“Equipes ministeriais”. A proposta de Fritz Lobinger em discussão

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como a fé católica de Joe Biden moldará sua relação com o Papa Francisco e os bispos dos EUA. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • O culpado da mortandade não é o Exército. É Bolsonaro e seus políticos liberais e fascistas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Outubro 2019

O bispo alemão Fritz Lobinger, bispo missionário, aposentado, de 90 anos, da África do Sul, tornou-se subitamente o assunto de Roma.

O artigo é de Charles Collins, publicado por Crux, 09-10-2019. A tradução é de Natália Froner dos Santos.

A ideia de Lobinger de ordenar “presbíteros” ao sacerdócio para fornecer às comunidades locais acesso regular aos sacramentos tem sido a raiz das discussões sobre os “padres casados” que dominaram as manchetes sobre o Sínodo na Amazônia, a cúpula de três semanas dos bispos que começou esta semana no Vaticano.

Esta é uma questão premente na região – algumas áreas têm apenas um padre por 15.000 católicos, com os padres obrigados a viajar de canoa para alcançar comunidades isoladas. Algumas pessoas podem não ver um padre por um ano, deixando catequistas leigos para realizar os cultos dominicais, bem como presidir batismos e casamentos.

Ao mesmo tempo, tem havido forte resistência à ideia de abandonar o domínio do celibato para os padres do Rito Latino.

A ideia revolucionária de Lobinger é uma tentativa de alinhar o círculo sobre o assunto.

O bispo – que também enfrentou a falta de padres em sua diocese remota – há décadas defende a ordenação de homens casados, ou “presbíteros” ao sacerdócio, mas com uma reviravolta: eles não seriam clérigos no sentido comum.

Os “presbíteros”, embora tecnicamente ordenados, nem seriam chamados sacerdotes e trabalhariam sob uma série de limitações: eles só poderiam servir em sua comunidade local, não receberiam educação no seminário, não usariam roupas clericais.

Em outras palavras, esses “presbíteros” seriam homens casados ​​com empregos, fazendo cursos de fim de semana por alguns anos antes de serem ordenados.

Esses “presbíteros” seriam guiados pelos padres celibatários, formados no seminário.

(Para os americanos, o conceito tem um toque de familiaridade, uma vez que os diáconos permanentes têm antecedentes semelhantes, embora não possam ouvir confissões ou celebrar a missa.)

A ideia de Lobinger é um pouco diferente da ideia tradicional dos viri probati – do latim "homens testados" – em que alguns homens mais velhos selecionados podem ser ordenados ao sacerdócio sem passar pela mesma formação extensiva que outros padres. Essa proposição antecede o atual debate de padres casados ​​e foi originalmente proposta para homens celibatários mais velhos em territórios de missão que eram velhos demais para passar por um processo de formação que começava regularmente quando um homem estava na adolescência. Atualmente, é usado exclusivamente para se referir a candidatos casados.

Os viri probati podem trabalhar sob certas restrições – talvez não tenham permissão para servir como pastor ou até mesmo para pregar uma homilia – mas eles ainda seriam padres. De muitas maneiras, os viri probati são conceitualmente semelhantes ao “padre simplex” das casas religiosas antes do Vaticano II, que podiam celebrar a missa, mas não ouvir confissões ou pregar sermões.

Lobinger diz que deveriam haver duas formas diferentes de sacerdócio, tão distintas quanto possível.

E aqui reside a verdadeira revolução que está sendo proposta.

Embora seja considerado o ponto de discussão mais controverso do sínodo, um sacerdócio casado é algo que a Igreja Católica já experimenta e entende.

A maioria dos Ritos Orientais tem um clero casado, centenas de convertidos ao clero se tornaram padres católicos casados ​​no Rito Latino e, nas atividades ecumênicas, o clero católico vê seus colegas protestantes vivendo e ministrando com seus cônjuges.

A proposta de Lobinger, por outro lado, poderia alterar radicalmente a ideia do sacerdócio, como é entendida na Igreja Católica, até criando um sistema de castas entre os sacerdotes.

“Isso significa que teríamos duas formas diferentes de sacerdócio. Ambos recebem o mesmo sacramento das Ordens Sagradas. Teologicamente falando, ambos são sacerdotes, mas na vida cotidiana sempre usaríamos dois termos diferentes: padres e presbíteros”, escreveu o bispo dos EUA, em 2010.

“Os dois tipos exercem dois papéis diferentes. Os presbíteros liderariam a comunidade e administrariam os sacramentos em sua própria comunidade, enquanto os padres seriam os guias espirituais dos presbíteros em várias comunidades auto administradoras. Os padres serviriam assim a toda a diocese, enquanto os presbíteros serviriam apenas à comunidade onde foram ordenados. Os presbíteros não seriam transferidos.”

A proposta levanta uma série de questões, sem sequer mencionar padres casados ​​ou celibato.

Em primeiro lugar, o que se faz com um “presbítero” entrincheirado que, no final, não é um bom ajuste para o ministério, especialmente se ele é um líder popular na comunidade? Lobinger diz que isso pode ser evitado ordenando apenas "equipes ministeriais" para impedir que uma única figura ganhe muito poder, mas é difícil ver como isso impediria o problema.

Mas mesmo que todas as questões práticas e jurídicas possam ser respondidas pelos padres sinodais, outra questão está oculta sob a proposta, que aborda a história colonial da região amazônica.

Os “presbíteros” representariam frequentemente as comunidades indígenas em uma diocese liderada por um bispo não indígena assistido por padres não indígenas, o que significa que um elemento racial desconfortável existiria entre as duas classes de padres. O sistema teria como resultado de fato a criação de um clero indígena sem permissão para usar os títulos e roupas usados ​​por clérigos não indígenas – nem mesmo exercendo seu ministério fora de sua aldeia.

Para os povos indígenas que muitas vezes sofreram sob restrições semelhantes em sua vida cotidiana, pode haver ressentimento se seus "presbíteros" forem tratados como clérigos de segunda classe.

E esse é o material das revoluções reais.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Equipes ministeriais”. A proposta de Fritz Lobinger em discussão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV