A Igreja suíça também planeja seu “caminho sinodal” (sem chamá-lo assim)

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Setembro 2019

Preferem chamá-lo “processo de renovação”, para evitar problemas com Roma.

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital, 24-09-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

A Igreja Católica na Suíça está planejando um “processo de renovação” para abordar os problemas derivados das crises de abusos e para recuperar a “credibilidade”, anunciou o presidente da Conferência Episcopal da Suíça.

O presidente do episcopado, Felix Gmür, anunciou na quarta-feira passada que ele e seus irmãos bispos votaram por um “processo de renovação” em uma assembleia em Saint-Maurice.

Gmür, bispo da Basileia, disse que o processo abordaria temas tais como o abuso sexual, o abuso de poder, o celibato sacerdotal e a possível ordenação de homens casados, o papel da mulher na Igreja e a fé e a evangelização.

Ainda que o processo suíço tratará os mesmos problemas, Gmür minimizou as comparações com o “caminho sinodal vinculante” da Igreja alemã, que nos últimos dias recebeu fortes críticas de Roma.

“Evitamos os termos ‘sinodal’ ou ‘sínodo’”, disse Gmür, explicando que esses termos têm significados particulares na lei canônica que não se darão no caso suíço.

Referindo-se a uma crítica recorrente do caminho sinodal alemão, Gmür rechaçou a sugestão de que o “processo de renovação” equivale a uma “forma especial” suíça.

A unidade com a Igreja universal, uma prioridade

O bispo da Basileia enfatizou que manter a unidade com a Igreja universal é uma prioridade.

Porém disse que deve fazer algo para apagar o “fogo” da crise de credibilidade da Igreja.

“Os desertores da Igreja estão aumentando; em alguns lugares, a frustração é enorme”, advertiu Gmür.

Gmür disse que a ideia preliminar para o processo de renovação é nomear primeiro um comitê diretivo laico composto por dois ou três pessoas, homens e mulheres de todo o país, para elaborar um cronograma.

Depois, poderão ser convocados cinco painéis, com dez a doze pessoas em cada um, para debater os problemas chaves do abuso, poder, celibato, mulheres e evangelização.

Porém, o bispo da Basileia advertiu que o processo levará tempo: talvez dois ou três anos.

“Vale a pena esperar todas as coisas boas”, explicou Gmür.

O resultado do longo período de tempo poderia ser que os bispos suíços tenham material suficiente para escrever uma carta ao Papa sobre as deliberações do processo de renovação, acrescentou o bispo.

Sem mencionar que a dinâmica entre os leigos e a hierarquia melhoraria, disse Gmür.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Igreja suíça também planeja seu “caminho sinodal” (sem chamá-lo assim) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV