Nopoki, uma revolução na educação no meio da selva peruana

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Não posso me calar

    LER MAIS
  • Estudantes, trabalhadores e sonhadores. Quem eram os jovens que morreram após ação da PM em baile funk

    LER MAIS
  • O fim do indivíduo. Viagem de um filósofo à terra da inteligência artificial

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Outubro 2019

Um dos grandes desafios do Sínodo para a Amazônia é reconhecer os novos caminhos já presentes nos vários cantos da Amazônia. Uma das questões discutidas na assembleia sinodal é a da educação inculturada, um desafio na vida dos povos nativos.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

Nopoki é um exemplo claro do que os espaços interculturais significam na vida dos povos amazônicos. Esta é uma universidade indígena no meio da selva peruana, onde o Vicariato de San Ramón, por meio de seu bispo, Dom Gerardo Zerdín, conseguiu realizar um trabalho que alguém como Delio Siticonatzi, líder do povo Asháninka, um dia de estudante e hoje professor, define isso como algo maravilhoso, um lugar onde ele descobriu o que significa serviço.

 (Fotos: Luis Miguel Modino)

Esta universidade, que depende da Universidade Católica Sede Sapientiae, foi instalada há 14 anos na cidade de Atalaya, na tentativa de formar professores em educação bilíngue, com o impulso de Dom Zerdín, um dos grandes impulsionadores desse tipo de educação. Na Amazônia peruana, que, por outro lado, sempre isso esteve presente, como apontou Manuel Cornejo Chaparro, pesquisador do Centro Amazônico de Antropologia e Aplicação Prática (CAAAP), em 1902 já existem documentos que mostram a preocupação dos missionários em evangelizar os povos indígenas a partir de sua própria língua.

Segundo o bispo do Vicariato de San Ramón, “os indígenas precisam de seu papel”, algo que foi expresso muito explicitamente na assembleia sinodal, “onde os melhores discursos foram das mulheres indígenas”, afirma o bispo franciscano de origem croata Nopoki é visto “como uma esperança para nós”, enfatizou Delio Siticonatzi, que se referiu a Dom Gerardo, “como alguém que pensou nos jovens e fez surgir profissionais”, e a Igreja “como quem nos recebe e nos convida a seguir ”, superando os muitos preconceitos contra os povos indígenas, que viam os indígenas como alguém que precisava permanecer em seu mundo, segundo Delio. O indígena ashánika afirma, lembrando as palavras de Yesica Patiachi, que a educação não apaga as culturas, tradições e idiomas desses povos.

 

O atual professor universitário define Nopoki como um local de verdadeira interculturalidade, onde estudantes pertencentes a diferentes povos descobrem que podem dialogar com outras culturas amazônicas, o que sempre enriquece. Um dos elementos que mais se pode admirar é que aqueles que são formados em Nokopi retornam às suas comunidades como promotores da comunidade, com uma visão diferente e com o objetivo de servir e compartilhar o que estão aprendendo, tanto teoricamente quanto na prática, na tentativa de aprender com sua cultura. De fato, Siticonatzi hoje coordena um internato onde os alunos são chamados a descobrir sua vocação para o serviço.

O próprio líder Asháninka deixou um emprego como professor de estado, muito melhor remunerado, para estar em um lugar onde experimenta o que significa serviço, ajudando jovens indígenas, muitas vezes com um sentimento de inferioridade sobre si mesmos, a descobrir isso com esforço pode ser feito.

 

Em Nopoki, que hoje tem 700 alunos, metade é formada em educação intercultural bilíngue. De fato, para ingressar na universidade, é necessário que uma das sete línguas ensinadas seja conhecida. Algo que é feito a partir de diferentes conceitos e processos, porque conhecer uma linguagem, algo que Dom Gerardo sabe, é uma coisa, mas ensinar é outra. Ele diz que formalizaram cinco gramáticas indígenas, algo que levou dez anos, "sempre procurando conceitos apropriados", insiste o bispo.
Um dos grandes desafios é integrar a sabedoria ancestral dos povos no processo educacional. Cada povo tem sua visão de mundo, que é socializada para que os outros povos a conheçam, diz Delio Siticonatzi. De fato, os professores de línguas, que abarca os dois primeiros anos, são sábios de seus povos, enquanto os da metodologia, que inclui outros dois, são professores formados na universidade desde o realidade de seus povos, segundo o bispo franciscano.

 

Dom Zerdín denuncia que “quem estudou se sente superior”, às vezes inconscientemente. Ele afirma que, em algumas instituições indígenas, as pessoas que chegam de fora apreendem esse mundo e acabam considerando os indígenas como um problema. Ele até viu isso nas escolas católicas. Dado isso, ele argumenta que não pode ser que uma escola corte as raízes dos povos indígenas, que perdem sua cultura, mas ao mesmo tempo eles nunca assumirão a modernidade, para que “permaneçam flutuando no nada”. O diálogo intercultural não pode significar perder sua identidade, segundo o bispo, afirmando a necessidade de um desenvolvimento autêntico de seus territórios.

Para Delio, Nopoki é um lugar com uma mística especial, que tem Deus como fundamento, tornando-o um lugar onde o jovem deve saber quem ele é e por que ele veio a esse lugar. É assim que se realiza, uma experiência presente na vida de muitos jovens da Amazônia peruana nos últimos 14 anos. Uma experiência que pode ajudar a Igreja e os povos da Amazônia a realizar o que o Sínodo da Amazônia propõe.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nopoki, uma revolução na educação no meio da selva peruana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV