“Que o Sínodo não falhe na opção do zelo com os pobres e no cuidado com a terra”, afirma Dom Roque Paloschi

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Outubro 2019

Para o presidente do Cimi, é necessário “romper com o paradigma histórico que vê a Amazônia como uma despensa inesgotável dos Estados sem levar em conta seus habitantes”.

A reportagem é publicada por Conferência Nacional dos Bispos Brasileiros - CNBB, 08-10-2019.

Dom Roque na entrada para o Sínodo, na segunda-feira (07). (Foto: Guilherme Cavalli/Cimi)

No terceiro dia do Sínodo, 8 de outubro, o arcebispo de Porto Velho (RO), dom Roque Paloschi, e presidente do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), concedeu entrevista ao jornalista Silvonei Protz, do VaticanNews.

Dom Roque falou que a metodologia de trabalho usada – conferências, silêncio e oração – favorece a escuta do Espírito Santo pelos padre sinodais. “Estamos escutando à nós, depois de quatro intervenções, fazemos 4 minutos de silêncio, para escutar a voz de Deus. É preciso que o Espírito Santo sopre com força para que nos ajude termos a serenidade e convicção de que é um momento histórico, um Kairós, onde o protagonista é o Espírito Santo e nós precisamos ser instrumentos neste caminho”.

O presidente do CIMI ressaltou também a necessidade de escutar os gritos manifestados no processo de escutas sinodais do qual participaram, segundo suas informações, 87 mil pessoas nos nove países que integram a Região Pan-Amazônica.

O arcebispo de Porto Velho (RO) também manifestou contentamento pela postura do Papa Francisco. “É uma alegria também sentir a preocupação do coração do Santo Padre com os povos originários”, disse. Dom Roque ressaltou a ternura do Santo Padre em ouvir de forma personalizada cada um. “Ele simplesmente ouve com atenção personalizada a cada um. Fez o discurso inicial e está ouvindo a todo mundo”, destacou.

Na avaliação do religioso, o Sínodo está dando a tônica de um compromisso de irmãos e irmãs na perspectiva de caminhar juntos, onde não tem há quem ensina e quem aprende. “Todos nós somos aprendizes da Escola de Jesus, queremos fazer da nossa vida um eterno hino de louvor de nós criaturas ao Criador. É um clima de irmãos e irmãs, procurando construir uma estrada juntos na certeza de que somos conduzidos pelo Espírito Santo”, disse.

O arcebispo disse que levou ao encontro dos padres sinodais a esperança dos pobres que depositam na Igreja uma grande confiança e expectativa para que o Sínodo não falhe na opção do zelo e do cuidado com os pobres da terra e com o cuidado com a terra.

Recordando as palavras do Papa Francisco em Puerto Maldonado, no Peru, quando lançou oficialmente o Sínodo, em janeiro de 2018, junto aos povos indígenas, dom Roque disse que é necessário “romper com o paradigma histórico que vê a Amazônia como uma despensa inesgotável dos Estados sem levar em conta seus habitantes”. Muitas ameaças, como afirmou o Papa, estão impactando negativamente a vida dos povos originários. “A Igreja precisa fazer e por mais que faça, fará pouco pelo bem, pela vida e pela esperança dos povos originários e amazônicos’, concluiu.

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Que o Sínodo não falhe na opção do zelo com os pobres e no cuidado com a terra”, afirma Dom Roque Paloschi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV