, pernas, cabelos, na tentativa desesperada de salvar.

Enquanto as fotografias, como explicava muito bem Susan Sontag naquele ensaio intitulado "Diante da dor dos outros", são ambíguas. O seu efeito é ambíguo. "A imagem como choque e a imagem como clichê são dois lados da mesma moeda", escreve Sontag. Precisamos fazer algo para impedir esse massacre, e para isso é necessário encontrar uma maneira, para que o horror resista dentro de nós tempo suficiente para tornar essas mortes insuportáveis, para afastá-las do cálculo eleitoral. Poderíamos parar de chamá-los de migrantes, por exemplo. Talvez se simplesmente disséssemos "pessoas", seria mais fácil entender que somos responsáveis por suas vidas. Citando novamente Sontag, "nunca se deveria dar um nós como garantidos quando se trata de olhar para a dor dos outros".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mãe e bebê abraçados no fundo do mar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV