“Estamos enfrentando o colapso da civilização das energias fósseis”, afirma Jeremy Rifkin

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • A ditadura do sr. Guedes. Artigo de Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Um estranho casamento: neoliberalismo e nacionalismo de direita

    LER MAIS
  • "Nunca, nunca encobrir a realidade. Dizer sempre: 'É assim'”. Papa Francisco recebe a redação da revista jesuíta Aggiornamenti Sociali

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Outubro 2019

Jeremy Rifkin é tão otimista como apenas um americano pode ser e está tão preocupado com o meio ambiente quanto uma jovem europeia chamada Greta Thunberg. O economista estadunidense Jeremy Rifkin tem 74 anos e aborda o problema do século. Isso é o que Rifkin diz hoje sobre o que se considera a implementação de medidas ambiciosas para impedir as mudanças climáticas como um ataque direto à sensatez econômica: “A civilização erguida sobre combustíveis fósseis entrará em colapso de qualquer modo, provavelmente até 2028”. E acrescenta: “Porque agora o mercado está falando”.

A reportagem é Andreas Rostek-Buetti, publicada por Deutsche Welle, 10-10-2019. A tradução é do Cepat.

Rifkin desenvolve no livro que acaba de apresentar na Alemanha, The Green New Deal, que é especificamente o que diz “o mercado”. Rifkin tem reputação como assessor político e pesquisador sobre o futuro econômico. Seu livro revolucionário sobre o “fim do trabalho” pela digitalização já tem mais de 20 anos.

A mudança impulsiona o mercado

Jeremy Rifkin considera que “é difícil para as pessoas imaginarem que estamos às portas do colapso da civilização das energias fósseis, com as quais vivemos 200 anos”. E acrescenta, em conversa com Deutsche Welle: “Neste ano, os custos da energia solar e eólica serão menores que os da energia atômica, petrolífera, do carvão e também do gás”. Segundo Rifkin, já estamos vivendo dentro de uma enorme bolha baseada em “investimentos de capital ancorados na indústria de energia fóssil”.

Rifkin oferece números a esse respeito em seu novo livro. A proporção de energias renováveis em 2017 era de apenas 3%. Mas, para Rifkin, o decisivo é a taxa de crescimento. E com 14% de renováveis em todas as fontes energéticas “alcançou-se um ponto sem retorno: o colapso da economia baseada em energias fósseis impulsiona então o mercado”.

Para Rifkin, os grandes fundos americanos, com um volume de mais de 42 bilhões em 2017, serão os principais atores na mudança energética: deveram se afastar das energias fósseis simplesmente porque não serão mais lucrativas. O tempo urge, assim como os manifestantes do movimento Friday for Future (Sexta-feira para o Futuro), Rifkin aponta: “Temos 12 anos para remodelar nossa civilização ou enfrentaremos uma mudança climática que já é impossível de controlar. Trata-se de um momento perturbador, mas também é uma oportunidade”. Não por acaso, seu New Deal verde faz alusão ao New Deal de Franklin D. Roosevelt, um pacote de medidas para tirar o país da crise econômica, nos anos 1930 do século passado. Entre outras coisas, com grandes programas de investimento em energia e infraestruturas.

“As cidades entram em jogo”

Rifkin fala sobre os atores que podem contribuir para salvar o clima: “O mercado pode ser um agente poderoso”, diz à Deutsche Welle, “mas isso não é suficiente”. É necessária uma nova infraestrutura para o novo tempo: “É aí que entram em jogo as cidades e as regiões”. “Os governos devem contribuir com os projetos da nova infraestrutura e devem integrar as comunidades nos processos de transformação”. Talvez seja a isso que Merkel se referiu quando falou sobre o pacote de medidas contra as mudanças climáticas: “A política é o que é possível”.

Rifkin acredita que, às vezes, é necessário que a rua pegue a mão da política para lhe mostrar “o que é possível”. “Está justificado que os jovens saiam às ruas e digam aos pais: 'Podemos viver neste planeta? Poderemos sobreviver?’”. O autor é, de qualquer modo, otimista: “Temos os instrumentos para uma terceira revolução industrial. Existe a tecnologia e o mercado fala, os preços demostram isso”, conclui Rifkin.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Estamos enfrentando o colapso da civilização das energias fósseis”, afirma Jeremy Rifkin - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV