Sínodo da Amazônia. Uma semana falando sem medo, em comunhão, com coragem e sem tabus

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS
  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Outubro 2019

O sínodo é caminhar juntos, também com aqueles que pensam diferente, mas que têm a mesma fé. No final da primeira semana, é bom ter um tempo de reflexão que ajude a avançar no discernimento, a encontrar os novos caminhos que o papa Francisco propõe, um desejo que é apoiado pela Igreja que peregrina na Amazônia.

O depoimento é de Luis Miguel Modino.

Podemos dizer, como diferentes vozes reconhecem, que a primeira coisa que pode ser destacada nestes primeiros dias é um sentimento de profunda unidade, verificado pelos padres sinodais, auditores e peritos, uma unidade que conduz a uma experiência de comunhão, que nos leva a afirmar que, depois de uma semana, o Sínodo da Amazônia está no caminho certo. A grande maioria destaca a atmosfera de liberdade que é respirada na sala sinodal, o que leva a realizar o desejo do Papa no discurso inaugural de falar com liberdade e paresia, ao qual acrescentou que se falasse desde a experiência, desde a verdade e com ousadia, o que ninguém pode negar que está acontecendo.

Uma coisa que surpreendeu agradavelmente muitos e causou a ira dos mesmos de sempre, aqueles que são contra Francisco, independente do que ele fizer ou dizer, é que estão sendo tocadas as questões que antes do Sínodo foram apresentadas como complexas, para alguns como tabu, com absoluta tranquilidade. Está em discussão a ministerialidade, especificamente o que se refere a homens casados e mulheres. De fato, entre aqueles que fazem parte da aula sinodal, algumas informações indicam que há uma genuína abertura para explorar esses processos.

Um aspecto importante é que a periferia atingiu o centro e causou alguma colisão. O centro não está acostumado a essa realidade periférica, portanto, algumas características do centro, diante desse processo sinodal e essa experiência periférica, que são esmagadoras, demonstradas pelo grande número de depoimentos, estão sendo questionadas. Uma das leituras que podem ser feitas é que alguns dos que estão instalados no centro podem se sentir um pouco inseguros quanto aos ritmos em que isso poderia acontecer.

Em frente a esses habitantes do centro, o Papa está localizado sempre mais perto da periferia, e podemos dizer que tem mostrado uma presença absoluta de conexão, escuta ativa, manifestada mesmo em alguns momentos de aplausos, muito presentes diante de algumas intervenções, especialmente aquelas nascidas da vida amazônica concreta e não de um discurso teórico feito desde longe.

Um dos que interveio na sala de aula sinodal é Mauricio López, secretário executivo da Rede Eclesial Pan-Amazônica - REPAM, que resumiu suas palavras afirmando que “no processo, o que está por trás, o que não é dito e o que está subjacente em toda dinâmica social, é uma tensão entre a disciplina doutrinária e o crescente sensus fidei do povo de Deus. ”

Nesse sentido, alguém que conhece todo o processo sinodal perfeitamente, reconhece que “o que está em jogo é como a periferia, em seu discernimento, de alguma forma ajuda que a mesma estrutura possa ser transformada e executada de maneira responsável e respeitosa, mas onde a primazia é levada pelo sentimento do povo de Deus”.

Para o auditor sinodal, "isso é absolutamente sem precedentes neste Sínodo", que tem sua causa "na escuta sinodal que foi dada", uma opinião com a qual muitos dos que fazem parte da assembleia sinodal concordam, que afirmam que se percebe que os participantes têm um ótimo conhecimento do que está sendo tratado. Podemos afirmar que o Sínodo da Amazônia tem sido um processo muito trabalhado por muitas pessoas durante muitas horas, o que gera certa esperança de que o objetivo possa ser alcançado, novos caminhos para a Igreja e uma ecologia integral.

Neste Sínodo para a Amazônia “não prevalece o depósito da fé, mas a origem do espírito de Deus que produz a fé”, segundo Mauricio López, para quem “se o depósito não for adequado à estrutura, precisamos procurar novas". Ele se refere à citação do Evangelho, afirmando que "o vinho velho em odres velhos é muito auspicioso, ele nos dá o melhor vinho, mas o vinho novo precisa de odres novos".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sínodo da Amazônia. Uma semana falando sem medo, em comunhão, com coragem e sem tabus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV